Como encontrar um sentido de comunidade

Obssecada e apaixonada - como parar de pensar em alguém?

2020.11.23 02:37 Independentsoulmate Obssecada e apaixonada - como parar de pensar em alguém?

Boa noite pessoal, entrei na comunidade essa semana e estou gostando muito do apoio que todos se dão aqui. Escreveria isso aqui no meu quadro pessoal de desabafos, porém resolvi trazer para cá para ver se vocês conseguem me ajudar de alguma forma. Meu cerebro está estragado no seguinte sentido, começo a ficar com um cara e me apaixono. A última paixão do momento é correspondida, porém o cara está a mais de 10mil km do Brasil e as fronteiras fechadas. E o que acontece quando estou apaixonada, não consigo pensar em nada mais, meu trabalho fica em segundo plano, minha vida pessoal, diversão, projeto tudo no que eu poderia viver com a pessoa e esqueço do resto, parece que só serei feliz se tiver alguém e se for o alguém que naquele momento estou projetando minhas expectativas e planos.. Queria que meu cerebro funcionasse direito e conseguisse ter sonhos melhores sabe, como melhorar o mundo, que o Brasil se tornasse menos desigual, ou pensando em coisas para minhas funcionárias e a minha empresa, ou até mesmo para minha melhoria, mas coloco todas minhas expectativas em uma vida amorosa, ou no outro, TODAS. Meio que me esqueço me anulo, uma fuga quem sabe??
Sei que tem algo errado, no momento não tenho feito terapia, mas quero mudar esse ciclo de cerebro obssecado em unico pensamento pois isso não me fortalesse.. Esse último romance me impulsiona e tudo, tenho buscado ser uma pessoa melhor, porém, olho a vida de minha mãe, que apesar de ter construído muitas coisas na vida, passou uma vida esperando pelo meu pai para ser feliz, ou para encontrar o lazer e diversão..
Enfim para o momento é isso, aguardo considerações, abraços pandêmicos a todos!
submitted by Independentsoulmate to desabafos [link] [comments]


2020.11.20 15:15 BlindEyeBill724 Praeambula Fidei, artigo do Prof.Edward Feser

Praeambula Fidei, artigo do Prof.Edward Feser


Segue a tradução do artigo do Prof.Edward Feser em torno do Praeambula Fidei (por que isso é importante à apologética cristã, ver o post introdutório deste subrredit¹), encontrado originalmente em → http://edwardfeser.blogspot.com/2012/01/point-of-contact.html, com alguns outras traduções contextuais para que o leitor tenha acesso facilitado. Também realizarei alguns comentários quando julgar pertinente, espero que aproveitem algo (os comentários seram precedidos de CT, comentário do tradutor).
PONTO DE CONTATO
Bruce Charlton identifica seis problemas para os apologistas cristãos modernos² e propõe uma solução. Suas observações são todas interessantes, mas eu quero me concentrar no primeiro e mais fundamental dos problemas que ele identifica, que é que o conhecimento metafísico e moral que mesmo os pagãos tinham no mundo antigo não pode mais ser tomado por certo:
O cristianismo é um salto muito maior da modernidade secular do que do paganismo. O cristianismo parecia a conclusão do paganismo - um ou dois passos adiante na mesma direção e construindo sobre o que já estava lá (na cosmovisão clássica, CT): as almas e sua sobrevivência além da morte, a natureza intrínseca do pecado, as atividades de poderes invisíveis e assim por diante. Com os modernos, não há nada sobre o que construir (exceto talvez memórias de infância ou realidades alternativas vislumbradas através da arte e da literatura).
Desse problema seguem-se muitos outros, continua Bruce:
O Cristianismo moderno, conforme experimentado pelos convertidos, tende a ser incompleto - precisamente porque o Cristianismo moderno não tem nada sobre o que construir. Isso significa que o Cristianismo incompleto moderno carece de poder explicativo, parece ter pouco ou nada a dizer sobre o que parecem ser os principais problemas da vida. Por exemplo, o Cristianismo moderno parece não ter nada a ver com política, direito, arte, filosofia ou ciência; habitar um reino minúsculo e cada vez menor, isolado das preocupações diárias. O cristianismo moderno frequentemente exclui milagres; pecado original; o nascimento virginal, a encarnação e a natureza dual de Cristo; A morte, ressurreição e expiação de Cristo; a Santa Trindade; anjos, demônios e guerra espiritual invisível e assim por diante - mas sem esses e outros elementos, o cristianismo não se mantém unido nem satisfaz o anseio humano.
E
O Cristianismo moderno muitas vezes parece superficial - parece confiar demais no ditame das Escrituras e da Igreja - isso porque os modernos carecem de uma base nas percepções espontâneas da Lei Natural, do animismo, do senso de poder sobrenatural ativo na vida cotidiana. O Cristianismo moderno (após a primeira onda de experiência de conversão), portanto, parece seco, abstrato, legalista, proibitivo, não envolvente, sem propósito.
Como se costuma dizer, leia tudo. Acredito que haja muita verdade no que Bruce tem a dizer. Para ter certeza, nem por um momento penso (e presumo que Bruce não pense) que o Cristianismo realmente é "superficial", "incompleto", "seco", "sem propósito", desprovido de “Poder explicativo”, com “nada para construir” por meio de um terreno comum com a modernidade secular, etc. Muito pelo contrário. Mas concordo que pode parecer assim para muitas pessoas modernas. (Parecia mais ou menos assim para mim em meus dias ateus, antes de descobrir o que o Cristianismo, e em particular o Catolicismo, realmente disse - isto é, o que seus maiores representantes realmente sustentaram historicamente, em contraste com as distorções do cristianismo, seja liberal ou fundamentalista, que o substituiu em grande parte da opinião pública.)
O problema, em parte, é de circunstâncias históricas e culturais. Veja um exemplo simples, a descrição cristã de Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Para as pessoas modernas, esse tipo de conversa pode soar insuportavelmente piegas; na verdade, às vezes acho isso insuportavelmente piegas, a menos que o contexto seja capaz de neutralizar as terríveis associações culturais que passaram a cercá-lo. Portanto, se estou ouvindo uma referência a Jesus como Senhor ou Salvador no contexto da Missa (seja a forma extraordinária ou a forma ordinária celebrada de forma digna), isso não me incomoda de forma alguma; mas se o ouço proferido por um televangelista, sinto (talvez como um Dawkins ou um Hitchens sentiriam) uma necessidade irresistível de mudar de canal.
Pense, porém, nas associações que uma palavra como “Senhor” teria para alguém no mundo antigo ou medieval - faria lembrar um imperador ou um aristocrata. Pense no que "Salvador" significaria em um contexto cultural onde antigas comunidades locais estavam sendo engolidas por impérios implacáveis ​​e aparentemente invencíveis, e onde sistemas morais rigoristas como o estoicismo e o neoplatonismo competiam pela lealdade da intelligentsia - isto é, digamos, onde as pessoas tiveram uma sensação contínua de estarem em perigo físico real e de fracasso moral pessoal contínuo. Uma descrição de Jesus de Nazaré como "Senhor" e "Salvador" teria o reverso das conotações sentimentais e efeminadas que os secularistas ouvem agora - pode trazer à mente um Constantino severo cavalgando para o resgate a cavalo, digamos, em vez de um Mister Rogers com cabelo comprido e sandálias, pronto com um sorriso e um Band Aid para nossa estupidez espiritual.
Combine a política igualitária, a moral fácil e a riqueza relativa e a estabilidade social das últimas décadas, e poucas pessoas no mundo secular moderno estão procurando por um Senhor ou Salvador no sentido que os antigos e medievais teriam entendido. Adicione a isso o fato de que "Jesus é o Senhor!" tornou-se a expressão de uma religiosidade emocional e terapêutica veiculada por meio de camisetas, adesivos de para-choque e música ruim produzidos em massa, e toda a ideia é destinada ao secularista moderno a parecer ininteligível e repulsivamente cafona. (Raspe um Novo Ateu e você frequentemente descobrirá que este é o tipo de coisa contra a qual ele está reagindo, e tudo o que ele conhece do Cristianismo.)
Então, isso é parte do problema. Mas isso pode ser remediado se os proponentes de uma forma de cristianismo muscular e intelectualmente rigorosa - ou seja, do cristianismo simpliciter, como existiu historicamente - redescobrirem sua herança ancestral. Com isso, eles redescobrirão também a herança do mundo pagão e encontrarão nela os recursos para se comunicarem com o homem moderno, na verdade com qualquer homem. Os aristotélicos e os neoplatônicos sabiam que Deus existe, sabiam que o homem não é uma criatura puramente material, sabiam que o bom e o mau são características objetivas do mundo e que a razão nos direciona a buscar o bem. Eles sabiam dessas coisas através de argumentos filosóficos que não perderam nada de sua força, argumentos que foram recolhidos e refinados por pensadores cristãos e que informaram a grande tradição escolástica.
Como o Papa Leão XIII expressou belamente em Aeterni Patris, os tesouros intelectuais dos pagãos são como os vasos de ouro e prata que os israelitas tiraram do Egito, prontos para serem empregados a serviço da verdadeira religião. Assim, a Escolástica, cujo renascimento esta encíclica promoveu, felizmente, adotou tudo o que era de valor no pensamento de gregos e romanos, judeus e árabes. Com filosofia como com arte, literatura e arquitetura, se você quiser aprender o que os maiores não-cristãos têm a oferecer, venha para a Igreja, que o absorve e protege - honrando nossa natureza divinamente dada e seus produtos, mesmo enquanto ela cria eles mais elevados pela graça. Ela lembra ao homem o que ele já sabe, ou pode saber, por meio de seus próprios poderes, antes de revelar a ele verdades que ele não poderia chegar por conta própria. Ela fala com ele em sua própria língua - a linguagem da teologia natural e da lei natural, que são, em princípio, acessíveis a todos, e não têm prazo de validade. Até os secularistas modernos conhecem essa linguagem, pois não são menos humanos do que seus ancestrais pagãos. O problema é que eles falam isso apenas no nível de escola primária ou mesmo no jardim de infância, enquanto o maior dos antigos pelo menos tinha proficiência relativa ao ensino médio. Mas, por meio da educação, eles, como os antigos pagãos, podem ser preparados para o trabalho de pós-graduação proporcionado pela revelação divina.
Esta é, obviamente, a ideia do que Tomás de Aquino chamou de praeambula fidei - os preâmbulos da fé, pelos quais a filosofia abre a porta para a revelação (onde a fé e a revelação, tenha em mente, corretamente entendidas, não são de forma alguma contrária à razão, mas um desenvolvimento - expliquei como na primeira metade de um post anterior³). Mas isso nos leva a outro problema. Como o fariseu que despreza a piedade e virtude sincera do samaritano, alguns cristãos desprezam a teologia natural e a lei natural como ímpias ou pelo menos questionáveis. Eles desprezam a natureza humana e, com ela, qualquer compreensão não-cristã de Deus e da moralidade, como algo totalmente corrupto e sem valor; ou eles estão dispostos, pelo menos verbalmente, a afirmar essa natureza, mas apenas se ela for efetivamente absorvida na ordem da graça, como o monofisista que está disposto a reconhecer a natureza humana de Cristo apenas se primeiro ela for completamente divinizada. Na primeira tendência, somente a fé e as Escrituras devem ser suficientes para trazer alguém ao Cristianismo, os preâmbulos que se danem. Sobre este último, a natureza humana é concebida de uma forma que (para tomar emprestado uma frase do Papa Pio XII) ameaça "destruir a gratuidade da ordem sobrenatural" ao elevar o natural ao sobrenatural, tratando de fato a teologia natural e a lei natural como se apenas o cristão pudesse entendê-los corretamente. Em ambos os casos, o cristianismo pode vir a parecer uma questão de mero diktat (como diz Bruce Charlton) - fideísta, inacessível e irrelevante para o mundo dos não crentes.
A primeira tendência, obviamente, está associada a Lutero e Calvino, embora seja justo reconhecer que há protestantes que resistiram a ela. Ao mesmo tempo, sua própria resistência é frequentemente resistida por seus correligionários, como é ilustrado por uma famosa disputa entre os teólogos protestantes do século 20 Emil Brunner e Karl Barth. Brunner argumentou que a teologia natural representa um "ponto de contato" entre a natureza humana e a revelação divina, pelo qual a primeira pode ser capaz de receber a última (embora mesmo Brunner qualifique sua noção de "teologia natural", para que não implique a certeza da existência de Deus apenas pela razão natural como é afirmado pelo catolicismo). Barth respondeu com raiva (em uma obra com o título conciso "Não!"), Rejeitando qualquer sugestão de que a natureza humana contribui com algo para o "encontro" entre Deus e o homem e argumentando que qualquer "ponto de contato" necessário foi ele próprio fornecido pela revelação, em vez do que a natureza humana. Isso é um pouco como dizer que a bola de bilhar A bate na bola de bilhar B ao atingir, não a superfície de B, mas uma superfície fornecida por A. Se for inteligível, isso apenas empurra o problema para trás: Como a superfície fornecida por A em si tem alguma eficácia vis-à-vis B? E como o “ponto de contato” fornecido pela própria revelação faz qualquer contato com a natureza humana?
Também é justo apontar que alguns pensadores católicos modernos têm opiniões que pelo menos flertam com a segunda tendência que descrevi acima - embora em parte sob a influência de Barth. Hans Urs von Balthasar procurou encontrar Barth no meio do caminho, rejeitando a concepção do estado natural do homem desenvolvida dentro da tradição tomista e central para a Neo-Escolástica promovida por Aeterni Patris de Leo (uma concepção que eu descrevi em um post recente sobre o pecado original). Nessa visão tradicional, o objetivo natural dos seres humanos é conhecer a Deus, mas apenas de uma forma limitada. O conhecimento íntimo e “face a face” da natureza divina que constitui a visão beatífica é algo a que não estamos destinados por natureza, mas é um dom inteiramente sobrenatural que se tornou disponível a nós somente por meio de Cristo. No lugar dessa doutrina, Balthasar colocou o ensino de seu colega proponente da Nouvelle Théologie Henri de Lubac, que sustentava que esse fim sobrenatural é algo para o qual somos ordenados pela natureza. Se é mesmo coerente afirmar que um dom sobrenatural pode ser nosso fim natural, e se o ensinamento de Lubac pode, em última análise, ser reconciliado com a doutrina católica tradicional da "gratuidade da ordem sobrenatural" reafirmada por Pio XII, há várias décadas tem sido assunto de feroz controvérsia. Mas a implicação aparente (mesmo que não intencional) da posição defendida por de Lubac e Balthasar é que não existe uma natureza humana inteligível à parte da graça e à parte da revelação cristã. E, nesse caso, é difícil ver como poderia haver uma teologia natural e uma lei natural inteligível para alguém ainda não convencido da verdade dessa revelação.
Relacionado a isso está a tendência de Etienne Gilson de tirar a ênfase do núcleo aristotélico do sistema de Tomás de Aquino e apresentá-lo como uma "filosofia cristã" distintiva. Como Ralph McInerny argumentou em Praeambula Fidei: Thomism and the God of the Philosophers, a posição de Gilson, como a de Lubac, ameaça minar a visão tradicional tomista de que a filosofia deve ser claramente distinguida da teologia e pode chegar ao conhecimento de Deus à parte da revelação. Essas visões, portanto, “involuntariamente [corroem] a noção de praeambula fidei” e “nos conduzem por caminhos que terminam em algo semelhante ao fideísmo” (p. Ix).
O livro de McInerny, junto com outras obras recentes como O Desejo Natural de Ver Deus de Lawrence Feingold de acordo com São Tomás de Aquino e Seus Intérpretes e Natura Pura de Steven A. Long, marcam uma recuperação há muito esperada dentro do pensamento católico convencional de uma compreensão da natureza e graça que já foi moeda comum, e à parte da qual a possibilidade da teologia natural e da lei natural não pode ser adequadamente compreendida. Nem, eu diria, outras questões cruciais podem ser apropriadamente entendidas à parte dele (como o pecado original, como argumento na postagem vinculada acima). A confusão entre o natural e o sobrenatural também pode estar por trás de uma tendência em alguns escritos católicos contemporâneos de enfatizar exageradamente os aspectos distintamente teológicos de algumas questões morais. Por exemplo, uma exposição da moralidade sexual tradicional que apela principalmente ao Livro do Gênesis, a analogia do amor de Cristo pela Igreja ou a relação entre as Pessoas da Trindade pode parecer mais profunda do que um apelo (digamos) ao fim natural de nossas faculdades sexuais. Mas o resultado de tal ênfase teológica desequilibrada é que para o não crente, a moralidade católica pode (novamente para usar as palavras de Bruce Charlton) falsamente "parecer confiar somente no ditame da Escritura e da Igreja" e, portanto, apelar apenas para o relativamente "minúsculo e encolhido reino” daqueles dispostos a aceitar tal afirmações. Não conseguirá explicar adequadamente àqueles que ainda não aceitam os pressupostos bíblicos da "teologia do corpo" do Papa João Paulo II ou de uma "teologia da aliança da sexualidade humana", apesar de seus méritos, exatamente como o ensino católico é racionalmente fundamentado na natureza humana, em vez do comando divino ou eclesiástico arbitrário. A graça não substitui a natureza, mas a aperfeiçoa; e um relato que enfatiza fortemente o primeiro sobre o último está fadado a parecer infundado.
O próprio falecido percebeu isso, quer todos os seus expositores o façam ou não. Em Memória e Identidade, ele diz:
Se quisermos falar racionalmente sobre o bem e o mal, devemos retornar a Santo Tomás de Aquino, ou seja, à filosofia do ser [ou seja, à metafísica tradicional]. Com o método fenomenológico, por exemplo, podemos estudar experiências de moralidade, religião, ou simplesmente o que é ser humano, e tirar delas um enriquecimento significativo de nosso conhecimento. Porém, não devemos esquecer que todas essas análises pressupõem implicitamente a realidade do Ser Absoluto e também a realidade do ser humano, ou seja, ser uma criatura. Se não partirmos dessas pressuposições “realistas”, acabamos no vácuo. (p. 12)
E no capítulo V da Fides et Ratio ele advertiu:
“Há também sinais [hoje] de um ressurgimento do fideísmo, que não reconhece a importância do conhecimento racional e do discurso filosófico para a compreensão da fé, na verdade, para a própria possibilidade de crença em Deus. Um sintoma atualmente difundido dessa tendência fideística é um “biblicismo” que tende a fazer da leitura e exegese da Sagrada Escritura o único critério de verdade
Outros modos de fideísmo latente aparecem na escassa consideração concedida à teologia especulativa, e em desdém pela filosofia clássica da qual os termos da compreensão da fé e da formulação real do dogma foram extraídos. Meu venerado Predecessor, o Papa Pio XII, advertiu contra esse descaso com a tradição filosófica e contra o abandono da terminologia tradicional.”
E o Catecismo promulgado pelo Papa João Paulo II, citando Pio XII, afirmava que:
A razão humana é, estritamente falando, verdadeiramente capaz por seu próprio poder natural e luz de alcançar um conhecimento verdadeiro e certo do único Deus pessoal, que zela e controla o mundo por sua providência, e da lei natural escrita em nossos corações pelo Criador. (par. 37)
Há uma razão pela qual o primeiro Concílio Vaticano, embora insistindo que a revelação divina nos ensina coisas que não podem ser conhecidas apenas pela razão natural, também ensinou que:
A mesma Santa Mãe Igreja sustenta e ensina que Deus, a fonte e o fim de todas as coisas, pode ser conhecido com certeza a partir da consideração das coisas criadas, pelo poder natural da razão humana.
E
Não só a fé e a razão nunca podem estar em conflito uma com a outra, mas elas se apoiam mutuamente, pois por um lado a razão justa estabeleceu os fundamentos da fé e, iluminada por sua luz, desenvolve a ciência das coisas divinas ...
E
Se alguém disser que o único, verdadeiro Deus, nosso criador e Senhor, não pode ser conhecido com certeza das coisas que foram feitas, pela luz natural da razão humana: seja anátema.
E
Se alguém disser que a revelação divina não pode se tornar crível por sinais externos e que, portanto, os homens e as mulheres devem ser movidos à fé apenas pela experiência interna ou inspiração privada de cada um: que seja anátema.
E
Se alguém disser ... que os milagres nunca podem ser conhecidos com certeza, nem a origem divina da religião cristã pode ser provada deles: que seja anátema.
O objetivo de tais anátemas não é resolver por decreto a questão de se Deus existe ou se os milagres realmente ocorreram; obviamente, um cético ficará comovido, se for o caso, apenas por receber argumentos reais para essas afirmações, não pela mera insistência de que existem tais argumentos. Os anátemas são dirigidos ao cristão subjetivista e fideísta que rejeitaria a exigência do ateu de que a fé fosse dada uma defesa objetiva e racional e que, assim, faz do Cristianismo motivo de chacota. Pregar o cristianismo aos céticos sem primeiro definir o praeambula fidei, e depois reclamar quando eles não o aceitam, é como gritar em inglês com alguém que só fala chinês e, em seguida, descartá-lo como um tolo quando ele não o entende. Em ambos os casos, embora certamente haja um tolo na foto, não é o ouvinte.
________________________
¹- Em https://www.reddit.com/ApologeticaCrista/comments/jx3m63/uma_breve_introdu%C3%A7%C3%A3o_pessoal_%C3%A0_apolog%C3%A9tica_crist%C3%A3/
²- Os pontos de Bruce Charlton quais o Prof.Edward Feser se refere, e quais não cita em seu artigo são os seguintes:
  1. A ausência de judaísmo
O Cristianismo moderno tem que passar sem os séculos de tradição judaica desenvolvendo uma compreensão da natureza de Deus, os profetas e suas profecias, a vida devocional dos Salmos etc; mas os cristãos modernos têm que descobrir tudo isso do zero e por si próprios, e muitas vezes não conseguem.
  1. Confusão
A vida moderna é hedônica, distraída - frequentemente drogada. Consequentemente, as pessoas muitas vezes não sabem ao certo a natureza da vida. Além disso, nas últimas décadas, a cultura dominante tem sido ativamente contra o Bem. A arte moderna é anti-beleza, as filosofias modernas são anti-verdade, a moralidade moderna é uma inversão do Direito Natural. A propaganda (implícita e explícita) inculca que os ideais espontâneos dos humanos (religião nativa, diferenças sexuais, família, nação, lealdade, coragem) estão errados. Em suma, os modernos estão profundamente (deliberadamente) confusos sobre questões profundas. Portanto, os apologistas cristãos modernos têm que explicar a condição humana, a natureza básica da vida; antes de explicar como o cristianismo é a resposta.
  1. Inoculação anticristã
A cultura dominante agora se inocula especificamente contra o Cristianismo e os pré-requisitos do Cristianismo. Ele fornece argumentos prontos, fundamentados no hedonismo materialista moderno, para serem usados ​​contra todas as evidências ou etapas de argumentação que possam levar ao Cristianismo, se rigorosamente seguidas. A apologética cristã não pode avançar um passo sem eliciar esses slogans, e a impaciência moderna, a distração e um curto espaço de atenção fazem o resto. Que esses argumentos materialistas hedônicos sejam circulares, incoerentes e infundados é irrelevante na prática; porque eles efetivamente bloqueiam o desenvolvimento de uma metafísica alternativa da qual sua invalidade seria aparente.
3- http://edwardfeser.blogspot.com/2011/09/modern-biology-and-original-sin-part-ii.html
submitted by BlindEyeBill724 to ApologeticaCrista [link] [comments]


2020.11.02 05:04 meioautista Ajude a descabaçar uma pessoa com traços de Asperger

TLDR: Eu tenho dificuldade em me relacionar com as pessoas e queria saber como consigo transar com alguém, no início do ano eu fiz um perfil mais comum no tinder e consegui perder o bv, parece ser bastante para alguém que tava zerado mas ainda me sinto bastante longe do objetivo, agora que a quarentena tá mais frouxa tentei criar um outro perfil mais honesto e direto no tinder do tipo "sou meio autista e só queria perder o cabaço" sem fotos do rosto, mas só recebo likes de homens com perfil de mulher ou de gente muito longe, será que consigo algo como no primeiro perfil se colocar fotos normais do rosto com essa bio mais direta ou vou estar me expondo muito?
Oi, venho aqui hoje pedir uma ajuda para essa comunidade com uma coisa que me incomoda de vez em quando, por conta de uma série de motivos nunca consegui transar com ninguém, sou homem e já tenho 23 anos.
A primeira dificuldade com certeza é minha personalidade peculiar, me sinto muito bem sozinho e relações com outras pessoas para mim sempre foram jeitos de não parecer tão alien e ter uma convivência facilitada nos meios sociais, me dou bem com as pessoas e por isso consigo alguns atalhos na vida tipo ser indicado para um estágio, ou ser uma pessoa que os outros gostem de ter por perto para conversar, mas isso para mim sempre foi trabalho de muito esforço de tentar ser normal, eu não necessariamente gosto de agir assim, na verdade sempre chego em casa muito cansado por conta disso. Já a segunda dificuldade é algo mais concreto, vivo com minha família numa casa bem pequena e por isso nunca tive a liberdade de poder transar com alguém aqui, não que eu conseguisse isso mas acho que vocês entenderam.
Eu não vejo muito sentido em mentir, e em toda roda de conversa que eventualmente vai para o sexo acabo dizendo sem problemas que nunca transei (isso quando questionado, já tenho o molejo social de não sair dizendo toda a verdade o tempo todo). E por algum motivo sempre me incomodou o jeito que as pessoas lidam com isso, "Como pode um homem sem ligação com religião de quase 25 anos nunca ter feito algo tão básico?" de todas as peculiaridade que eu tenho parece que essa é uma das que quase sempre me fazem sobressair em relação aos outros e parecer um alien.
Quando eu tenho um objetivo normalmente invisto bastante tempo nele a fim de ficar bom, então coloquei essa ideia na minha cabeça "quero transar antes de me formar", isso foi no início desse ano quando baixei o Tinder e comecei a melhorar o meu papo, consegui uns encontros antes da pandemia mas tive uns problemas tipo: 1) Dificuldade enorme em entender sinais 2) Bloqueio físico de agir de acordo com sinais e não sobre o que está sendo dito 3) Não morar sozinho.
Primeiro fiz um perfil mais normal só sugerindo ir na praia ou algo assim e foi com esse que eu consegui os encontros, para minha surpresa o primeiro foi com uma menina um pouco parecida comigo, ela era introvertida e parecia bem tranquila, tivemos uma tarde massa na praia e fui para casa, conversei com ela umas vezes depois online e ficou nisso. Eu me senti completamente esquisito e travado fisicamente de ter qualquer iniciativa como dizem, eu não entendo o conceito da pessoa querer ficar com outra sem explicitar isso, como na bio dela tava que ela queria amizades eu fui nesse intuito mesmo, para tornar algo mais normal eu sair com mulheres, depois uns amigos ficaram me falando que tem uma série de códigos mas eu desisti de entender isso, a coisa que eu mais odeio é ser desconfortável pros outros, e parece que faz parte de ter iniciativa talvez lidar com isso.
O segundo foi uma série de encontros na verdade porque a mulher parece que gostou de mim, ela não era da minha cidade e tava aqui apenas por uma semana com uns familiares. Eu basicamente repeti o primeiro encontro e cheguei em casa meio desanimado por que eu não parecia estar evoluindo nessa trava. Mas ela me chamou para sair outras 3 vezes, e na última ela finalmente perguntou se tinha algo de errado comigo porque ela não cansava de me dar "sinais" e eu não fazia nada, expliquei para ela um pouco e ela decidiu me pegar por conta própria, foi com ela que eu perdi o BV, a menina ficou me pegando por uma hora em público e eu meio desconfortável apesar dela beijar bem. Não rolou nada mais que isso porque já era o último dia dela e não tínhamos privacidade, e foi ai que eu fiquei meio bravo com a minha falta de prática, eu fiquei tremendo como um galho quando ela começou a avançar para as minha partes baixas quando a pegação ficou mais caliente, sinal de que preciso sim de alguma prática nisso.
Enfim, aí veio a pandemia, segui usando o Tinder para melhorar meu papo mas sem encontrar ninguém (tiveram umas duas doidas que queriam encontrar mesmo na quarentena) e agora com a quarentena mais frouxa me sinto sem prática e criei um perfil novo um pouco mais direto, sem fotos do rosto e com algo do tipo "sou meio autista e só queria perder o cabaço", mas só recebe like de homens em perfil de mulher ou de gente de longe, pensei em fazer um perfil com fotos normais e essa descrição mas não sei se estou me expondo demais.
submitted by meioautista to desabafos [link] [comments]


2020.09.13 08:06 pissass5 Manifesto de Theodore Kaczynski (Unabomber), grande filosofo que popularizou o anarco-primitivismo

A sociedade industrial e suas consequências têm sido um desastre para a raça humana. Elas não apenas aumentaram em muito a expectativa de vida nos países "avançados", como também desestabilizaram a sociedade, tornaram a vida frustrante, sujeitaram os seres humanos a indignidades, provocaram sofrimento psicológico generalizado (no Terceiro Mundo, sofrimentos físicos também) e infligiram graves danos ao mundo natural. O contínuo desenvolvimento da tecnologia irá agravar essa situação.O sistema tecnológico industrial poderá sobreviver, ou poderá entrar em colapso. Se sobreviver, é possível -apenas possível- que com o tempo chegue a um nível reduzido de sofrimento físico e psicológico. Mas isso só poderá acontecer depois de passado um período longo e muito doloroso de adaptação, e apenas ao custo da redução permanente dos seres humanos e muitos outros organismos vivos à situação de produtos criados artificialmente e meras peças na máquina social.Se o sistema entrar em colapso, as consequências serão muito dolorosas. Mas quanto mais o sistema crescer mais desastrosos serão os resultados de sua ruptura. Portanto, se pretendemos provocar sua ruptura é melhor fazê-lo mais cedo do que mais tarde.Por essas razões defendemos uma revolução contra o sistema industrial. Essa revolução pode ou não fazer uso da violência. Ela poderá ser repentina ou ser um processo relativamente gradativo, estendendo-se por algumas décadas.A Psicologia do Esquerdismo ModernoUma das manifestações mais difundidas da doidice de nosso mundo é o esquerdismo, de modo que uma discussão da psicologia do esquerdismo pode funcionar como introdução à discussão da sociedade moderna.Chamamos às duas tendências psicológicas subjacentes ao esquerdismo moderno de "sentimentos de inferioridade" e "supersocialização".Quando dizemos "sentimentos de inferioridade" queremos dizer não apenas sentimentos de inferioridade no sentido restrito do termo, mas todo um espectro de traços relacionados: baixa auto-estima, sentimentos de impotência, tendências depressivas, derrotismo, culpa, raiva de si mesmo, etc...Os esquerdistas são hipersensíveis em relação às palavras usadas para designar integrantes de minorias e a qualquer coisa que seja dita relativa às minorias. Os termos "negro", "oriental", "deficiente físico" ou "gata" para designar um africano, um asiático, uma pessoa incapacitada ou uma mulher não tinham, originalmente, qualquer conotação pejorativa.Muitos esquerdistas identificam-se profundamente com os problemas de grupos que transmitem imagens de fracos (mulheres), derrotados (índios americanos), repulsivos (homossexuais) ou inferiores de alguma outra maneira. Os próprios esquerdistas sentem que esses grupos são inferiores. Jamais admitiriam a si mesmos que têm tais sentimentos, mas é porque realmente vêem esses grupos como inferiores que se identificam com seus problemas.Os esquerdistas tendem a odiar qualquer coisa que transmita a imagem de ser forte, bom e bem-sucedido. Eles odeiam os EUA, odeiam a civilização ocidental, odeiam os homens brancos, odeiam o que é racional.Note-se a tendência masoquista das táticas esquerdistas. Os esquerdistas fazem protestos deitando-se no chão na frente de veículos. Nesses protestos, eles provocam a polícia, intencionalmente, a cometer abusos contra eles. Essas táticas podem muitas vezes funcionar, mas muitos esquerdistas as utilizam não como meios para atingir um fim, mas porque preferem táticas masoquistas. O ódio a si mesmo é uma característica esquerdista.Se nossa sociedade não tivesse nenhum problema, os esquerdistas teriam que inventar problemas para conseguir armar confusão.SupersocializaçãoAlgumas pessoas são tão altamente socializadas que a tentativa de pensar, sentir e agir moralmente impõe um peso muito grande a elas. Para evitar seus sentimentos de culpa, elas precisam enganar-se continuamente sobre suas verdadeiras motivações e encontrar explicações morais para sentimentos e atos que na realidade têm uma origem não moral. Utilizamos o termo "supersocializado" para descrever tais pessoas.Sugerimos que a supersocialização é uma das piores crueldades que os seres humanos infligem uns aos outros.O processo do poderOs seres humanos têm a necessidade (provavelmente originária de razões biológicas) de algo ao qual chamaremos "processo do poder". Este processo está intimamente ligado à necessidade de poder (que é amplamente reconhecida), mas não é exatamente a mesma coisa.É verdade que alguns indivíduos parecem ter pouca necessidade de autonomia. Ou seu desejo de poder é fraco, ou elas o satisfazem através da identificação com alguma organização poderosa da qual fazem parte. E existem também aquelas pessoas que não pensam, tipos animais que parecem se satisfazer com uma sensação de poder puramente físico.Mas para a maioria das pessoas, é por meio do processo do poder que se adquire auto-estima, autoconfiança e um senso de poder -ter uma meta, fazer um esforço autônomo e atingir essa meta. Quando não se tem uma oportunidade adequada de viver o processo de poder, as consequências são (dependendo do indivíduo e da maneira pela qual o processo de poder é perturbado) tédio, desmoralização, baixa auto-estima, sentimentos de inferioridade, derrotismo, depressão, ansiedade, sentimentos de culpa, frustração, hostilidade, abuso de cônjuge ou crianças, hedonismo insaciável, comportamentos sexuais anormais, desordens do sono, desordens alimentares, etc.Raízes dos Problemas SociaisAtribuímos os problemas sociais e psicológicos da sociedade moderna ao fato de que a sociedade exige que as pessoas vivam sob condições radicalmente diferentes daquelas nas quais a raça humana evoluiu, e se comportem de maneiras que entram em conflito com os padrões de comportamento que a raça humana desenvolveu enquanto vivia sob condições anteriores.Entre as condições anormais presentes na sociedade industrial moderna figuram a densidade demográfica excessiva, a separação entre o homem e a natureza, a rapidez excessiva das transformações sociais e a ruptura das comunidades naturais em pequena escala, como a família extensa, a aldeia ou a tribo.Os conservadores são idiotas: eles se queixam da decadência dos valores tradicionais, mas apóiam entusiasticamente o progresso tecnológico e o crescimento econômico. Ao que parece, nunca lhes ocorre que não se pode operar transformações drásticas e velozes na tecnologia e economia de uma sociedade sem provocar transformações velozes em todos os outros aspectos da sociedade também, e que tais transformações velozes levam inevitavelmente à ruptura dos valores tradicionais.Outra razão pela qual a sociedade não pode ser reformada em favor da liberdade é que a tecnologia moderna é um sistema unificado no qual todas as partes são interdependentes. Não se pode livrar-se das partes "ruins" da tecnologia e manter apenas as partes "boas". Tomemos o caso da medicina moderna. Os avanços na ciência médica dependem dos avanços nos campos da química, física, biologia, informática e outros. Os tratamentos médicos avançados exigem equipamentos caros de alta tecnologia que só podem ser assegurados por uma sociedade tecnologicamente progressiva e economicamente rica. É evidente que não se pode ter muitos progressos na medicina sem o sistema tecnológico inteiro e tudo que o acompanha.Revolução é mais fácil do que reformaA única saída é dispensar o sistema tecnológico industrial inteiro. Isso implica uma revolução, não necessariamente um levante armado, mas com certeza uma transformação radical e fundamental da natureza da sociedade.O que sugerimos é que a raça humana poderia facilmente chegar a um ponto em que sua dependência das máquinas seria tão grande que não lhe restaria nenhuma opção prática senão aceitar todas as decisões das máquinas. À medida que a sociedade e os problemas que a confrontam se tornam mais e mais complexos e as máquinas ficam mais e mais inteligentes, as pessoas vão deixar as máquinas tomarem cada vez mais decisões em seu lugar, simplesmente porque as decisões tomadas pelas máquinas trarão melhores resultados do que as decisões tomadas pelos homens. Com o tempo, é possível que se chegue a um estágio em que as decisões necessárias para manter o sistema funcionando sejam tão complexas que os seres humanos serão incapazes de tomá-las inteligentemente. Quando se chegar a esse estágio, as máquinas estarão, efetivamente, no controle. As pessoas não poderão simplesmente desligar as máquinas porque elas estarão tão dependentes delas que desligá-las equivaleria a cometer suicídio.EstratégiaAs duas principais tarefas para o presente são promover o estresse social e a instabilidade na sociedade industrial, e desenvolver e difundir uma ideologia que se oponha à tecnologia e ao sistema industrial. Quando o sistema ficar suficientemente estressado e instável, uma revolução contra a tecnologia pode tornar-se possível.Quanto às consequências negativas da eliminação da sociedade industrial, bem, dois proveitos não cabem num saco só. Para ganhar uma coisa, é preciso sacrificar outra.A maioria das pessoas odeia conflitos psicológicos. Por essa razão elas evitam pensar seriamente sobre qualquer problema social grave, e gostam que esses problemas lhes sejam apresentados em termos simples, preto no branco. A revolução precisa ser internacional e mundial. Ela não pode ser realizada de nação em nação. Toda vez que se sugere que os EUA, por exemplo, deveriam frear seu progresso tecnológico ou crescimento econômico, as pessoas ficam histéricas e começam a gritar que se cairmos para segundo lugar em termos tecnológicos os japoneses vão assumir a dianteira.Seria inútil os revolucionários tentarem atacar o sistema sem utilizar um pouco da tecnologia moderna. Eles precisam, no mínimo, utilizar a mídia para divulgar sua mensagem. Mas deveriam recorrer à tecnologia moderna para apenas um fim: atacar o sistema tecnológico.Com relação à estratégia revolucionária, os únicos pontos sobre os quais insistimos totalmente são que a única meta que se sobrepõe a todas as outras deve ser a eliminação da tecnologia moderna, e que não se deve permitir que nenhuma outra meta compita com essa.
Edit: Isso é apenas um trecho.
submitted by pissass5 to sorocaba [link] [comments]


2020.09.06 19:22 CephalonLunaticus Ficção Especulativa Brasileira Contemporânea

Fala aí! Esse é o Reddit Especulativonautas do Brasil - Edição XXI.
Tá perdido? Tira uns 5 minutos para ler o Guia dos Especulativonautas do Brasil que a maioria das suas dúvidas serão sanadas!

É bem importante: *leia o FAQ!\*. Esse não é um ambiente caótico para inundar de futilidades! O propósito desse subreddit é unir os escritores contemporâneos para reemergir a literatura brasileira e levá-la a um novo patamar.
Quer falar besteira ou ter uma conversa séria, porém, paradoxalmente, descontraída? Tem um trecho que te deixa confuso e não sabe como melhorar? Tá para publicar seu livro, mas não tem um leitor beta, leitor crítico ou editor para deixar ele redondo? Acessa o nosso grupo do Telegram.
FAQ - Leitura crucial
Você está numa ‘rede social’ imensa e cheia de baboseira que come seu tempo no café da manhã! Você pode encontrar gifs de gatinhos fofos, maneiras de melhorar seu dia, coisas bizarras e sem sentido, filosofia e muito mais. Nesse subreddit, em especial, compartilhamos opiniões sobre obras contemporâneas brasileiras. O foco aqui é ler, analisar e recomendar livros autores nacionais desconhecidos com ênfase em ficção especulativa. Diga não ao ‘Diga não, seu comuna!’. Para participar desse recinto você precisa aprender a sutil arte de ligar o foda-se para as obras mainstream nacionais e internacionais.
A ficção especulativa pode ser resumida num “E se…”. É fantasia, é terror, é horror, é ficção científica, é utopia, é distopia, é apocalipse, é pós-apocalipse, é sobrenatural, é qualquer coisa que não é real. A rima não foi intencional, mas, na moral, se não é real e poderia ser, é sensacional!
O ambiente é livre. Porém, evitaremos criar tópicos duplicados. Já tem um tópico sobre análise do livro de fulano? Vai lá e deixa tua análise nos comentários. Se for relevante, te darão a setinha (não me leva a mal, tem mesmo uma setinha que aumenta seu karma) para que seu comentário suba ao topo. Portanto, evite ao máximo comentários que fuja do foco, sob pena de receber advertência ou até mesmo remoção, se reincidente. E não, você não pode se analisar. Sejamos honestos, você acabou de publicar? Procure leitores betas ou críticos para fazer uma resenha do seu livro em nosso Telegram, e aí sim essa(s) pessoa(s) reterá(ão) o direito de analisar e divulgar sua obra. Lembre-se de enviar a obra para si por correio eletrônico antes de compartilhar com outrem, é para sua própria segurança! É um fato que o ego censura nossos defeitos, então a autocrítica pode não ser conveniente para você se sua ‘análise’ for tendenciosa. Não é por mal, sei que muitos adoraríamos viver de escrita, mas precisamos jogar limpo, fazer jus à meritocracia de que tanto falam.
Sim. Para melhor orientar aqueles que procuram um bom livro, precisamos de TAGS básicas. O que é uma TAG? É literalmente uma marcação. O livro é de alta fantasia? Coloque “[ALTA FANTASIA] Nome do livro” no tópico. É horror e comédia? [HORROR E COMÉDIA]. A receita é bem simples! (só não é simples misturar horror com comédia. Boa sorte com isso!).
Não. Para isso existe o grupo do Telegram. O foco está bem claro: ler, analisar e recomendar obras de autores nacionais desconhecidos. Além disso, você quer mesmo contrabandear livros de novos autores? É o ganha-pão da pessoa, que feio, hein?!
Vou ressaltar, só por precaução: a autopromoção no reddit, sem objetivo de contribuir para a comunidade nacional, seja de um livro já publicado, de obras no wattpad ou em blogs, acarretará num exílio imediato e permanente.
TÓPICOS COMPLEMENTARES
Para novos escritores:
Escrever ficção: Um manual de criação literária - 2019, Luiz Antônio de Assis Brasil Como se encontrar na escrita: O caminho para despertar a escrita afetuosa em você - 2018, Ana Holanda Escrita criativa: Da ideia ao texto - 2018, Rubens Marchioni A Jornada do Escritor: Estrutura Mítica para Escritores - 2015, Christopher Vogler Como encontrar seu estilo de escrever: As chaves para alcançar a expressão pessoal - 2015, Francisco Castro Sobre a escrita - 2015, Stephen King [Para Falar e Escrever Melhor o Português - 2012, Adriano da Gama Kury) Oficina de escritores: Um manual para arte e ficção - 2008, Stephen Koch Para ler como um escritor: Um guia para quem gosta de livros e para quem quer escrevê-los - 2008, Francine Prose

LISTA DE LIVROS CONTEMPORÂNEOS NACIONAIS ANALISADOS NESTE REDDIT
Lista de livros de Fantasia
Lista de livros de Fantasia Urbana
Lista de livros de Terror
Lista de livros de Horror
Lista de livros de Ficção científica
Lista de livros de História Alternativa
Lista de livros de Super Heróis
Lista de livros de Sobrenatural
PARCEIROS
Parceria: Comentário: Facebook: Instagram: Spotify:
GRUPOS DE WHATSAPP
GRUPO DE TELEGRAM t.me/EspeculativonautasXII

Você faz análises de livros e quer indexar o seu Podcast, grupo do whatsapp, instagram, facebook ou qualquer outra rede? Manda uma mensagem que fazemos uma parceria! Por apenas 50tinha eu coloco na lista.
submitted by CephalonLunaticus to EspeculativonautasXXI [link] [comments]


2020.09.01 19:36 hmmild Meu feedback sobre New World

I – INTRODUÇÃO

1.Olá, primeiramente, queria dizer que eu sou apenas um cara que gosta de jogar e ajudar as pessoas e, que as vezes algumas ideias surgem à mente, e assim aconteceu durante esse primeiro contato com o jogo e, por oportuno, explicar que aqui são apenas algumas ideias iniciais, que precisam ser trabalhadas, veja bem, ideias, um ponto de vista pessoal, ou seja, apenas uma opinião pessoal como jogador.

2.Eu começo dizendo ainda: difícil não é você conseguir players para um novo jogo, mas sim mantê-los.

3.Aqui estão apenas algumas idéias e análises pessoais de um jogador comum. Muitas coisas que estarão aqui são ideias iniciais e esboços prematuros. Antes de começar, queria deixar uma visão rápida sobre o que eu penso da realidade dos MMORPGs ao longo do tempo:

  1. O mundo já não é mais como era há 10, 20 anos atrás. As tecnologias e as informações estão cada vez mais intensas e aceleradas. Dito isso, na minha análise como jogador há mais de 20 anos, eu percebo que muitas "empresas tradicionais" não acompanharam essa revolução tecno-científica no mesmo ritmo em que elas aconteceram, tanto é que muitas delas, precursoras de alguns gêneros, somam mais prejuízos do que lucro.

  1. Na primeira década do século, podíamos contar nos dedos de uma das mãos os grandes e pioneiros jogos de MMORPG, dentre outros gêneros semelhantes.

  1. Muitos de nós, hoje com seus trinta e poucos anos, ou quase lá, de existência, estávamos na adolescência e começando a engajar nesse universo dos MMORPG, passando horas e horas do nosso tempo imersos em determinado game da espécie.

  1. Pois bem, o tempo passou, e aquela galera que crescia junto com os primeiros MMORPGs foram se ocupando com seus empregos, estudos, família, enfim, já não tinham mais tanto tempo livre para despender aos MMORPG da época, que exigiam e recompensavam os jogadores mais imersivos e dedicados exclusivamente ao jogo.

  1. Nesse contexto, juntamente com o avanço acelerado da globalização, algumas empresas foram rápidas e perspicazes ao perceberem a tempo essas mudanças no mercado. Eis então que surgem e se popularizam gêneros como por exemplo: os mobas, battle royale, os hack and slash, os action rpgs entre outros.

  1. Aqui não vou me alongar muito sobre o tema, apenas dizer que esses gêneros conseguiram contemplar uma gama muito maior de jogadores, como, por exemplo, aqueles que não tem muito tempo para dispor ao game e, também obtiveram uma fatia maior ainda de mercado. Consequentemente, por obterem êxito com essa façanha, muitos jogos explodiram e se popularizam virando fenômenos, trazendo cada dia mais e mais adeptos ao seu nicho.

  1. Agora, no cenário atual, o jogador que joga 12 horas por dia e o jogador que joga apenas duas horas, estão num cenário de igualdade. Uma vez que o mundo e o mercado mudou, o foco dos games mudou, as pessoas mudaram, as tecnologias mudaram. Porém, muitas empresas, que desprezaram até a própria comunidade, não conseguiriam enxergar isso e foram à falência, já dizia Cássia Eller: “Mudaram as estações e nada mudou...♫”

  1. É possível perceber, que esses novos jogos buscam manter sempre um cenário justo, equilibrado, alinhado a diversão, interação e o constante progresso, valorizando outros aspectos em detrimento ao tempo gasto com o jogo e execuções de ações massivas, repetitivas e cansativas. Agora há um equilíbrio natural, o principio fim é, por exemplo, a habilidade individual e o raciocínio de cada jogador, e não mais nos itens e nas vantagens dos leveis que o jogador adquiriu jogando 25 horas por dia. Agora, para você conseguir progredir no game e estar entre os melhores, não é preciso ser um “crackudo” e totalmente aquém da realidade.

  1. Dito isso, deixo algumas questões? Qual caminho New World quer seguir? O que New World quer contemplar? Qual o público alvo do New World?

  1. Eu acredito que assim como algumas novas empresas estão fazendo e, conseguindo sucesso com isso, a Amazon, com o New World, pode focar o máximo possível na igualdade e num sistema justo de progressão, encaminhar as dificuldade e os desafios dentro do jogo para o ponto certo, e não mais ficar na mesmice falida de sempre.

  1. Se a Amazon conseguir isso, New World tem um potencial enorme de crescimento e de dar um passo importante para uma nova era dos gêneros de MMORPGs . Mas para isso, na minha singela opinião, é preciso deixar de lado alguns preceitos ultrapassados que já não se enquadram mais no mercado atual.

  1. Dessa forma, é necessário reinventar e criar novos paradigmas e, antes de mais nada, é fundamental ter muita coragem e não ter medo de errar, para que no fim, não seja apenas mais um no meio de tantos jogos horríveis que já existem, e que ainda insistem na mesmice ultrapassada de outrora.


II – OBSERVAÇÕES INICIAIS SOBRE NEW WORLD


  1. Acredito que New World precisa ter um proposito inicial mais conciso, seja para atrair novos jogadores, seja para mantê-los. É preciso haver uma ideia central que faça com que o game não se torne algo repetitivo, enjoativo e com um fim precoce.

  1. Como fazer isso? Primeiro de tudo, o game deve ter um sistema justo e igualitário para todos. Como assim? Deve recompensar dentro das proporções todos os jogadores de maneira igual, seja o que joga sozinho, seja o que joga em grupo, seja o que joga 20 horas por dia, seja o que joga duas horas, ponto.

  1. O quesito, por exemplo, da "sorte aleatória", pode ser bem melhor trabalhado para esse aspecto. Abordo esse tema melhor no item VIII do tópico. Isso possibilita que os jogadores tenham em mente que em New World a qualquer momento a sua sorte pode mudar, e que mesmo você jogando pouco tempo, você pode ter a chance de ser agraciado de alguma forma com a sorte.

  1. Outra fundamental observação é que devem existir temporadas sazonais, sempre com atualizações e novidades, em busca de a cada nova temporada aprimorar o conteúdo que já existe.

  1. Eu não acredito que o jogo deveria ter uma transição engessada, por exemplo: começa aqui, vai pra ali, e depois terminar lá, mas também não deve ser algo desorganizado e sem sentido, é preciso limitar algumas progressões precoce demais, criar um sistema de penalidades de ganho de experiência, assim tudo terá seu devido tempo para acontecer. O que eu mais tenho observado são players leveis baixos correndo e atravessando para áreas que tecnicamente deveria ser mais perigosa ou restritas para eles no momento. Acredito que as busca pelo level máximo não deva ser algo com grande impacto dentro do jogo, mas também não deve ser desprezado tão facilmente, o foco do jogo não deve ser farmar, farmar, farmar, farmar, farmar, tal área, ou tal monstro. O foco não deve ser o level máximo e suas vantagens extrapoladas. Sinceramente, existem infinitos e melhores aspectos a serem exploradas do que isso.

  1. Dá pra perceber que o jogo mistura um pouco a história da alta e baixa idade média juntamente com o início da formação dos primeiros burgos. O território se divide numa espécie de suserania e vassalagem e mistura a ideia de um feudo/burgo.

  1. Um grande problema que deu pra perceber nesse primeiro teste, é justamente a questão territorial, aparentemente os players tendem a se agrupar na facção que possui mais domínio de terras e mais faccionados afim de buscar mais facilidade dentro do jogo. Isso é preciso ser corrigido, criando algum sistema de equilíbrio natural, fazendo com que esta questão não tenha tanto impacto no jogo.

  1. Acredito que toda facção devia ter pelo menos 1 território permanente e estável sob seu domínio. E que essa questão territorial não influencie significativamente na progressão individual dos jogadores e nas conquistas de desempenho.


III – FLANDERS

  1. Eu acho que seria genial, desde logo, mostrar ao jogador de New World, que o mundo, ao qual ele pertence, é um universo de constante e incansáveis guerras, paralelo a luta pela sobrevivência e a oportunidade de ter seu nome na história, de ser reconhecido no universo a qual ele pertence, seja pelos seus feitos, maestrias, conquistas, habilidade, enfim.

  1. Antes de falar sobre o que acho sobre o sistema de guerra de New World, quero começar pelo sistema de “zona de Flanders”. Para quem não conhece, Flanders (atual Bélgica) foi uma região de intensa batalha entre França e a Inglaterra pelo controle do Canal da Mancha, um local de comercio lucrativo e ponto estratégico para quem o dominasse, e que deu contornos a “Guerra dos 100 anos”.

  1. New world poderia trazer áreas de intensas batalhas e diversas disputas, essas áreas seriam zonas neutras de pvp obrigatório, monstros e bosses de extrema dificuldade e difíceis de matar, porém o foco dessas áreas jamais poderia ser a experiência de leveling ou loot, mas sim a sobrevivência e o combate frenético. As facções estariam em intensas disputa, estariam preocupados em matar os super Bosses, matar as facções rivais e sobreviver. Não podem por exemplo ser aceito formação de grupo nessas áreas (precisa ser estudado). No final, conseguem as recompensas pela morte do Boss, se conseguirem mata-lo, apenas os membros da facção que causou mais dano à ele. Deve ser uma área com desafios difíceis pela sobrevivência. Para essas áreas podem haver por exemplo 3 divisões, até o lvl 20, do lvl 21 ao 40, e do level 41 ao 60, restringindo o acesso de cada area pelo level e títulos (vou falar sobre eles abaixo) dos jogadores. Novamente, o equilíbrio é tudo. Acho que pra uma ideia inicial nesse sentindo é isso.


IV – RANK E ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PVP

  1. Um sistema de rank das mais variadas categorias deve haver em new world, é mais um objetivo a ser almejado pelos jogadores. Desde da divisão por quantidade de abate, até a divisão de level de colheita e ouro.

  1. Por exemplo, um divisão para o rank de abates e mortes, com algumas peculiaridades. Uma ideia inicial nesse sentindo seria: para cada abate que você conseguir no mundo aberto você soma 2 pontos no rank, para cada morte você diminui -1 ponto. Abater jogadores 10 leveis menores que o seu, você não pontua, morrer para jogadores 10 leveis menores que você, você perde -5 pontos. Matar jogadores com 10+ leveis maiores que o seu você soma 5 pontos. Deve haver também um sistema que pontue a assistência nos abates, para contemplar todos, principalmente aqueles que querem focar seus personagens em cura e proteção por exemplo.

  1. É preciso estudar também, como funcionaria o abate e a morte do jogador estando em um grupo.

  1. Durante a guerra os abates não contabilizam, há tão somente uma nota geral pela vitória ou pela derrota.

  1. O pvp em mundo aberto: deve acontecer num cenário mais justo possível, se o jogador for abatido por um grupo, o jogador que morreu não deve ter tantos prejuízos, isso se eles estiver solo, e o grupo que o matou não deve ter tantos benefícios, no fim o jogo deve contemplar sempre um ambiente justo e equilibrado. Consegue êxito por exemplo, aquele que tem uma melhor habilidade de combate, independente apenas dos itens que carrega, que montou uma emboscada bem sucedida, que atacou na hora certa, que conhece os limites do seu personagem, que sabe usar um contra-ataque, que combinou melhor seus pontos de habilidade, enfim. E na guerra vai vencer o que tem uma melhor estratégia, uma melhor tática, que sabe a hora de atacar, recuar. É preciso criar um sistema justo, durante o tópico vou deixar algumas outras ideias de como poderia ser isso.

  1. Basicamente é deixar claro que você ter um item lendário, não deve lhe tornar uma lenda.

  1. O jogo deve primar sempre pelo justo e o equilíbrio.

  1. Ayrton Sena e eu, cada um com uma Ferrari igual, mas no final a gente sabe o resultado, o melhor sempre ganha é claro, que nesse caso seria eu, obviamente, :rofl:. Mas deixando a brincadeira de lado, o que eu quero dizer com isso é que a vitória deve acontecer não porque o carro desse ou daquele é melhor, e sim porque naquele momento, naquela disputa, quem estava no volante foi melhor. Mantendo a analogia, na realidade atual, quem ganha é quem tem o melhor carro. Agora eu pergunto, atualmente, quem assiste, se entretém e se empolga com a Formula 1? É apenas uma analogia exemplificativa.


V – SISTEMA DE CONDUTA

  1. ​​Minha ideia principal neste item é o sistema de conduta junto com o faccionado renegado.

  1. Para entender minha ideia, primeiro quero que você entenda um pouco como ela é desenhada em minha mente. Eu dividi a conduta dos jogadores em duas, vou chamá-las de conduta azul e vermelha.

  1. Faço parte de uma facção, mas não gostei e quero mudar, posso? Depende, você está disposto a pagar o preço? Você será caçado por sua traição, seu nome estará nos murais das cidades e uma recompensa por sua cabeça será imposta, os membros da sua atual facção irão lhe caçar em busca da recompensa e de vingar sua traição.

38.CONDUTA AZUL: você ganharia pontos de conduta azul quando trabalhar em prol da facção, para cada boa conduta você ganha pontos de conduta azul, por exemplo, participação em guerras e invasões, abate de membros de outra facção, etc.

39.CONDUTA VERMELHA: seria o oposto da conduta azul, a cada “sabotagem” você perde a conduta azul, zerando sua conduta azul, ela fica negativa e começa a ficar vermelha, ao atingir uma certa quantidade de conduta vermelha você pode trocar de facção. Para ativar os pontos negativos de perda de conduta e ganho de conduta vermelha, você precisa encontrar um NPC que aparece em áreas aleatórias de vez em quando. Não pode ser previsível. Você fará uma missão que lhe permitirá realizar atos de traição ou sabotagem, como, por exemplo, matar membros de sua facção atual, a partir do momento em que você faz o primeiro ato de traição em busca de ativar a conduta vermelha, você já está marcado para morrer por causa da traição. Quanto mais atos de traição você fizer, maior será a recompensa por sua cabeça. Quando você trabalha contra a facção em busca de ser um renegado, sua cabeça está em alta e as punições são severas, ainda é preciso trabalhar nessa ideia, é apenas um esboço inicial.

  1. Uma das muitas consequências dentro da mudança de facção pode ser que o jogador perca todo o progresso de classificação, conquista e itens dentro dos armazéns de sua antiga facção, algo mais ou menos nesse sentido.

  1. Marechais e membros de altos cargos não podem mudar de facção. É preciso encontrar um título ou um limite em que a mudança é possível e o jogador se torna um renegado.


VI – TÍTULOS

  1. Acho que isso é uma oportunidade única.

  1. Implementar um sistema de títulos é um desafio e objetivo adicional para os jogadores almejarem dentro do jogo. Mas não é qualquer sistema. É um sistema único, grandioso e revolucionário.

  1. O que seriam os títulos? Primeiro, os nomes aqui são apenas para exemplificar algo que pode ser muito melhor trabalhado.

  1. Em primeiro lugar, cada facção deve ter seu “Marechal”, é mais um objetivo para os jogadores perquirirem dentro do jogo.

  1. O título de Marechal de uma facção nada mais é do que seu representante de honra e comandante máximo dentro do jogo, e esse título deve ser temporário e obtido por meio de eleição e / ou disputa em um grande evento de batalha entre os integrantes da facção, que preenchendo alguns requisitos e outros títulos pré-existentes poderão disputar essa posição.

  1. Mas para você ser um Marechal, você precisará primeiro ter alguns outros títulos, só então você poderá competir pela vaga de Marechal, em um grande coliseu, por exemplo.

  1. Todos os jogadores que foram inscritos para competir pela vaga do Marechal, competiram em um campeonato de disputa 1vs1 pelo título, até que remanesçam apenas dois que disputarão o confronto final pelo título de Marechal.

  1. Como você se qualifica para competir pelo título de Marechal?

  1. Para entender isso, você deve primeiro entender como isso é desenhado em minha cabeça:

  1. New World, a meu ver, tem uma grande oportunidade de revolucionar os jogos MMORPG. Uma chance de ouro. Faltam apenas alguns ajustes e um propósito único, grandioso e consistente.

  1. Minha ideia consiste em alguns “planos de carreira”, novamente são apenas nomes exemplificativos. Se você ama pvp, venha jogar New World, se você ama pve, venha jogar New World, sem você adorar criar e construir, venha jogar New World, se você gosta de andar pelo mapa e ser um explorador, venha jogar New World, se você quer ser muito rico e exibir suas conquistas, venha jogar New World.

  1. Em New World não deve existir aquela mesmice engessada de sempre, mago, cavaleiro, curandeiro, arqueiro, não, não e não. Em New World cada jogador montará sua própria “classe” de acordo com seu perfil, estilo de jogo e objetivos dentro do jogo. Por exemplo, você adora o pvp? Então busque os títulos e conquistas que te fortalecerão nesse quesito. Você ama o craft? Então busque os títulos e conquistas que te fortalecerão nisso. Você é um jogador mais focado no pve? Faço o mesmo, busque seus títulos e conquistas para você conseguir se destacar nessa area. O que eu quero dizer com isso é que com um sistema único e infinito você pode finalmente moldar seu personagem de acordo com suas pretensões, nenhum personagem será igual ao outro. Você quer usar bastões mágicos com foco no pve? Você então buscará dentro do jogo quais conquistas e títulos combinaram com sua maestria, itens, perfil, status, pretensões, enfim, as possibilidades são infinitas.

  1. Eu acredito que cada facção precisará de jogadores das mais diversas áreas, jogadores com habilidades de pvp, jogadores com habilidades de pve, jogadores com habilidades de artesanato, jogadores com muito dinheiro para financiar a manutenção das cidades e guerras, todos são importantes dentro de New World, independente do level e perfil do jogador, todos têm um papel dentro do jogo.

  1. Se o jogador quiser ser um expert em combate pvp, ele vai buscar uma carreira ideal que se encaixe com o seu perfil e lhe proporcione isso, primeiro focar em um titulo máximo e nas combinações de conquistas adjacentes que ele achar melhor para seu estilo, como por exemplo: General ( mais focado em combate corpo a corpo), Alquimista-mor( mais focado em dano magico e bastões mágicos), Mestre-Sacerdote (dano magico e cura), etc... São apenas alguns nomes exemplificativos.

  1. Se o jogador quiser se especializar em lutar contra bosses e monstros épicos e lendários, ele buscará o título e os caminhos para ser um Mestre Caçador.

  1. Se o jogador quiser ser um Mestre Artesão, com crafts poderosos, valiosos e exclusivos, que só ele pode fazer, então seguirá este caminho profissional.

  1. Se o jogador quiser ter muito dinheiro, com grandes aquisições, vantagens comerciais, casas, ele buscará o título de Barão-mineiro.

  1. As possibilidades são infinitas, as combinações de maestria, armas, estilo de jogo, títulos, interesses, objetivos, tudo, é um imenso mundo a ser explorado.

  1. Com alguns ajustes aqui e ali, este jogo se torna o melhor.

  1. Exemplo disso? Se você quer ser um artesão, seus serviços serão solicitados, pois somente você poderá fabricar certos itens com a possibilidade de conseguir modificações raras e valiosas, por exemplo, somente você poderá esfolar certos monstros que precisam um alto grau de maestria, e esse nível apenas os artesãos podem alcançar.

  1. Neste ponto do item, seria um mundo extraordinário, se New World seguisse esse caminho: Se ao invés de todos os monstros soltarem o mesmo item por exemplo: “couro cru”, por que não soltar itens específicos, como: couro de lobo, couro de coelho, couro de crocodilo, isso iria expandir um universo de craft extraordinário, um mercado único, os jogadores quem quiserem ser artesões teria algumas vantagens ao escolher essa carreira, só eles que poderiam esfolar alguns monstros e manejar crafts mais complexos. Esses comentários são apenas algumas ideais e exemplos que precisam ser explorados e trabalhados.

  1. O mesmo vale para o jogador que quer ser um Barão-mineiro, você com esse título máximo, pode ir até o nível 100 de mineração por exemplo. Sem o título, você só pode ir até 50, por exemplo. São ideias e combinações infinitas.

  1. O mais importante é que cada título tenha um “Plano de Carreira”.

  1. Por exemplo, se o seu forte é o combate corpo a corpo e você é focado no pvp, eu diria que você ia querer seguir a carreira de General, começando com o primeiro título de soldado, depois de algumas conquistas torna-se sargento e assim por diante até chegar ao último posto de general. Os nomes são apenas exemplares. Se esse é o seu propósito dentro do jogo, estar focado na guerra, combate corpo a corpo e no pvp, você vai buscar fazer conquistas e adquirir os melhores títulos que combinem com seu personagem, itens, maestria, etc.

  1. Ou talvez você queira dominar a arte da magia ou da cura e seguir a carreira de curandeiro ou mago. De qualquer forma, as possibilidades são imensas.

  1. O segredo e o desafio seria encontrar a melhor construção para o seu perfil, entre seus títulos, maestria, equipamentos, atributos e finalidades, por exemplo, você é um grande jogador de pvp, a lenda do combate, porém, em uma invasão de monstros os jogadores mais focados no pve, que são especialistas em abater monstros, teriam uma pequena vantagem nesse quesito, já que essa seria sua especialização. Mas cuidado, não são apenas os caçadores que poderão matar ou impactar os lendários bosses e monstros, apenas terão uma ligeira vantagem neste aspecto, pois essa seria sua carreira e função dentro do jogo, eles nasceram para isso.

  1. Se um jogador quer estar focado no pvp, mas também quer uma melhor performance para matar monstros, por exemplo, ele deve investir um pouco mais para ter uma melhor performance na luta contra monstros, e encontrar qual combinação de títulos é melhor para ele. Existem desafios e possibilidades a serem estudados, que cada jogador terá que descobrir dentro do jogo, qual o seu perfil?!.

  1. Por exemplo como seria um modelo disso na minha cabeça:

Exemplo 1
Eu quero ser um jogador focado no pvp e combate corpo a corpo:

Carreira de General
I - Título de soldado: +3 de força
II - Título de sargento: +2% de dano com arma de uma mão contra players
III - Título de tenente: +2% de resistência física e magica contra jogadores
IV - Título de capitão: +5 de força
V – General: +5% de danos contra player segurando arma de uma mão ou escudo

Exemplo 2
Eu quero ser um jogador focado no PVE e combate a distância:

Carreira de Grão Mestre Caçador
I – Título caçador 1: +3 de destreza
II –Título caçador 2: +5% de dano contra monstros
III – Título caçador 3: +5% de resistência contra monstros
IV – Título caçador 4: +5 de destreza
V – Grão Mestre Caçador: +10% de dano a distância contra monstro

  1. Os bônus dos títulos dentro do jogo, é algo a ser estudado e trabalhado cuidadosa e profundamente.

  1. Neste sistema, novamente, apenas um exemplo, cada jogador só poderia habilitar um único grande título principal ou plano de carreira principal e ter um número limitado de especializações menores. É um universo a ser explorado.


VII – LIMITES E PENALIDADES

  1. Aqui não tem muito segredo, o jogo precisa ser o mais amplo possível, não deve haver muitas restrições de uso de itens, você pode usar o que quiser, desde que preencha alguns requisitos.

  1. Os status precisam ser melhor trabalhados. Combinar determinada quantidade de atributo necessário para usar um item e/ou upar uma habilidade de maestria é algo que pode ser bem melhor trabalhado. Pode acrescentar também combinações com os títulos e plano de carreia. São muitas possibilidades.

  1. É preciso haver sistema de penalidades para ganho de experiência e formação de grupo, tanto para pve como pvp. Isso evita uma serie de problemas dentro do jogo, por exemplo, que players inexperientes e leveis baixos sejam “carregados” por outros jogadores até um momento do jogo ao qual eles não deveriam estar.


VIII – ÁREAS EXPLORÁVEIS E MONSTROS MISTERIOSOS

  1. Em primeiro lugar, para entender como isso está em minha mente, isso deve ser encarado como algo extremamente raro e completamente aleatório.

  1. A ideia não é algo: “Eu vou entrar no jogo e fazer isso”. NÃO, você não vai.

  1. É algo assim: você está caminhando no mundo aberto, no meio do nada, não é um lugar específico, não é um monstro específico, não é um momento específico, é simplesmente aleatório, não é um respawn fixo, não é você quem decide, não há cálculo, não há uma forma de você “farmar” isso, é algo totalmente imprevisível, ao acaso e por sorte.

  1. De repente você vê, não sei, um coelho diferente (monstro mistérioso), você mata e quando analisa e você tem a POSSIBILIDADE de conseguir algo valioso, veja só, eu disse que você tem a POSSOBILIDADE, por exemplo, de conseguir uma pedra valiosa, ou um componente que pode ser usado para um craft valioso, etc. Veja bem, e atenção, além desses monstros misteriosos aparecerem de maneira totalmente aleatória, a chance de conseguir alguma coisa deles também é totalmente dependente da sorte.

  1. Outra coisa que poderia existir com a mesma ideia, são áreas e / ou objetos exploráveis. Uma gruta misteriosa por exemplo, uma garrafa no meio do rio, um arbusto, coisas que o jogador tem a opção de explorar ou entrar. Mas, novamente, são coisas totalmente aleatórias, que não estão disponíveis para sempre, possuem um curto período de tempo para serem exploradas.


IX – OUTRAS IDEIAS POSSÍVEIS


  1. Futuramente, caso a comunidade e o jogo queiram implementar montarias, ou algo do tipo, é preciso criar um sistema totalmente equilibrado e muito bem elaborado, e que não tenha grande impacto na jogabilidade, eu tenho uma ideia inicial para esse sistema, onde a montaria serve ÚNICA e EXCLUSIVAMENTE para o deslocamento. E o jogador terá que pensar com muito cuidado se vale a pena usá-la para uma determinada viagem.

  1. O jogador não poderá usar a montaria o tempo todo.

  1. Haverá restrições de área para montarias.

  1. O cavalo terá uma barra de energia que tem um tempo de recarga considerável, se o jogador quiser ir para uma área muito longe o cavalo pode ficar cansado, se não tiver condições para suportar a viagem, e assim ele entrará em “tempo de recarga”. O cavalo ficará na mesma velocidade de um jogador se movimentando, até que ele possa novamente desenvolver velocidade, ele poderá fazer isso somente após um determinado percentual de energia recuperada. O jogador não poderá realizar ações em cima do cavalo. Se o cavalo ou o jogador for abatido, o jogador cai e terá que decidir se corre atrás do cavalo, foge ou vai para o duelo. O jogador precisa ir até o cavalo caso perca o controle dele e o animal saia correndo pela floresta. O jogador não pode fazer algo como assobiar e o cavalo aparecer misteriosamente. Caso o jogador se perca do seus cavalo ao fugir dos inimigos por exemplo, passado algum tempo o cavalo dará respawn na cidade onde o jogador tenha feito seu “check-in”.

84.Os acampamentos devem ter estábulos para o cavalo descansar e recuperar as energias mais rapidamente, porém não deve ser algo instantâneo. De qualquer forma, há muitas variáveis em mente para isso.


X – CONSIDERAÇÕES FINAIS

Eu tenho várias outras ideias, mas por enquanto acho que é isso.

O mais importante é que o jogo entregue uma gama infinita de possibilidades alinhadas as mais variadas formas e estilos de jogos. Se você gosta do pve, você vai ter suas inúmeros funções e caminhos para de divertir e crescer dentro do jogo, benefícios de craft, farms, você pode ter um papel de destaque nas invasões de monstros e lidar com bosses difíceis, você pode conseguir riqueza e gloria nesse seguimento e estilo de jogo, igualmente se você gosta de pvp, com as intensas guerras e os espólios das batalhas pvp. Acredito que em New World toda facção vai precisa de bons jogadores de pve, com os benefícios que estes jogadores podem ter para lidar com monstros poderosos, crafts, colheitas, mineração, como também precisar do talento de bons jogadores de pvp para as batalhas e guerras. Basta encontrar o equilíbrio do sucesso.

Essas são minhas considerações em face desse primeiro contato com o jogo.

Espero profundamente que o jogo não seja apenas mais um no meio de tantos outros horríveis que já existem.

A Amazon tem plena capacidade e poder para revolucionar mais esse mercado.

Espero que alguma coisa aqui tenha contribuído com algo, e torço pelo sucesso do jogo.

E continuem sempre olhando para o Brasil, aqui também tem mercado e pessoas capacitadas para fazer muita coisa pelo mundo, tanto real como virtual. Abraços!
submitted by hmmild to New_World_MMO [link] [comments]


2020.08.14 15:30 RemovedCommentsBot Removed comments/submissions for /u/halfofakebab2

Hi halfofakebab2, you're not shadowbanned, but 9 of your most recent 104 comments/submissions were removed (either automatically or by human moderators).

Comments:

g15ycc0 in brasil on 12 Aug 20 (-3pts):
Se foi uma referência ao BLM, imagino que te falte embasamento para tal afirmação.
Justamente o contrário. Me abunda embasamento para tal afirmação. Trata-se de grupo liderado por marxistas...
fx9eqfg in brasil on 07 Jul 20 (1pts):
É uma pena que você tenha que passar por isso sozinho. Espero que você consiga encontrar ajuda.
fx9ckgy in brasil on 07 Jul 20 (1pts):
Amigo, você não acha que está sendo demasiadamente desrespeitoso?
fx8w8ml in brasil on 07 Jul 20 (0pts):
highcarbs é um troll.
fx7mtcf in brasil on 07 Jul 20 (-7pts):
Lol vocês são tão sensíveis que qualquer um que aponte as hipocrisias e que vá contra a narrativa é taxado de troll. Sigam sem querer dialogar com "o outro lado", vimos que funcionou super bem em...
fx7jsv9 in brasil on 07 Jul 20 (-12pts):
O vídeo é sobre ele desejar a morte de Dilma, não? Se você deseja a morte dele, você está fazendo igual a ele. Há de se argumentar que Dilma também matou milhares de pessoas com suas políticas...
fwrc0kw in brasil on 03 Jul 20 (-2pts):
Eli não existe. Fica claro que é só uma forma disfarçada de escrever "ele" e cometer mais uma microagressão. Um pedido de desculpas seria muito bem-vindo a mim e a toda a comunidade LGBTrans
fwraeji in brasil on 03 Jul 20 (-2pts):
e de repente faz mais sentido pq vc não ve nada de errado em pessoas estarem em situação de semi-escravidão
Voltou com mais comentários racistas e não respondeu o meu questionamento. Você defende...
fwr8v20 in brasil on 03 Jul 20 (-1pts):
O teste do pescoço é uma forma simples e direta de demonstrar como nossa sociedade não é inclusiva, justamente pela cor das pessoas suas capacidades são ignoradas
Viés de confirmação. Você quer...
I'm a bot. My home is at /CommentRemovalChecker - check if your posts have been removed! (How to use)
Help us expose and stand up to social media bias and censorship!
submitted by RemovedCommentsBot to CommentRemovalChecker [link] [comments]


2020.08.13 13:06 R_DiasOficial Um Resumo Histórico dos Candidatos Presidenciais Democratas

"O partido dos pobres e oprimidos escolhe pessoas ricas e opressoras para a presidência."

Kamala Devi Harris. 55 anos. É polícia desde 1990 e está em posição de poder político desde 2003.

Eleger uma pessoa que pertence às forças polícias na altura em que as tensões raciais estão no seu pico não foi a melhor decisão do partido democrata. Ao contrário do consenso geral, ao longo dos anos a Kamala Harris veio a revelar ser o estereótipo perfeito de um polícia que abusa do seu poder, o que agrava um pouco a situação. É a mulher que mantinha os prisioneiros por um tempo superior ao das suas sentenças para obter mão-de-obra barata, e que prendia os pais das crianças que faltam as aulas, e ainda se ria na cara deles.
É uma pessoa que sempre defendeu ideias políticas controversas como o aborto até o parto, a pena de morte, baixar a idade de voto para 16 anos, ou a Affirmitive Action (uma política de discriminação racial que permite que pessoas Afro-Americanas possam entrar na universidade com notas inferiores à de pessoas brancas, enquanto que os Asiáticos precisam de ter notas superiores à de pessoas brancas. Ao contrário do que parece à primeira vista, esta medida veio contribuir negativamente na comunidade Afro-Americana).
É, também, uma mulher meia Indiana e meia Jamaicana, porém quando é convincente passa por Afro-Americana. Isto torna-se ainda mais controverso uma vez que certamente que beneficiou da escravatura praticada pelos seus antepassados, como o pai dela tanto se gosta de gabar. (É engraçado o facto de o Snopes classificar isto como "unverified". Bastava irem perguntar ao pai dela que ele não teria problema nenhum em confirmar, mas isso iria contra a narrativa... )
Também foi apanhada várias vezes a fingir ser alguém que não é, de modo a apelar aos votos de uma certa demografia. Por exemplo quando disse que fumava erva a ouvir o Snopp Dogg e o 2Pac enquanto andava na faculdade, porém nessa altura eles não existiam. Ou quando disse que o 2Pac era o seu rapper favorito vivo.

Joseph Robinette Biden. 77 anos. Está numa posição de poder político desde 1969 (ou desde 1840, segundo ele) e possui o apoio eleitoral da China, do Irão, do Bin Laden e de supremacistas brancos.

Tal como a Kamala, o seu passado também não é muito animador.
É mais conhecido pela sua War on Drugs que contribuiu para o encarceramento em massa de Afro-Americanos por cometerem pequenas infrações relacionadas com drogas. Ou então por ter fundado uma caridade de investigação para o cancro que, apesar de ter angariado milhões de dólares, não gastou nem um cêntimo em investigação.
Também é muito famoso por, de vez em quando, dizer frases do tipo:
É ainda o homem que, por mais irónico que seja, declarou Donald Trump como o primeiro presidente racista. Olhando para o passado do Biden, não será errado concluir que ele deve considerar os presidentes que possuíam escravos como "não racistas".
O seu historial cognitivo também não é dos melhores. Diz estar com pessoas que nunca esteve, em locais que não existem, a fazer coisas que não fez.
Tem acesso às perguntas antes das entrevistas e inclusive lê as respostas a partir de um teleponto. (Exemplo 1); (Exemplo 2); (Exemplo 3); (Exemplo 4); (Exemplo 5); (Exemplo 6)
Mas quando não tem diz que escolhem a verdade em vez dos factos, seja lá o que isso quer dizer. Confunde a mulher com a irmã. Cria frases sem qualquer sentido. Afirma que sempre foi contra a NAFTA, mas há provas de que votou a favor.. Mete o despacito a tocar no seu iPhone e põem-se a dancar num evento de hispânicos para combater o facto de eles apoiarem, maioritariamente, o Donald Trump. Num momento diz que está constantemente a realizar testes cognitivos, no outro diz que nunca fez um teste desse tipo e pergunta ao entrevistador Afro-Americano se ele é algum drogado viciado em cocaína.
Tem um problema com números: Diz que já morreram 120 milhões de pessoas nos EUA por COVID e recentemente corrigiu para 200 milhões, dos quais 6000 eram militares (quando o número verdadeiro é 7) e que metade da população norte americana foi morta por armas.
E depois também há o problema que ele tem de cheirar o cabelo, tocar de forma inapropriada e beijar mulheres na boca sem o seu consentimento. Uma dessas mulheres é a sua neta adolescente e as restantes são outras crianças que ele não conhece de lado nenhum.
Possui um caso de violação pendente, e inclusive a candidata a vice presidente, Kamala Harris, afirmou que acredita nas vítimas do Biden.
Por fim, ambos os candidatos democratas apoiam e apelidaram as manifestações que levaram a mais de 20 mortes, 900 ferimentos e mil milhões de dólares em danos como "protestos pacíficos" e andam a pagar para libertar esses criminosos (inclusive libertaram um pedófilo que penetrou uma criança).

Este post é apenas um pequeno excerto do passado destas pessoas. Com um pouco mais de investigação, é possível encontrar inúmeros outros fatores.

Obs: Decidi falar sobre a Kamala Harris em primeiro lugar uma vez que se o Donald Trump perder as eleições de 2020, quem irá ser o Presidente vai ser ela, e não o Joe Biden. Ele é o cadáver andante que o partido democrata está desejoso de se ver livre, assim que já não precisarem de o usar.
submitted by R_DiasOficial to portugueses [link] [comments]


2020.07.23 10:09 diplohora Mes estudos para o CACD - Bruno Pereira Rezende

Livro do diplomata Bruno Pereira Rezende
INTRODUÇÃO
📷📷Desde quando comecei os estudos para o Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), li dezenas de recomendações de leituras, de guias de estudos extraoficiais, de dicas sobre o concurso, sobre cursinhos preparatórios etc. Sem dúvida, ter acesso a tantas informações úteis, vindas de diversas fontes, foi fundamental para que eu pudesse fazer algumas escolhas certas em minha preparação, depois de algumas vacilações iniciais. Mesmo assim, além de a maioria das informações ter sido conseguida de maneira dispersa, muitos foram os erros que acho que eu poderia haver evitado. Por isso, achei que poderia ser útil reunir essas informações que coletei, adicionando um pouco de minha experiência com os estudos preparatórios para o CACD neste documento.
Além disso, muitas pessoas, entre conhecidos e desconhecidos, já vieram me pedir sugestões de leituras, de métodos de estudo, de cursinhos preparatórios etc., e percebi que, ainda que sempre houvesse alguma diferenciação entre as respostas, eu acabava repetindo muitas coisas. É justamente isso o que me motivou a escrever este documento – que, por não ser (nem pretender ser) um guia, um manual ou qualquer coisa do tipo, não sei bem como chamá-lo, então fica como “documento” mesmo, um relato de minhas experiências de estudos para o CACD. Espero que possa ajudar os interessados a encontrar, ao menos, uma luz inicial para que não fiquem tão perdidos nos estudos e na preparação para o concurso.
Não custa lembrar que este documento representa, obviamente, apenas a opinião pessoal do autor, sem qualquer vínculo com o Ministério das Relações Exteriores, com o Instituto Rio Branco ou com o governo brasileiro. Como já disse, também não pretendo que seja uma espécie de guia infalível para passar no concurso. Além disso, o concurso tem sofrido modificações frequentes nos últimos anos, então pode ser que algumas coisas do que você lerá a seguir fiquem ultrapassadas daqui a um ou dois concursos. De todo modo, algumas coisas são básicas e podem ser aplicadas a qualquer situação de prova que vier a aparecer no CACD, e é necessário ter o discernimento necessário para aplicar algumas coisas do que falarei aqui a determinados contextos. Caso você tenha dúvidas, sugestões ou críticas, fique à vontade e envie-as para [[email protected] ](mailto:[email protected])(se, por acaso, você tiver outro email meu, prefiro que envie para este, pois, assim, recebo tudo mais organizado em meu Gmail). Se tiver comentários ou correções acerca deste material, peço, por favor, que também envie para esse email, para que eu possa incluir tais sugestões em futura revisão do documento.
Além desta breve introdução e de uma também brevíssima conclusão, este documento tem quatro partes. Na primeira, trato, rapidamente, da carreira de Diplomata: o que faz, quanto ganha, como vai para o exterior etc. É mais uma descrição bem ampla e rápida, apenas para situar quem, porventura, estiver um pouco mais perdido. Se não estiver interessado, pode pular para as partes seguintes, se qualquer prejuízo para seu bom entendimento. Na segunda parte, trato do concurso: como funciona, quais são os pré-requisitos para ser diplomata, quais são as fases do concurso etc. Mais uma vez, se não interessar, pule direto para a parte seguinte. Na parte três, falo sobre a preparação para o concurso (antes e durante), com indicações de cursinhos, de professores particulares etc. Por fim, na quarta parte, enumero algumas sugestões de leituras (tanto próprias quanto coletadas de diversas fontes), com as devidas considerações pessoais sobre cada uma. Antes de tudo, antecipo que não pretendo exaurir toda a bibliografia necessária para a aprovação, afinal, a cada ano, o concurso cobra alguns temas específicos. O que fiz foi uma lista de obras que auxiliaram em minha preparação (e, além disso, também enumerei muitas sugestões que recebi, mas não tive tempo ou vontade de ler – o que também significa que, por mais interessante que seja, você não terá tempo de ler tudo o que lhe recomendam por aí, o que torna necessário é necessário fazer algumas escolhas; minha intenção é auxiliá-lo nesse sentido, na medida do possível).
Este documento é de uso público e livre, com reprodução parcial ou integral autorizada, desde que citada a fonte. Sem mais, passemos ao que interessa.
Parte I – A Carreira de Diplomata
INTRODUÇÃO
Em primeiro lugar, rápida apresentação sobre mim. Meu nome é Bruno Rezende, tenho 22 anos e fui aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) de 2011. Sou graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (turma LXII, 2007-20110), e não tinha certeza de que queria diplomacia até o meio da universidade. Não sei dizer o que me fez escolher a diplomacia, não era um sonho de infância ou coisa do tipo, e não tenho familiares na carreira. Acho que me interessei por um conjunto de aspectos da carreira. Comecei a preparar-me para o CACD em meados de 2010, assunto tratado na Parte III, sobre a preparação para o concurso.
Para maiores informações sobre o Ministério das Relações Exteriores (MRE), sobre o Instituto Rio Branco (IRBr), sobre a vida de diplomata etc., você pode acessar os endereços:
- Página do MRE: http://www.itamaraty.gov.b
- Página do IRBr: http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-b
- Canal do MRE no YouTube: http://www.youtube.com/mrebrasil/
- Blog “Jovens Diplomatas”: http://jovensdiplomatas.wordpress.com/
- Comunidade “Coisas da Diplomacia” no Orkut (como o Orkut está ultrapassado, procurei reunir todas as informações úteis sobre o concurso que encontrei por lá neste documento, para que vocês não tenham de entrar lá, para procurar essas informações):
http://www.orkut.com.bMain#Community?cmm=40073
- Comunidade “Instituto Rio Branco” no Facebook: http://www.facebook.com/groups/institutoriobranco/
Com certeza, há vários outros blogs (tanto sobre a carreira quanto sobre a vida de diplomata), mas não conheço muitos. Se tiver sugestões, favor enviá-las para [[email protected].](mailto:[email protected])
Além disso, na obra O Instituto Rio Branco e a Diplomacia Brasileira: um estudo de carreira e socialização (Ed. FGV, 2007), a autora Cristina Patriota de Moura relata aspectos importantes da vida diplomática daqueles que ingressam na carreira. Há muitas informações desatualizadas (principalmente com relação ao concurso), mas há algumas coisas interessantes sobre a carreira, e o livro é bem curto.
A DIPLOMACIA E O TRABALHO DO DIPLOMATA
Com a intensificação das relações internacionais contemporâneas e com as mudanças em curso no contexto internacional, a demanda de aprimoramento da cooperação entre povos e países tem conferido destaque à atuação da diplomacia. Como o senso comum pode indicar corretamente, o
diplomata é o funcionário público que lida com o auxílio à Presidência da República na formulação da política externa brasileira, com a condução das relações da República Federativa do Brasil com os demais países, com a representação brasileira nos fóruns e nas organizações internacionais de que o país faz parte e com o apoio aos cidadãos brasileiros residentes ou em trânsito no exterior. Isso todo mundo que quer fazer o concurso já sabe (assim espero).
Acho que existem certos mitos acerca da profissão de diplomata. Muitos acham que não irão mais pagar multa de trânsito, que não poderão ser presos, que nunca mais pegarão fila em aeroporto etc. Em primeiro lugar, não custa lembrar que as imunidades a que se referem as Convenções de Viena sobre Relações Diplomáticas e sobre Relações Consulares só se aplicam aos diplomatas no exterior (e nos países em que estão acreditados). No Brasil, os diplomatas são cidadãos como quaisquer outros. Além disso, imunidade não é sinônimo de impunidade, então não ache que as imunidades são as maiores vantagens da vida de um diplomata. O propósito das imunidades é apenas o de tornar possível o trabalho do diplomata no exterior, sem empecilhos mínimos que poderiam obstar o bom exercício da profissão. Isso não impede que diplomatas sejam revistados em aeroportos, precisem de vistos, possam ser julgados, no Brasil, por crimes cometidos no exterior etc.
Muitos também pensam que irão rodar o mundo em primeira classe, hospedar-se em palácios suntuosos, passear de iate de luxo no Mediterrâneo e comer caviar na cerimônia de casamento do príncipe do Reino Unido. Outros ainda acham que ficarão ricos, investirão todo o dinheiro que ganharem na Bovespa e, com três anos de carreira, já estarão próximos do segundo milhão. Se você quer ter tudo isso, você está no concurso errado, você precisa de um concurso não para diplomata, mas para marajá. Obviamente, não tenho experiência suficiente na carreira para dizer qualquer coisa, digo apenas o que já li e ouvi de diversos comentários por aí. É fato que há carreiras públicas com salários mais altos. Logo, se você tiver o sonho de ficar rico com o salário de servidor público, elas podem vir a ser mais úteis nesse sentido. Há não muito tempo, em 2006, a remuneração inicial do Terceiro-Secretário (cargo inicial da carreira de diplomata), no Brasil, era de R$ 4.615,53. Considerando que o custo de vida em Brasília é bastante alto, não dava para viver de maneira tão abastada, como alguns parecem pretender. É necessário, entretanto, notar que houve uma evolução significativa no aspecto salarial, nos últimos cinco anos (veja a seç~o seguinte, “Carreira e Salrios). De todo modo, já vi vários diplomatas com muitos anos de carreira dizerem: “se quiser ficar rico, procure outra profissão”. O salário atual ajuda, mas não deve ser sua única motivação.
H um texto ótimo disponível na internet: “O que é ser diplomata”, de César Bonamigo, que reproduzo a seguir.
O Curso Rio Branco, que frequentei em sua primeira edição, em 1998, pediu-me para escrever sobre o que é ser diplomata. Tarefa difícil, pois a mesma pergunta feita a diferentes diplomatas resultaria, seguramente, em respostas diferentes, umas mais glamourosas, outras menos, umas ressaltando as vantagens, outras as desvantagens, e não seria diferente se a pergunta tratasse de outra carreira qualquer. Em vez de falar de minhas impressões pessoais, portanto, tentarei, na medida do possível, reunir observações tidas como “senso comum” entre diplomatas da minha geraç~o.
Considero muito importante que o candidato ao Instituto Rio Branco se informe sobre a realidade da carreira diplomática, suas vantagens e desvantagens, e que dose suas expectativas de acordo. Uma expectativa bem dosada não gera desencanto nem frustração. A carreira oferece um pacote de coisas boas (como a oportunidade de conhecer o mundo, de atuar na área política e econômica, de conhecer gente interessante etc.) e outras não tão boas (uma certa dose de burocracia, de hierarquia e dificuldades no equacionamento da vida familiar). Cabe ao candidato inferir se esse pacote poderá ou não fazê-lo feliz.
O PAPEL DO DIPLOMATA
Para se compreender o papel do diplomata, vale recordar, inicialmente, que as grandes diretrizes da política externa são dadas pelo Presidente da República, eleito diretamente pelo voto popular, e pelo Ministro das Relações Exteriores, por ele designado. Os diplomatas são agentes políticos do Governo, encarregados da implementação dessa política externa. São também servidores públicos, cuja função, como diz o nome, é servir, tendo em conta sua especialização nos temas e funções diplomáticos.
Como se sabe, é função da diplomacia representar o Brasil perante a comunidade internacional. Por um lado, nenhum diplomata foi eleito pelo povo para falar em nome do Brasil. É importante ter em mente, portanto, que a legitimidade de sua ação deriva da legitimidade do Presidente da República, cujas orientações ele deve seguir. Por outro lado, os governos se passam e o corpo diplomático permanece, constituindo elemento importante de continuidade da política externa brasileira. É tarefa essencial do diplomata buscar identificar o “interesse nacional”. Em negociações internacionais, a diplomacia frequentemente precisa arbitrar entre interesses de diferentes setores da sociedade, não raro divergentes, e ponderar entre objetivos econômicos, políticos e estratégicos, com vistas a identificar os interesses maiores do Estado brasileiro.
Se, no plano externo, o Ministério das Relações Exteriores é a face do Brasil perante a comunidade de Estados e Organizações Internacionais, no plano interno, ele se relaciona com a Presidência da República, os demais Ministérios e órgãos da administração federal, o Congresso, o Poder Judiciário, os Estados e Municípios da Federação e, naturalmente, com a sociedade civil, por meio de Organizações Não Governamentais (ONGs), da Academia e de associações patronais e trabalhistas, sempre tendo em vista a identificação do interesse nacional.
O TRABALHO DO DIPLOMATA
Tradicionalmente, as funções da diplomacia são representar (o Estado brasileiro perante a comunidade internacional), negociar (defender os interesses brasileiros junto a essa comunidade) e informar (a Secretaria de Estado, em Brasília, sobre os temas de interesse brasileiro no mundo). São também funções da diplomacia brasileira a defesa dos interesses dos cidadãos brasileiros no exterior, o que é feito por meio da rede consular, e a promoção de interesses do País no exterior, tais como interesses econômico-comerciais, culturais, científicos e tecnológicos, entre outros.
No exercício dessas diferentes funções, o trabalho do diplomata poderá ser, igualmente, muito variado. Para começar, cerca de metade dos mil1 diplomatas que integram o Serviço Exterior atua no Brasil, e a outra metade nos Postos no exterior (Embaixadas, Missões, Consulados e Vice-Consulados). Em Brasília, o diplomata desempenha funções nas áreas política, econômica e administrativa, podendo cuidar de temas tão diversos quanto comércio internacional, integração regional (Mercosul), política bilateral (relacionamento do Brasil com outros países e blocos), direitos humanos, meio ambiente ou administração física e financeira do Ministério. Poderá atuar, ainda, no Cerimonial (organização dos encontros entre autoridades brasileiras e estrangeiras, no Brasil e no exterior) ou no relacionamento do Ministério com a sociedade (imprensa, Congresso, Estados e municípios, Academia, etc.).
No exterior, também, o trabalho dependerá do Posto em questão. As Embaixadas são representações do Estado brasileiro junto aos outros Estados, situadas sempre nas capitais, e desempenham as funções tradicionais da diplomacia (representar, negociar, informar), além de promoverem o Brasil junto a esses Estados. Os Consulados, Vice-Consulados e setores consulares de Embaixadas podem situar-se na capital do país ou em outra cidade onde haja uma comunidade brasileira expressiva. O trabalho nesses Postos é orientado à defesa dos interesses dos cidadãos brasileiros no exterior. Nos Postos multilaterais (ONU, OMC, FAO, UNESCO, UNICEF, OEA etc.), que podem ter natureza política, econômica ou estratégica, o trabalho envolve, normalmente, a representação e a negociação dos interesses nacionais.
O INGRESSO NA CARREIRA
A carreira diplomática se inicia, necessariamente, com a aprovação no concurso do Instituto Rio Branco (Informações sobre o concurso podem ser obtidas no site http://www2.mre.gov.birbindex.htm). Para isso, só conta a competência – e, talvez, a sorte – do candidato. Indicações políticas não ajudam.
AS REMOÇÕES
Após os dois anos de formação no IRBr , o diplomata trabalhará em Brasília por pelo menos um ano. Depois, iniciam-se ciclos de mudança para o exterior e retornos a Brasília. Normalmente, o diplomata vai para o exterior, onde fica três anos em um Posto, mais três anos em outro Posto, e retorna a Brasília, onde fica alguns anos, até o início de novo ciclo. Mas há espaço para flexibilidades. O diplomata poderá sair para fazer um Posto apenas, ou fazer três Postos seguidos antes de retornar a Brasília. Isso dependerá da conveniência pessoal de cada um. Ao final da carreira, o diplomata terá passado vários anos no exterior e vários no Brasil, e essa proporção dependerá essencialmente das escolhas feitas pelo próprio diplomata. Para evitar que alguns diplomatas fiquem sempre nos “melhores Postos” – um critério, aliás, muito relativo – e outros em Postos menos privilegiados, os Postos no exterior estão divididos em [quatro] categorias, [A, B, C e D], obedecendo a critérios não apenas de qualidade de vida, mas também geográficos, e é seguido um sistema de rodízio: após fazer um Posto C, por exemplo, o diplomata terá direito a fazer um Posto A [ou B], e após fazer um Posto A, terá que fazer um Posto [B, C ou D].
AS PROMOÇÕES
Ao tomar posse no Serviço Exterior, o candidato aprovado no concurso torna-se Terceiro-Secretário. É o primeiro degrau de uma escalada de promoções que inclui, ainda, Segundo-Secretário, Primeiro-
-Secretário, Conselheiro, Ministro de Segunda Classe (costuma-se dizer apenas “Ministro”) e Ministro de Primeira Classe (costuma-se dizer apenas “Embaixador”), nessa ordem. Exceto pela primeira promoção, de Terceiro para Segundo-Secretário, que se dá por tempo (quinze Terceiros Secretários são promovidos a cada semestre), todas as demais dependem do mérito, bem como da articulação política do diplomata. Nem todo diplomata chega a Embaixador. Cada vez mais, a competição na carreira é intensa e muitos ficam no meio do caminho. Mas, não se preocupem e também não se iludam: a felicidade não está no fim, mas ao longo do caminho!
DIRECIONAMENTO DA CARREIRA
Um questionamento frequente diz respeito à possibilidade de direcionamento da carreira para áreas específicas. É possível, sim, direcionar uma carreira para um tema (digamos, comércio internacional, direitos humanos, meio ambiente etc.) ou mesmo para uma região do mundo (como a Ásia, as Américas ou a África, por exemplo), mas isso não é um direito garantido e poderá não ser sempre possível. É preciso ter em mente que a carreira diplomática envolve aspectos políticos, econômicos e administrativos, e que existem funções a serem desempenhadas em postos multilaterais e bilaterais em todo o mundo, e n~o só nos países mais “interessantes”. Diplomatas est~o envolvidos em todas essas variantes e, ao longo de uma carreira, ainda que seja possível uma certa especialização, é provável que o diplomata, em algum momento, atue em áreas distintas daquela em que gostaria de se concentrar.
ASPECTOS PRÁTICOS E PESSOAIS
É claro que a vida é muito mais que promoções e remoções, e é inevitável que o candidato queira saber mais sobre a carreira que o papel do diplomata. Todos precisamos cuidar do nosso dinheiro, da saúde, da família, dos nossos interesses pessoais. Eu tentarei trazem um pouco de luz sobre esses aspectos.
DINHEIRO
Comecemos pelo dinheiro, que é assunto que interessa a todos. Em termos absolutos, os diplomatas ganham mais quando estão no exterior do que quando estão em Brasília. O salário no exterior, no entanto, é ajustado em função do custo de vida local, que é frequentemente maior que no Brasil. Ou seja, ganha-se mais, mas gasta-se mais. Se o diplomata conseguirá ou não economizar dependerá i) do salário específico do Posto , ii) do custo de vida local, iii) do câmbio entre a moeda local e o dólar, iv) do fato de ele ter ou não um ou mais filhos na escola e, principalmente, v) de sua propensão ao consumo. Aqui, não há regra geral. No Brasil, os salários têm sofrido um constante desgaste, especialmente em comparação com outras carreiras do Governo Federal, frequentemente obrigando o diplomata a economizar no exterior para gastar em Brasília, se quiser manter seu padrão de vida. Os diplomatas, enfim, levam uma vida de classe média alta, e a certeza de que não se ficará rico de verdade é compensada pela estabilidade do emprego (que não é de se desprezar, nos dias de hoje) e pela expectativa de que seus filhos (quando for o caso) terão uma boa educação, mesmo para padrões internacionais.
SAÚDE
Os diplomatas têm um seguro de saúde internacional que, como não poderia deixar de ser, tem vantagens e desvantagens. O lado bom é que ele cobre consultas com o médico de sua escolha, mesmo que seja um centro de excelência internacional. O lado ruim é que, na maioria das vezes, é preciso fazer o desembolso (até um teto determinado) para depois ser reembolsado, geralmente em 80% do valor, o que obriga o diplomata a manter uma reserva financeira de segurança.
FAMÍLIA : O CÔNJUGE
Eu mencionei, entre as coisas n~o t~o boas da carreira, “dificuldades no equacionamento da vida familiar”. A primeira dificuldade é o que fará o seu cônjuge (quando for o caso) quando vocês se mudarem para Brasília e, principalmente, quando forem para o exterior. Num mundo em que as famílias dependem, cada vez mais, de dois salários, equacionar a carreira do cônjuge é um problema recorrente. Ao contrário de certos países desenvolvidos, o Itamaraty não adota a política de empregar ou pagar salários a cônjuges de diplomatas. Na prática, cada um se vira como pode. Em alguns países é possível trabalhar. Fazer um mestrado ou doutorado é uma opção. Ter filhos é outra...
Mais uma vez, não há regra geral, e cada caso é um caso. O equacionamento da carreira do cônjuge costuma afetar principalmente – mas não apenas – as mulheres, já que, por motivos culturais, é mais comum o a mulher desistir de sua carreira para seguir o marido que o contrário2.
CASAMENTO ENTRE DIPLOMATAS
Os casamentos entre diplomatas não são raros. É uma situação que tem a vantagem de que ambos têm uma carreira e o casal tem dois salários. A desvantagem é a dificuldade adicional em conseguir que ambos sejam removidos para o mesmo Posto no exterior. A questão não é que o Ministério vá separar esses casais, mas que se pode levar mais tempo para conseguir duas vagas num mesmo Posto. Antigamente, eram frequentes os casos em que as mulheres interrompiam temporariamente suas carreiras para acompanhar os maridos. Hoje em dia, essa situação é exceção, não a regra.
FILHOS
Não posso falar com conhecimento de causa sobre filhos, mas vejo o quanto meus colegas se desdobram para dar-lhes uma boa educação. Uma questão central é a escolha da escola dos filhos, no Brasil e no exterior. No Brasil, a escola será normalmente brasileira, com ensino de idiomas, mas poderá ser a americana ou a francesa, que mantém o mesmo currículo e os mesmos períodos escolares em quase todo o mundo. No exterior, as escolas americana e francesa são as opções mais frequentes,
podendo-se optar por outras escolas locais, dependendo do idioma. Outra questão, já mencionada, é o custo da escola. Atualmente, não existe auxílio-educação para filhos de diplomatas ou de outros Servidores do Serviço Exterior brasileiro, e o dinheiro da escola deve sair do próprio bolso do servidor.
CÉSAR AUGUSTO VERMIGLIO BONAMIGO - Diplomata. Engenheiro Eletrônico formado pela UNICAMP. Pós- graduado em Administração de Empresas pela FGV-SP. Programa de Formação e Aperfeiçoamento - I (PROFA -
I) do Instituto Rio Branco, 2000/2002. No Ministério das Relações Exteriores, atuou no DIC - Divisão de Informação Comercial (DIC), 2002; no DNI - Departamento de Negociações Internacionais, 2003, e na DUEX - Divisão de União Europeia e Negociações Extrarregionais. Atualmente, serve na Missão junto à ONU (DELBRASONU), em NYC.
2 Conforme comunicado do MRE de 2010, é permitida a autorização para que diplomatas brasileiros solicitem passaporte diplomático ou de serviço e visto de permanência a companheiros do mesmo sexo. Outra resolução, de 2006, já permitia a inclusão de companheiros do mesmo sexo em planos de assistência médica.
Para tornar-se diplomata, é necessário ser aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), que ocorre todos os anos, no primeiro semestre (normalmente). O número de vagas do CACD, em condições normais, depende da vacância de cargos. Acho que a quantidade normal deve girar entre 25 e 35, mais ou menos. Desde meados dos anos 2000, como consequência da aprovação de uma lei federal, o Ministério das Relações Exteriores (MRE/Itamaraty3) ampliou seus quadros da carreira de diplomata, e, de 2006 a 2010, foram oferecidas mais de cem vagas anuais. Com o fim dessa provisão de cargos, o número de vagas voltou ao normal em 2011, ano em que foram oferecidas apenas 26 vagas (duas delas reservadas a portadores de deficiência física4). Para os próximos concursos, há perspectivas de aprovação de um projeto de lei que possibilitará uma oferta anual prevista de 60 vagas para o CACD, além de ampliar, também, as vagas para Oficial de Chancelaria (PL 7579/2010). Oficial de Chancelaria, aproveitando que citei, é outro cargo (também de nível superior) do MRE, mas não integra o quadro diplomático. A remuneração do Oficial de Chancelaria, no Brasil, é inferior à de Terceiro-Secretário, mas os salários podem ser razoáveis quando no exterior. Já vi muitos casos de pessoas que passam no concurso de Oficial de Chancelaria e ficam trabalhando no MRE, até que consigam passar no CACD, quando (aí sim) tornam-se diplomatas.
Para fazer parte do corpo diplomático brasileiro, é necessário ser brasileiro nato, ter diploma válido de curso superior (caso a graduação tenha sido realizada em instituição estrangeira, cabe ao candidato providenciar a devida revalidação do diploma junto ao MEC) e ser aprovado no CACD (há, também, outros requisitos previstos no edital do concurso, como estar no gozo dos direitos políticos, estar em dia com as obrigações eleitorais, ter idade mínima de dezoito anos, apresentar aptidão física e mental para o exercício do cargo e, para os homens, estar em dia com as obrigações do Serviço Militar). Os aprovados entram para a carreira no cargo de Terceiro-Secretário (vide hierarquia na próxima seç~o, “Carreira e Salrios”). Os aprovados no CACD, entretanto, não iniciam a carreira trabalhando: há, inicialmente, o chamado Curso de Formação, que se passa no Instituto Rio Branco (IRBr). Por três semestres, os aprovados no CACD estudarão no IRBr, já recebendo o salário de Terceiro-Secretário (para remunerações, ver a próxima seç~o, “Hierarquia e Salrios).
O trabalho no Ministério começa apenas após um ou dois semestres do Curso de Formação no IRBr (isso pode variar de uma turma para outra), e a designação dos locais de trabalho (veja as subdivisões do MRE na página seguinte) é feita, via de regra, com base nas preferências individuais e na ordem de classificação dos alunos no Curso de Formação.
3 O nome “Itamaraty” vem do nome do antigo proprietrio da sede do Ministério no Rio de Janeiro, o Bar~o Itamaraty. Por metonímia, o nome pegou, e o Palácio do Itamaraty constitui, atualmente, uma dependência do MRE naquela cidade, abrigando um arquivo, uma mapoteca e a sede do Museu Histórico e Diplomático. Em Brasília, o Palácio Itamaraty, projetado por Oscar Niemeyer e inaugurado em 1970, é a atual sede do MRE. Frequentemente, “Itamaraty” é usado como sinônimo de Ministério das Relações Exteriores.
4 Todos os anos, há reserva de vagas para deficientes físicos. Se não houver número suficiente de portadores de deficiência que atendam às notas mínimas para aprovação na segunda e na terceira fases do concurso, que têm caráter eliminatório, a(s) vaga(s) restante(s) é(são) destinada(s) aos candidatos da concorrência geral.
O IRBr foi criado em 1945, em comemoração ao centenário de nascimento do Barão do Rio Branco, patrono da diplomacia brasileira. Como descrito na página do Instituto na internet, seus principais objetivos são:
harmonizar os conhecimentos adquiridos nos cursos universitários com a formação para a carreira diplomática (já que qualquer curso superior é válido para prestar o CACD);
desenvolver a compreensão dos elementos básicos da formulação e execução da política externa brasileira;
iniciar os alunos nas práticas e técnicas da carreira.
No Curso de Formação (cujo nome oficial é PROFA-I, Programa de Formação e Aperfeiçoamento - obs.: n~o sei o motivo do “I”, n~o existe “PROFA-II”), os diplomatas têm aulas obrigatórias de: Direito Internacional Público, Linguagem Diplomática, Teoria das Relações Internacionais, Economia, Política Externa Brasileira, História das Relações Internacionais, Leituras Brasileiras, Inglês, Francês e Espanhol. Há, ainda, diversas disciplinas optativas à escolha de cada um (como Chinês, Russo, Árabe, Tradução, Organizações Internacionais, OMC e Contenciosos, Políticas Públicas, Direito da Integração, Negociações Comerciais etc.). As aulas de disciplinas conceituais duram dois semestres. No terceiro semestre de Curso de Formação, só há aulas de disciplinas profissionalizantes. O trabalho no MRE começa, normalmente, no segundo ou no terceiro semestre do Curso de Formação (isso pode variar de uma turma para outra). É necessário rendimento mínimo de 60% no PROFA-I para aprovação (mas é praticamente impossível alguém conseguir tirar menos que isso). Após o término do PROFA-I, começa a vida de trabalho propriamente dito no MRE. Já ouvi um mito de pedida de dispensa do PROFA I para quem já é portador de título de mestre ou de doutor, mas, na prática, acho que isso não acontece mais.
Entre 2002 e 2010, foi possível fazer, paralelamente ao Curso de Formação, o mestrado em diplomacia (na prática, significava apenas uma matéria a mais). Em 2011, o mestrado em diplomacia no IRBr acabou.
Uma das atividades comuns dos estudantes do IRBr é a publicação da Juca, a revista anual dos alunos do Curso de Formação do Instituto. Segundo informações do site do IRBr, “[o] termo ‘Diplomacia e Humanidades’ define os temas de que trata a revista: diplomacia, ciências humanas, artes e cultura. A JUCA visa a mostrar a produção acadêmica, artística e intelectual dos alunos da academia diplomática brasileira, bem como a recuperar a memória da política externa e difundi-la nos meios diplomático e acadêmico”. Confira a página da Juca na internet, no endereço: http://juca.irbr.itamaraty.gov.bpt-bMain.xml.
Para saber mais sobre a vida de diplomata no Brasil e no exterior, sugiro a conhecida “FAQ do Godinho” (“FAQ do Candidato a Diplomata”, de Renato Domith Godinho), disponível para download no link: http://relunb.files.wordpress.com/2011/08/faq-do-godinho.docx. Esse arquivo foi escrito há alguns anos, então algumas coisas estão desatualizadas (com relação às modificações do concurso, especialmente). De todo modo, a parte sobre o trabalho do diplomata continua bem informativa e atual.
MEUS ESTUDOS PARA O CACD – http://relunb.wordpress.com
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.06.06 08:08 EightfoldHenry Pelo menos uma vez gostaria de dizer o que penso desses tempos tão complicados, e depois nunca mais falar sobre.

Cada dia que passa acompanho menos e menos sobre as opiniões e tento focar o máximo nas notícias — por mais chatas que sejam.
E isso porque o que vejo é a emoção se sobressaindo acima da razão. Agora, que fique claro: não acho e nem penso que seja pouco, que seja sem motivos, ou exageros de qualquer um que sinta profundamente angustiado, amargo e com raiva em tempos assim. De verdade. Eu te entendo. Leio as mesmas notícias que você, vejo meus vizinhos se tornando estatísticas, assim como você. Enfim, estamos no mesmo barco.
Mas eu acho que o que mais me chateia é o povo e a suas reações. O quão superficiais e ineficientes são. A necessidade de apontar o dedo para qualquer direção, qualquer um que possa justificar, de um jeito ou de outro, a dor sentida. O que nos fazem focar em tudo, menos nos problemas que de fato merecem nossa atenção.
O país hoje vive extremamente dividido. O ódio e intolerância mais concentrado que café de padaria às seis da manhã. De um lado, fanáticos e teimosos. Pessoas que simplesmente não querem ou não conseguem lidar com a verdade. Com o erro em seus julgamentos, com a fé perdida naqueles que acreditavam. No outro, pessoas que já não aguentam mais tanto sofrimento e estupidez por parte daqueles que deveriam nos guiar e olhar por nós.
E nesse meio todo o que mais ouço é: "X tem mais é que se foder.", "uma porra dessa tinha de estar morta", "tem que ser fuzilado para aprender, prisão é pouco."... bem, você sabe, inúmeros comentários e sentimentos desse tipo.
Vejo muito, muito disso nesse sub. Às vezes até mesmo sobre outras coisas além de política. Como no caso do MC que fez chacota de uma menininha da Disney, e o povo só faltou rasgar as roupas do corpo de tão irritadas que ficaram. E com razão. Tem razão de ficar assim. Seja na política ou nesses casos horríveis que aparecem na internet hora ou outra.
O caso mais recente, claro, George Floyd. É tão absurdo que é óbvio que alguém vai encontrar seus limites e perder a razão. Pessoas de bem e com interesses de bem se encontrarão em lugares extremamente escuros em si mesmas. E de novo: tem motivo. Não é do nada.
Mas o meu problema é que, por mais que já tenha sido uma daquelas frases que se tornaram comerciais para fazer corporações e pessoas vagas soarem cultas nas redes sociais, é uma frase extrema importante no meu ponto de vista. Que para mim, me impede de sentir qualquer impulso em agir através da raiva e indicação de forma negativa.
"Não se conserta violência com mais violência."
Da mesma forma que um erro não invalida ou justifica o outro. Da mesma forma que ódio não soluciona ódio. Como racismo não resolve racismo.
Encher o peito pra dizer e acreditar que o seu presidente tem mais que morrer, independente do quanto faça por merecer ou não, é tão ineficaz quanto o próprio presidente. Como culpar deliberadamente (me referindo a generalização) pessoas brancas e sentir raiva delas por tudo que fazem contra a comunidade negra, não resolve absolutamente nada. No máximo, te levar a fazer coisas que só reinforçaria todas as ideias e stigmas que tentar colocar em você.
São tempos onde precisamos crescer, de um jeito ou de outro, acima de tudo isso. Ser racional e não emotivo. Porque a raiva vai passar, como qualquer outro sentimento. E é justamente aí que todo mundo esquece dos mesmos problemas e vivem suas vidas.
Impeachment da Dilma, ao meu ver (de certa forma leigo até), veio disso. Não estou dizendo que ela não merecia/que não foi a melhor atitude... não quero entrar nesse mérito. Quero apontar que por mais que milhões foram nas ruas, milhões foram por emoção. Foram para tirar, como muitos a chamavam, a "puta/vadia" do poder. Esses muitos que foram se pá sabiam quem viria após e o que aconteceria após. E aconteceu. Ela saiu. E depois? O gigante acorda mas infelizmente sofre de Alzheimer. Mesmo com o PT. "Vamos tirar do poder!" Ok. Mas quem vem depois? O quê vem depois?
Bom, você sabe. E o mesmo vai acontecer, depois e depois e depois. Ficar puto com uma situação não resolve ela. Depois a raiva cansa e a pouca mudança que veio com ela é esquecida. No cansaço o povo olha pro lado, vê os mesmos problemas com novos nomes e pensa: "ah, foda-se. Político é tudo igual." e segue andando. Chega, grita, faz a merda, e não fica pra ver como termina.
Toda vez que estiver com raiva, pare e pense um pouco. Eu sei que seus parentes intolerantes enchem a porra do saco, eu sei que o Twitter parece um chorume do inferno, eu sei que o presidente e todo o governo ao redor dele è absolutamente asqueroso, eu sei que o povo prefere mastigar a merda do que assumir que fede... eu sei. Também estou aqui.
Mas por favor. Isso não vai te ajudar.
A raiva e a negatividade de tudo isso te consome. A estupidez deles te consome. Você perde dos dois lados. Eles estão te fodendo e você vai acabar fodendo a si mesmo com tudo isso.
E não falo só de bem estar. Falo também num ponto social, político. No sentido de que, quanto mais você racionaliza através dessas questões, mais você se aproxima de lidar da melhor forma com elas.
Nós como humanos temos essa necessidade de pôr esse tipo de coisa pra fora. De ter algum Judas pra apontar o dedo, de ter um cachorro morto pra chutar. É natural com todo mundo.
Mas se deixar parar aí, tudo, para todos, vai continuar absolutamente a mesma merda.
E você, que sabe e vê a irracionalidade do outro lado, vai acabar não sendo tão diferente.
E aí? O que vai adiantar bater boca com o vovô retrógrado se você só vai acabar gritando, puto, igual ele faz? Essas são questões extremamente delicadas que exigem o melhor de você sempre que lidar com elas.
Por favor. Eu sou um ninguém. Mais um merda qualquer no oceano do Tietê. Por favor: pare por dois segundos e pense. Não se deixe levar. Não vai te ajudar. Por favor.
O motivo pelo qual digo que não vou mais entrar nesse assunto é porque eu sei que não vai adiantar. Talvez hoje, talvez amanhã. Talvez para um ou outro. Mas na grande escala é uma luta colossal e perdida. Assim creio. Seria preciso outro Martin Luther King Jr. para alcançar as pessoas de um jeito que as permitam enxergar com a cabeça e não o coração. Passei a maior parte da minha vida quieto porque eu sei que a minha palavra tem um valor quase que insignificante quando de frente aos nossos impulsos.
Mas só hoje, só dessa vez. Por favor. Pare e pense por dois segundos. Seja racional, não emotivo. Eles vão escutar seus gritos mas não vão ouvir suas palavras. Sejam "eles" um grupo de pessoas, seu amigo, seus pais, sua família, um grupo no WhatsApp, uma multidão.
O tipo de gente que tenta conquistar coisas através do grito dizem muito sobre elas apenas nesse simples detalhe. E como bem sabem, é nesse tipo de situação que a gente acaba.
"Ele" vai foder seu país e a sua cabeça também? Sua família? Não, não precisa tanto. Calma. Pensa um pouco. Talvez você não salve o Brasil e a sociedade. Mas talvez alguém que está cego e sendo levado pelas emoções. Alguém que você ama, alguém que é importante para você.
Eu sei também que alguma dessas coisas soam clichês. E se tornaram. Pareço a Coca-Cola tentando fingir que se importa para vender mais uma latinha. É, eu sei. Mas passei muito dos meus anos observando, de tempos em tempos momentos como esses, e tentando encontrar alguma coisa nisso tudo. Maturidade para crescer acima. Aos poucos encontrei.
Mesmo que tenhamos opiniões diferentes pelas mais diversas coisas, ou que vivamos nos mais diferentes lugares e classes sociais: isso vale para todos nós.
Se eu tivesse a certeza que funcionasse, chegaria a implorar para que tivessem um pouco mais de calma, por mais que o momento possa te levar no extremo de seus limites. Só assim algo construtivo seria alcançado.
E eu te garanto uma coisa: colocar o Bolsonaro, seus filhos, seus comparsas, e quem quer que seja contra uma parede e fuzilar por horas, não te faria sentir nem um pouco melhor do que sente agora.
Pior. Você se sentiria pior. E todos os problemas que os cercam se tornaram piores. E tudo porque você se deixou levar.
Tome como exemplo quem já passou por isso. Terry Crews sobre seu pai.
Desculpa se ficou chato ou muito longo. Só precisava desabafar ao menos uma vez. Obrigado.
submitted by EightfoldHenry to brasil [link] [comments]


2020.05.05 11:54 ThorDansLaCroix Minha perspectiva em favor a Renda Basica Universal.

Antes de tudo eu quero dizer (aparentemente tenho que dizer) que minhas opiniões, deduções e informacoes nao sao levadas como absolutistas por mim. Caso contrário eu não estaria perdendo tempo apresentando e conversando com pessoas com perspectivas diferentes e divergentes. Dito isso:
Enquanto a maioria dos apoiadores mais eloquente do capitalismo dizem que a Renda Básica é socialismo (ou seja, dizem ser contra), a sociedade sempre emergiu ao protocapitalismo, liberdade, conhecimento, democracia e desenvolvimento quando a riqueza foi distribuída "gratuitamente" à população.
Eu vou citar alguns exemplos que tenho e então vcs me corrigem se tiverem algo para enriquecer o debate.
A China, o maior império asiático no passado, era uma sociedade que desenvolveu grandes tecnologias para sua época, comércio, indústrias, arquitetura e uma de suas principais características era o fato de as pessoas receberem terra (e sementes quando havia desastres naturais). Obviamente o governo saia ganhando pq no lugar de deixar uma pessoa pobre, improdutiva pedindo esmolas na rua e provavelmente cometendo crimes, dando o acesso a terra a pessoa ou família não só passa a ser produtiva para a sociedade mas também paga impostos.
Agora, vamos para a Grécia:
"A maior objeção dos oponentes da Renda Básica Universal é com argumento que as pessoas são intrinsecamente preguiçosas e desonradas. Dizem que quando o dinheiro é distribuído de graça, todos ficam sentados e param de trabalhar até o colapso do sistema. [...] acontece que a Grécia Antiga é um exemplo fantástico do que acontece em uma sociedade que dotou seus membros de abundância e direito. [...]
No mundo pré-moderno de uma típica cidade-estado grega, a terra era o recurso mais importante, a chave para o sustento e a segurança. A maioria das cidades-estados gregas distribuiu terras para a população de maneira a apoiar o maior número possível de famílias independentes e autossustentáveis. A democracia ateniense, que se destacava por seus extensos programas sociais, fornecia subsídios para jogos, teatro e grãos para tornar a vida mais agradável e digna. Essa vida "agradável", no entanto, não gerou um bastião de indivíduos preguiçosos que estavam inclinados a fazer o mínimo possível.
Uma das características mais marcantes da Grécia antiga é o alto nível de ação voluntária e auto-organizada. A típica cidade-estado grega não mantinha um exército ou burocracia profissional. Os cidadãos, além de administrar os assuntos locais em suas aldeias e bairros, também lutaram em batalhas e administraram o governo sem incentivo financeiro ou desespero (o pagamento de subsídios para hoplites e jurados foi introduzido em Atenas apenas para aumentar a participação dos pobres). Em Atenas, onde as pessoas tinham muita liberdade para fazer o que desejavam, a filosofia e as artes floresceram, deixando-nos uma coleção inestimável dos clássicos. De fato, temos boas evidências de um velho em particular que passava muitos dias conversando com amigos e transeuntes, em vez de provar seu valor trabalhando duro e incessantemente em seu trabalho. Caso você queira saber o nome desse "parasita", era Sócrates.
Sob um sistema que reduzia a escassez e a concorrência e aumentava a abundância e o lazer, os gregos não se tornavam apáticos e ambiciosos. Pelo contrário, nenhuma outra pessoa era tão competitiva e gostava de excelência quanto os gregos. A diferença é que, uma vez que não precisavam mais se preocupar com as necessidades básicas, canalizavam a maior parte de sua energia em competições de atletismo, criatividade e serviço público. Essas competições agonísticas de atividades não materiais enriquecem e reúnem a comunidade em vez de estabelecer "perdedores" para punição ".
https://economic-historian.com/2019/04/the-time-for-universal-basic-income-has-come/
Uma coisa que falta na citação acima é a questão da sociedade grega (pelo menos entre as famílias mais ricas) eram os escravos que faziam o trabalho quem não queriam fazer, e esse eh um dos principais motivos dos cidadãos terem tanto tempo sobrando. Mas eu volto a essa questão mais a frente.
Iluminismo e desenvolvimento do capitalismo ocidental.
A principal característica do desenvolvimento da sociedade capitalista após a Idade Média foi a emancipação dos camponeses. Note: onde eles emanciparam primeiro é onde a democracia e o capitalismo se desenvolveram primeiro e mais mais rápido.
E uma das principais características da emancipação dos camponeses na Europa Ocidental era o fato de poderem manter a terra para si onde sua família trabalha há gerações (e pertenciam antes a um proprietário feudal). As terras que antes tinham que ser protegida pelos seus proprietários e que por isso mantinham um exército privado, agora passa a ser protegido pela Nação-estado e seu exército/polícia, permitindo que pequenos e médios agricultores emancipados tivessem suas terras seguras. (Ver Origens do Totalitarismo por Hannah Arendt).
Na Europa Oriental, os camponeses não mantinham a terra para si mesmos e foram emancipados muito mais tarde; assim, a democracia e o capitalismo também se desenvolveram mais tarde e os antigos senhores feudais se tornaram os poderosos políticos no Estado-Nação. (O que eu suponho que tenha algumas semelhanças com o que aconteceu no Brasil).
A era colonial
É muito clara a diferença de desenvolvimento social, político e econômico entre os países onde a terra foi distribuída às famílias (como nos EUA, Austrália e no Canadá), comparado com onde enormes quantidades de terras foram dada a alguns amigos do Rei e ao restante da população (a maioria) eram trabalhadores sem terra própria (como nas colônias espanhola e portuguesa).
Hoje em dia
Regiões na América do Sul, onde houve certa distribuição de terras para a população no passado (especialmente para os pobres), são as regiões onde tendeu um melhor desenvolvimento político, social e econômico.
Adivinhe quais são as principais características de um declínio da sociedade? O que causou o declínio da sociedade grega, chinesa, romana e o que aparentemente está causando as crises sócio-político-econômico de hoje é a concentração de riqueza nas mãos de poucos, sem o acesso da população a tais. Basta olhar para a Idade Média, onde a população teve que trabalhar na terra de poderosos proprietários. Ou hoje nos países pobres e em desenvolvimento em que a maioria da população mal beira a classe média. E mesmo nos países desenvolvidos hoje em que os salários estão estagnados a aproximadamente 40 anos.
Eu falei antes que eu iria voltar a questão da escravidão que estava engrenada na característica social, cultural e econômica da Grécia e Roma. Ao meu ver, da mesma forma que a consolidação da doutrina do trabalho (ver a Ética protestante e o Espírito do Capitalismo de Max Weber) foi uma as coisas mais importante para abolir a escravidão, eu suponho que a automação propicia a abolição da doutrina do trabalho, pq ambos nao tem como se desenvolverem juntos a não ser com pesados subsídios industriais e agrícolas junto com o dumping comercial para manter empregos, como acontece nos países desenvolvidos. Entao pq nao acabar com a doutrina do trabalho e parar de injetar dinheiro a empresas para produzirem além de uma demanda existente, o que faz com que governos tenham que criar demandas artificialmente com mais dinheiro a ser investido em projetos de especulação urbana desnecessária, além de dumping comercial que prejudica imensamente os países mais pobres, e simplesmente coloca esse dinheiro diretamente na mão dos cidadãos, para criar uma demanda real e uma produção real a uma demanda (o que muito provavelmente acabará ou amenizar as bolhas e crises econômicas que vem sendo tão frequente, e os conflitos entre nações para ganhar o mercado um do outro para dumping comercial.
"Fascinante como definimos independência como sendo fazer coisas para outra pessoa por dinheiro. Contanto que possamos encontrar alguém para nos pagar, somos auto-suficientes. Isso é na verdade uma dependência de outras pessoas. Todos dependemos de clientes de alguma forma. Clientes são os verdadeiros criadores de emprego e a Renda Universal os criaria.
Quando você trabalha por conta própria ou é dono de seu próprio negócio, o que vc se importa é os clientes e o que você não liga é a origem do dinheiro deles. Ninguém pergunta se seus clientes "trabalharam" pelo dinheiro antes de aceitá-lo. O que importa é que eles têm dinheiro para serem clientes. " Twitter @scottsatens
Eu penso que as pessoas com uma renda básica vai continuar trabalhando. Seja para ajudar a sua comunidade tal como foi por muito tempo a cultura americana, em que os cidadãos do bairro ajudam a reformar a escola, a igreja, a biblioteca e prezam pelo trabalho voluntário. E mesmo hoje, durante a quarentena, tem pais dando aulas as crianças de seus vizinhos no quintal, como forma de trabalho social voluntário, e essa eh a verdadeira raiz patriótica Americana que muitos brasileiros que batem continência a bandeira Americana não carregam como princípio, pq nos países em que o auto determinismo foi mais limitado à população pela falta de acesso à riqueza (terras), ser servido e não servir passou a ser o simbólico do sucesso.
Mas o que eu quero dizer com tudo isso, é que as pessoas tendo a opção de nao servir e escolher a quem servir, buscando as melhores condições de trabalho e sentido em seu trabalho, que passa a ser não o dinheiro para sobreviver mas sim ao trabalho procreativo social, empresas em geral terão que oferecer as melhores condições ou serão obrigadas a investir em automação o quanto possível. E eu vejo isso como positivo.
Portanto, dar dinheiro de graça, como era a terra no passado, é o que desenvolve uma sociedade com melhor cultura política, economia, melhor participação social e melhor capitalismo.
Eu nao ligo qual sistema econômico vivemos desde que o sistema consiga se adaptar a simbiose social e tecnológica, ao invés de estagnar tal sociedade por falta de capacidade adaptativa. Até mesmo pq todo sistema cai naturalmente quando não se adapta a sociedade que está sempre em constante transformação.
Eu penso que eh por isso mesmo mais e mais pessoas que defendem o capitalismo estão começando a defender a implementação da Renda básica Universal (veja o Andrew Jang por exemplo). Pq sabem que não podemos fingir que ainda estamos no século XX em um sistema estagnado que só causará decadência e colapso social. E penso que muita gente se torna conservadora com medo que tais mudancas levem a outro sistema (ou para ser mais espeficico, com medo e acresitando que mudancas irao levar ao socialismo/comunismo).
Observacao: Como sempre e mais uma vez, estou apresentando a minha perspectiva para obter as observações que possam corrigir ou agregar algo, para melhor entender as coisas e as pessoas. E como sempre eu sei que tem muita gente que ficará ofendida e estressada por discordar de algo. Então antes de responder no impulso emotivo com ad hominem e ofensas, talvez ganhem o conforto emocional do apoio de alguns, mas a mim e a discussão tais atitudes tóxicas apenas servem para empobrecer o ambiente e confirmar o despreparo em lidar com as próprias frustrações.
submitted by ThorDansLaCroix to brasilivre [link] [comments]


2020.05.05 11:38 ThorDansLaCroix Meu ponto de vista em favor a Renda Basica Universal.

Antes de tudo eu quero dizer (aparentemente tenho que dizer) que minhas opiniões, deduções e informacoes nao sao levadas como absolutistas por mim. Caso contrário eu não estaria perdendo tempo apresentando e conversando com pessoas com perspectivas diferentes e divergentes. Dito isso:
Enquanto a maioria dos apoiadores mais eloquente do capitalismo dizem que a Renda Básica é socialismo (ou seja, dizem ser contra), a sociedade sempre emergiu ao protocapitalismo, liberdade, conhecimento, democracia e desenvolvimento quando a riqueza foi distribuída "gratuitamente" à população.
Eu vou citar alguns exemplos que tenho e então vcs me corrigem se tiverem algo para enriquecer o debate.
A China, o maior império asiático no passado, era uma sociedade que desenvolveu grandes tecnologias para sua época, comércio, indústrias, arquitetura e uma de suas principais características era o fato de as pessoas receberem terra (e sementes quando havia desastres naturais). Obviamente o governo saia ganhando pq no lugar de deixar uma pessoa pobre, improdutiva pedindo esmolas na rua e provavelmente cometendo crimes, dando o acesso a terra a pessoa ou família não só passa a ser produtiva para a sociedade mas também paga impostos.
Agora, vamos para a Grécia:
"A maior objeção dos oponentes da Renda Básica Universal é com argumento que as pessoas são intrinsecamente preguiçosas e desonradas. Dizem que quando o dinheiro é distribuído de graça, todos ficam sentados e param de trabalhar até o colapso do sistema. [...] acontece que a Grécia Antiga é um exemplo fantástico do que acontece em uma sociedade que dotou seus membros de abundância e direito. [...]
No mundo pré-moderno de uma típica cidade-estado grega, a terra era o recurso mais importante, a chave para o sustento e a segurança. A maioria das cidades-estados gregas distribuiu terras para a população de maneira a apoiar o maior número possível de famílias independentes e autossustentáveis. A democracia ateniense, que se destacava por seus extensos programas sociais, fornecia subsídios para jogos, teatro e grãos para tornar a vida mais agradável e digna. Essa vida "agradável", no entanto, não gerou um bastião de indivíduos preguiçosos que estavam inclinados a fazer o mínimo possível.
Uma das características mais marcantes da Grécia antiga é o alto nível de ação voluntária e auto-organizada. A típica cidade-estado grega não mantinha um exército ou burocracia profissional. Os cidadãos, além de administrar os assuntos locais em suas aldeias e bairros, também lutaram em batalhas e administraram o governo sem incentivo financeiro ou desespero (o pagamento de subsídios para hoplites e jurados foi introduzido em Atenas apenas para aumentar a participação dos pobres). Em Atenas, onde as pessoas tinham muita liberdade para fazer o que desejavam, a filosofia e as artes floresceram, deixando-nos uma coleção inestimável dos clássicos. De fato, temos boas evidências de um velho em particular que passava muitos dias conversando com amigos e transeuntes, em vez de provar seu valor trabalhando duro e incessantemente em seu trabalho. Caso você queira saber o nome desse "parasita", era Sócrates.
Sob um sistema que reduzia a escassez e a concorrência e aumentava a abundância e o lazer, os gregos não se tornavam apáticos e ambiciosos. Pelo contrário, nenhuma outra pessoa era tão competitiva e gostava de excelência quanto os gregos. A diferença é que, uma vez que não precisavam mais se preocupar com as necessidades básicas, canalizavam a maior parte de sua energia em competições de atletismo, criatividade e serviço público. Essas competições agonísticas de atividades não materiais enriquecem e reúnem a comunidade em vez de estabelecer "perdedores" para punição ".
https://economic-historian.com/2019/04/the-time-for-universal-basic-income-has-come/
Uma coisa que falta na citação acima é a questão da sociedade grega (pelo menos entre as famílias mais ricas) eram os escravos que faziam o trabalho quem não queriam fazer, e esse eh um dos principais motivos dos cidadãos terem tanto tempo sobrando. Mas eu volto a essa questão mais a frente.
Iluminismo e desenvolvimento do capitalismo ocidental.
A principal característica do desenvolvimento da sociedade capitalista após a Idade Média foi a emancipação dos camponeses. Note: onde eles emanciparam primeiro é onde a democracia e o capitalismo se desenvolveram primeiro e mais mais rápido.
E uma das principais características da emancipação dos camponeses na Europa Ocidental era o fato de poderem manter a terra para si onde sua família trabalha há gerações (e pertenciam antes a um proprietário feudal). As terras que antes tinham que ser protegida pelos seus proprietários e que por isso mantinham um exército privado, agora passa a ser protegido pela Nação-estado e seu exército/polícia, permitindo que pequenos e médios agricultores emancipados tivessem suas terras seguras. (Ver Origens do Totalitarismo por Hannah Arendt).
Na Europa Oriental, os camponeses não mantinham a terra para si mesmos e foram emancipados muito mais tarde; assim, a democracia e o capitalismo também se desenvolveram mais tarde e os antigos senhores feudais se tornaram os poderosos políticos no Estado-Nação. (O que eu suponho que tenha algumas semelhanças com o que aconteceu no Brasil).
A era colonial
É muito clara a diferença de desenvolvimento social, político e econômico entre os países onde a terra foi distribuída às famílias (como nos EUA, Austrália e no Canadá), comparado com onde enormes quantidades de terras foram dada a alguns amigos do Rei e ao restante da população (a maioria) eram trabalhadores sem terra própria (como nas colônias espanhola e portuguesa).
Hoje em dia
Regiões na América do Sul, onde houve certa distribuição de terras para a população no passado (especialmente para os pobres), são as regiões onde tendeu um melhor desenvolvimento político, social e econômico.
Adivinhe quais são as principais características de um declínio da sociedade? O que causou o declínio da sociedade grega, chinesa, romana e o que aparentemente está causando as crises sócio-político-econômico de hoje é a concentração de riqueza nas mãos de poucos, sem o acesso da população a tais. Basta olhar para a Idade Média, onde a população teve que trabalhar na terra de poderosos proprietários. Ou hoje nos países pobres e em desenvolvimento em que a maioria da população mal beira a classe média. E mesmo nos países desenvolvidos hoje em que os salários estão estagnados a aproximadamente 40 anos.
Eu falei antes que eu iria voltar a questão da escravidão que estava engrenada na característica social, cultural e econômica da Grécia e Roma. Ao meu ver, da mesma forma que a consolidação da doutrina do trabalho (ver a Ética protestante e o Espírito do Capitalismo de Max Weber) foi uma as coisas mais importante para abolir a escravidão, eu suponho que a automação propicia a abolição da doutrina do trabalho, pq ambos nao tem como se desenvolverem juntos a não ser com pesados subsídios industriais e agrícolas junto com o dumping comercial para manter empregos, como acontece nos países desenvolvidos. Entao pq nao acabar com a doutrina do trabalho e parar de injetar dinheiro a empresas para produzirem além de uma demanda existente, o que faz com que governos tenham que criar demandas artificialmente com mais dinheiro a ser investido em projetos de especulação urbana desnecessária, além de dumping comercial que prejudica imensamente os países mais pobres, e simplesmente coloca esse dinheiro diretamente na mão dos cidadãos, para criar uma demanda real e uma produção real a uma demanda (o que muito provavelmente acabará ou amenizar as bolhas e crises econômicas que vem sendo tão frequente, e os conflitos entre nações para ganhar o mercado um do outro para dumping comercial.
"Fascinante como definimos independência como sendo fazer coisas para outra pessoa por dinheiro. Contanto que possamos encontrar alguém para nos pagar, somos auto-suficientes. Isso é na verdade uma dependência de outras pessoas. Todos dependemos de clientes de alguma forma. Clientes são os verdadeiros criadores de emprego e a Renda Universal os criaria.
Quando você trabalha por conta própria ou é dono de seu próprio negócio, o que vc se importa é os clientes e o que você não liga é a origem do dinheiro deles. Ninguém pergunta se seus clientes "trabalharam" pelo dinheiro antes de aceitá-lo. O que importa é que eles têm dinheiro para serem clientes. " Twitter @scottsatens
Eu penso que as pessoas com uma renda básica vai continuar trabalhando. Seja para ajudar a sua comunidade tal como foi por muito tempo a cultura americana, em que os cidadãos do bairro ajudam a reformar a escola, a igreja, a biblioteca e prezam pelo trabalho voluntário. E mesmo hoje, durante a quarentena, tem pais dando aulas as crianças de seus vizinhos no quintal, como forma de trabalho social voluntário, e essa eh a verdadeira raiz patriótica Americana que muitos brasileiros que batem continência a bandeira Americana não carregam como princípio, pq nos países em que o auto determinismo foi mais limitado à população pela falta de acesso à riqueza (terras), ser servido e não servir passou a ser o simbólico do sucesso.
Mas o que eu quero dizer com tudo isso, é que as pessoas tendo a opção de nao servir e escolher a quem servir, buscando as melhores condições de trabalho e sentido em seu trabalho, que passa a ser não o dinheiro para sobreviver mas sim ao trabalho procreativo social, empresas em geral terão que oferecer as melhores condições ou serão obrigadas a investir em automação o quanto possível. E eu vejo isso como positivo.
Portanto, dar dinheiro de graça, como era a terra no passado, é o que desenvolve uma sociedade com melhor cultura política, economia, melhor participação social e melhor capitalismo.
Eu nao ligo qual sistema econômico vivemos desde que o sistema consiga se adaptar a simbiose social e tecnológica, ao invés de estagnar tal sociedade por falta de capacidade adaptativa. Até mesmo pq todo sistema cai naturalmente quando não se adapta a sociedade que está sempre em constante transformação.
Eu penso que eh por isso mesmo mais e mais pessoas que defendem o capitalismo estão começando a defender a implementação da Renda básica Universal (veja o Andrew Jang por exemplo). Pq sabem que não podemos fingir que ainda estamos no século XX em um sistema estagnado que só causará decadência e colapso social. E penso que muita gente se torna conservadora com medo que tais mudancas levem a outro sistema (ou para ser mais espeficico, com medo e acresitando que mudancas irao levar ao socialismo/comunismo).
Observacao: Como sempre e mais uma vez, estou apresentando a minha perspectiva para obter as observações que possam corrigir ou agregar algo, para melhor entender as coisas e as pessoas. E como sempre eu sei que tem muita gente que ficará ofendida e estressada por discordar de algo. Então antes de responder no impulso emotivo com ad hominem e ofensas, talvez ganhem o conforto emocional do apoio de alguns, mas a mim e a discussão tais atitudes tóxicas apenas servem para empobrecer o ambiente e confirmar o despreparo em lidar com as próprias frustrações.
submitted by ThorDansLaCroix to brasil [link] [comments]


2020.02.24 10:30 EquilibriumKyrieL Lei da gravitação universal — Tréplica

“1º ponto: Não. Método dedutivo pode no máximo dar uma pista do que NÃO serve, mas nunca para confirmar o que serve. Pra isso você precisa de cálculos, e continuarei exigindo cálculos. Por exemplo, o método dedutivo pode permitir deduzir que um cavalo (o animal mesmo, não a unidade de potência) consegue acelerar um carro de 0 a 100 em 10 segundos, afinal, ele consegue acelerar coisas. Você precisa de cálculos pra verificar que essa ideia é absurda.”
Tu não entendeu o que eu escrevi claramente de modo inequívoco ou não entendeu um método muito bem explicado como o dedutivo.
O que não serviria com eficiência em um modo científico seria o método indutivo.
Os argumentos dedutivos são aqueles em que as premissas fornecem um fundamento definitivo da conclusão, enquanto nos indutivos as premissas proporcionam somente alguma fundamentação da conclusão, mas não uma fundamentação conclusiva, identificando dessa maneira os conceitos de dedução e raciocínio válido, do termo validade (também chamada verdade lógica, verdade analítica, ou verdade necessária).
Uma outra maneira de expressar essa diferença é dizer que numa dedução é impossível que as premissas sejam verdadeiras e a conclusão falsa, mas no raciocínio indutivo, no sentido forte, isso é possível, mas pouco provável. Num raciocínio dedutivo a informação da conclusão já está contida nas premissas, de modo que se toda a informação das premissas é verdadeira, a informação da conclusão também deverá ser verdadeira. No raciocínio indutivo a conclusão contém alguma informação que não está contida nas premissas, ficando em aberto a possibilidade de que essa informação a mais cause a falsidade da conclusão apesar das premissas verdadeiras.
Um exemplo disso é uma própria citação sua no vídeo Desmistificando a Teoria da Terra Plana:
“Se A é sustentado na existência de B, não pode-se usar A para provar a inexistência de B.”
Outro exemplo, usando a dedução apresentemos uma forma lógica válida:
"TODO X é Y. Z é X. Logo, Z é Y."
Veja que as duas premissas obedecem a uma forma lógica válida. Se a conclusão for “Logo, Z é Y”, então temos uma dedução.
O Método indutivo que não serve para confirmar o que serve.
Para se apresentar a dedução, antes é preciso uma observação quantitativa (elemento do conjunto da Caracterização do Método científico).
Argumentos dedutivos são avaliados em termos de sua validade e solidez.
Corrigindo o que foi escrito, na verdade eu não usei o Método dedutivo e sim o hipotético-dedutivo, que consiste na construção de conjeturas baseada nas hipóteses, isto é, caso as hipóteses sejam verdadeiras, as conjeturas também serão. Por isso as hipóteses devem ser submetidas a testes, os mais diversos possíveis, à crítica intersubjetiva, ao controle mútuo pela discussão crítica, à publicidade (sujeitando o assunto à novas críticas) e ao confronto com os fatos, para verificar quais são as hipóteses que persistem como válidas resistindo às tentativas de falseamento, sem o que seriam refutadas. É um método com consequências, que leva a um grau de certeza igual ao das hipóteses iniciais, assim o conhecimento absolutamente certo e demonstrável é dependente do grau de certeza da hipótese.
A sua estrutura é:
1. Fazer observações;
2. Organizar as observações em hipóteses;
3. Testar essas hipóteses em observações anteriores;
4. Modificar as hipóteses originais, se assim se fizer necessário;
5. Fazer previsões baseadas nas hipóteses;
6. Testar conclusões (Dedução).
“2º ponto: agora apresente os cálculos, e me mostre como encontrar todos os valores que você utilizar em seus cálculos.”
Tenho que dizer que tu é muito preguiçoso hein Satanael, eu demorei muito tempo pra encontrar isso mas encontrei kkkkkj, mas se tu tem realmente interesse devia pesquisar de modo independente man.
Essas são as fontes de tudo que tinha escrito naquele Reply e não sabia se era Realmente verdade mas depois de pesquisar e analisar trabalhos científicos, dissertações, textos, artigos, revistas que explicavam isso consegui saber que é realmente verdade.
Se você acredita ou não é irrelevante, isso é um fato científico último.
Fontes:
https://teses.usp.bteses/disponiveis/3/3138/tde-17012008-110654/publico/dissertacao.pdf
Variação do nível do mar — técnicas para a avaliação (São Paulo - SP - 2007)
http://www.scielo.bpdf/rbef/v23n4/v23n4a04.pdf
Introdução à Supercondutividade, suas Aplicações e a Mini-Revolução Provocada Pela Redescoberta do MgB2: Uma Abordagem Didática
(Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 23, no. 4, Dezembro, 2001)
Nesse primeiro é confirmado que, o nível do mar encontra-se em constante variação e a determinação do seu valor médio envolve diversos fatores de conjuntura global que agem em escalas de tempo diferentes, desde algumas horas como as marés (terrestres, oceânicas e atmosféricas), até alguns milhares ou milhões de anos como a modificação de uma bacia oceânica sob ação de movimentos tectônicos e de sedimentação. Certamente, em uma escala de tempo menor, os principais fatores que influenciam estão ligados às variações climáticas. Porém, quando, durante um determinado período de tempo, movimentos aleatórios e periódicos são removidos, um valor estável é obtido: o NMM.
A água que compõe o oceano possui propriedades físicas e químicas importantes para o estudo em questão como a densidade, a salinidade, a temperatura e a pressão. Tais variáveis, ao sofrerem alterações, modificam o volume de massa oceânica, em razão da relação que existe entre elas; a densidade da água do mar depende da salinidade, da temperatura e da pressão. Ela diminui quando a temperatura aumenta, e aumenta com a elevação da salinidade e da pressão. Esta, por sua vez, aumenta com a profundidade. Quanto menor a densidade da água, maior será o volume por ela ocupado. Logo, um decréscimo em sua densidade causa um aumento do nível do mar. Se a temperatura da água tivesse um aumento médio de 1º C sobre uma camada de 4000 metros, produziria um aumento no nível de 60 cm. Da mesma forma, uma variação de 0,4% na salinidade faria este mesmo efeito.
No segundo está escrito que, em janeiro de 2001, a comunidade científica é sacudida novamente com a descoberta da supercondutividade no composto metálico MgB2, a 39.2 K. Nada menos que 16 K maior que qualquer composto metálico até então conhecido. Para melhor apreciar a importância desta descoberta e como ela está revolucionando o estudo da supercondutividade, é especificado com mais detalhes algumas características dos supercondutores e algumas de suas aplicações.
Os supercondutores são divididos em dois tipos, de acordo com suas propriedades específicas. Os supercondutores do Tipo 1 são formados principalmente pelos metais e por algumas ligas e, em geral, s~ao condutores de eletricidade da temperatura ambiente. Eles possuem um Tc extremamente baixo, que, segundo a teoria BCS, seria necessário para diminuir as vibrações dos átomos do cristal e permitir o fluxo sem dificuldades dos elétrons pelo material, produzindo assim a supercondutividade. Os supercondutores desse tipo foram os primeiros a serem descobertos e os cientistas verificaram que a transição para o estado supercondutor a baixa temperatura tinha características peculiares: ela acontecia abruptamente, veja Fig. 2(a), e era acompanhada pelo efeito Meissner. Esse efeito, que talvez seja a característica mais famosa dos supercondutores, é a causa da levitação magnética de um imã, por exemplo, quando é colocado sobre um pedaço de supercondutor. A explicação para o fenômeno está na repulsão total dos campos magnéticos externos pelos supercondutores do Tipo 1, o que faz com que o campo magnético interno seja nulo, desde que o campo externo aplicado n~ao seja muito intenso. A maioria dos materiais, como vidro, madeira e água, também repele campos magnéticos externos, o que faz com que o campo no interior deles seja diferente do campo externo aplicado. Esse efeito é chamado de diamagnetismo e tem sua origem no movimento orbital dos elétrons ao redor dos átomos, que cria pequenos “loopings" de correntes. Elas, por sua vez, criam campos magnéticos, segundo as leis da eletricidade e magnetismo e, com a aplicação de campo magnético externo tendem a se alinhar de tal forma que se oponham ao campo aplicado. No caso dos condutores, além do alinhamento do movimento orbital dos elétrons, correntes de blindagem são induzidas no material e cancelam parte do campo magnético no seu interior. Se considerarmos um condutor ideal, ou seja, que não apresenta resistência à corrente elétrica, o cancelamento do campo é total, caracterizando o chamado “diamagnetismo perfeito". Nos supercondutores do Tipo 1, o cancelamento do campo magnético interno também é total, porém esse comportamento é distinto do diamagnetismo perfeito. Como podemos ver na Fig. 3, os supercondutores do Tipo 1, no estado supercondutor, possuem campo magnético nulo no seu interior mesmo no caso de o campo magnético externo ser diferente de zero antes da transição supercondutora, diferente do comportamento de um condutor ideal.
“3º ponto: replicações do experimento de Bedford conseguiram encontrar a curvatura. O Martins, sendo a anta que ele é, conseguiu encontrar a curvatura nas ilhas de Sentinela, como mostrei no meu vídeo.”
Se no primeiro experimento de Bedford, Samuel Rowbotham comprovou que o barco e a bandeira eram perfeitamente visíveis durante todo o trajeto mas as replicações comprovaram o contrário, o que tem que ser feito?
“Dependendo do método de amostragem a amostra pode ser fisicamente diferente, ou seja, os dados estão sujeitos a variações do acaso, pois as condições não são completamente homogêneas, isso quer dizer que elas não podem ser controladas ou observadas.”
“Nesse sentido, a repetição é um dos princípios da experimentação que tem a finalidade de controlar a variabilidade do meio, quanto maior o número de repetições de um experimento, menor probabilidade de erro ele tem e menos sensível a valores extremos.”
Nesse caso devem ser feitos outros experimentos mas não no mesmo local, preferencialmente qualquer outro local aleatório no mundo, e isso já foi feito diversas vezes por várias pessoas no mundo inteiro, para determinar qual é a verdade.
E em todos esses outros experimentos, em locais diferentes, a conclusão é a mesma. Não há curvatura.
Um documentário bem interessante registrou diversos experimentos por um grupo de pesquisadores para determinar definitivamente se há ou não curvatura nas águas que concluíram que não há nenhuma curva. Mas os fenômenos ópticos existem, que eles atribuíram inicialmente ao efeito Fata Morgana, que é a refração da luz nas camadas da atmosfera.
É o documentário da Terra Convexa.
Ele foi enviado no YouTube quase 1 anos depois do teu vídeo Desmistificando a Teoria da Plana.
“4º ponto: segundo uma coisa chamada força resultante, a força que prevalece é igual à soma vetorial de todas as forças em jogo. Você consegue vencer o campo gravitacional exercendo uma força maior em sentido contrário, ou exercendo forças em outros sentidos cuja resultante ainda vá apontar para cima. Faça os cálculos e mostre porque isso é impossível.”
Eu não afirmei que é impossível um corpo se movimentar verticalmente.
Eu afirmei que não existe uma força que está intervindo sobre ele empurrando-o para o centro da Terra, impedindo de se movimentar.
Vamos usar os conhecimentos adquiridos estudando Mecânica clássica, das definições corretas e já confirmadas.
Em física, a energia cinética em um objeto é a energia que ele possui devido ao seu movimento. Isto é definido como o trabalho necessário para acelerar um corpo de massa em repouso para que este adquira velocidade. Tendo ganho essa energia durante a aceleração, o corpo mantém essa energia cinética a menos que a sua velocidade mude. A mesma quantidade de trabalho é produzido por um corpo desacelerando da sua velocidade atual para um estado de repouso.
No seu vídeo Desmistificando a Teoria da Terra Plana você diz:
“Mas uma coisa é decorrência direta de outra, você não pode desconsiderar a Gravidade e usar apenas a Lei da densidade ou Lei da flutuabilidade, porque isso não existe.”
Se você quis dizer que não é possível desconsiderar a Gravidade, sua afirmação não é correta.
Se você quis dizer que a Densidade não existe, também não está correto.
O que não existe é uma força gravitacional que ainda nem foi comprovada. Vamos parar de repetir tanta mentira, está claro que isso não existe.
“O que faz corpos flutuarem ou afundarem em um fluido é a força resultante no sistema, que é decorrência da densidade e permite que tal relação seja sustentada.”
A força resultante é igual à energia cinética uma vez que sua definição é: uma grandeza que tem a capacidade de vencer a inércia de um corpo, modificando-lhe a velocidade (seja na sua magnitude ou direção, já que se trata de um vetor).
E essa definição é a mesma da Energia cinética, que é definida como o trabalho necessário para acelerar um corpo de massa em repouso para que este adquira velocidade.
Na verdade, para um corpo se movimentar vertical ou horizontalmente ele precisa vencer apenas a inércia (não a inércia e a força gravitacional) transformando sua Energia potencial (Ep) em Energia cinética (Ec).
“A resultante também é da decorrência de aceleração que, no caso, corresponde à aceleração gravitacional. A sustentação do fato utilizado como base para o argumento é baseada na existência da aceleração gravitacional, fator esse que o mesmo desconsiderou.”
A Força gravitacional ainda não foi comprovada, então é possível desconsiderá-la ou mesmo acreditar que ela nunca existiu.
A força resultante não é decorrente da aceleração gravitacional, porque ela não existe, é da aceleração do próprio corpo de massa em repouso, através da transformação da sua Energia potencial em Energia cinética, adquirindo velocidade e podendo assim movimentar-se vertical ou horizontalmente.
Nada disso que estou escrevendo é ''fabricado'' ou invenção. Tudo isso já está muito bem documentado e confirmado. O que existe é uma confusão gigantesca na comunidade científica.
Alguns dizem que na verdade a comunidade está dividida e outros dizem que está totalmente submissa e vai continuar repetindo mentiras.
Aqui está o Cálculo da Energia cinética (Ec):
https://nateneaver.tumblr.com/image/190995322386
“5° ponto: mostra que a observação “não apenas perturba o que deve ser medido, mas também o produz.” está a anos luz de distância (sentido figurado) de provar que a ligação entre A ligação Mente (Consciência) e Corpo (Matéria) sempre existiu. Você ainda precisa explicar exatamente como ela funciona pra poder usá-la. A experiência da dupla fenda demonstra que a luz tem o caráter de partícula e ondulatório simultaneamente, e essa sua conclusão só aparece quando se considera que a luz é unicamente uma partícula.”
Verdade. Essa experiência não comprova definitivamente se a Mente (consciência) realmente existe e como ela funciona.
De uma forma geral, a ciência moderna estuda o homem sem fazer referências a uma alma imaterial, uma vez que, se existe, não pode ser observada nem medida pelos instrumentos atuais. Apesar disso, alguns cientistas têm tentado encontrar evidências da existência e da natureza da alma humana. Muitas das pesquisas científicas nesse assunto vão em direção das experiência de quase-morte, porém não existem provas conclusivas para a ciência moderna de que realmente os pacientes saíram do próprio corpo, ou se sofreram de alucinações.
Há também alguns cientistas como Ian Stevenson e Brian Weiss que conduziram estudos de caso sobre crianças narrando experiências anteriores ao nascimento, e que poderiam sugerir uma possibilidade de reencarnação (portanto, existência da alma), embora não tenham demonstrado pelo processo científico como isto poderia ocorrer.
Mas ainda não se pode afirmar definitivamente e saber como comprovar que a Mente (consciência) existe ou não, mesmo tendo muitas evidências de que existe muito mais além da matéria inanimada.
Se tu tiver mais interesse eu conheço evidências e uma forma de comprovar que existe ou não algo oposto da Matéria.
Mas não vou escrever ainda sobre isso, porque levariam horas de discussão.
“6º ponto: publique o modelo matemático.”
Tudo que necessita-se para um modelo sem a força gravitacional já existe, o que falta é estruturá-lo ordenadamente e defini-lo em um Tratado.
Até agora não foi comprovado a existência dessa força e assim como aqueles que acreditam nisso estão esperando o manifesto de um novo modelo, nós também aguardamos a detecção de um gráviton para comprovar a força gravitacional.
A questão agora é quem vai conseguir primeiro.
Pelo menos nós ainda podemos criar um novo modelo mas se um gráviton não existir não há como esse modelo continuar sustentável.
“7º ponto: se o conceito não se funde, isso ainda não o invalida, da mesma forma que o fóton não invalida a natureza ondulatória da luz.”
A natureza da Luz já está confirmada e todas as definições foram confirmadas mesmo ela sendo uma dualidade onda-partícula.
Mas a força gravitacional precisa de um mediador (gráviton) para poder confirmar sua existência. E isso ainda não foi comprovado.
Então o que existe até agora são apenas três forças fundamentais, suas respectivas partículas elementares e seus Férmions fundamentais.
Tudo ou mais é conversa fiada.
“8° ponto: eu não disse que não há uma conspiração (isso é assunto pra outra hora). Eu disse que explicações como a sua não são ridicularizadas por nenhuma conspiração, mas porque elas não tem rigor científico. Cálculos são parte do rigor científico.”
Tu escreveu que a razão pela qual explicações parecidas não são levadas a sério não envolve nenhum tipo de conspiração, mas simplesmente porque elas demonstram um entendimento superficial dos assuntos que pretendem refutar, tão superficial que não considera todas as variáveis envolvidas (como a força centrífuga nas marés ou o empuxo no voo).
Mas a conspiração que impede que a informação possa chegar à toda a população.
Até que não seja criado um novo modelo e toda a verdade esclarecida a Comunidade científica vai continuar submissa repetindo as mesmas conversas fiadas.
E foi isso que te perguntei.
Se nós provarmos que existe uma conspiração e que é possível vencê-la pela nossa própria vontade tu nos ajudaria a criar um novo modelo e esclarecer toda a verdade.
Eu fico discutindo com pessoas que têm os mesmos interesses que o teu porque eu acredito que essas pessoas não são tão alienadas como a maioria e que elas vão procurar e encontrar a verdade.
Eu discuto contigo porque considero pessoalmente que tu é bem informado e não manipulado e que, se souber a verdade vai saber o que fazer.
Não é possível aceitar ou negar. Porque é independente de qualquer opinião ou convicção própria. Ainda podemos apenas observar as Leis da realidade de tudo que existe.
Mas eu também to tentando descobrir como podemos modificar a Leis fundamentais da Natureza e criar uma nova realidade. E claro que isso é bem complexo. Mas é possível, só não sei COMO que se pode fazê-lo.
submitted by EquilibriumKyrieL to fabricadenoobs [link] [comments]


2020.01.20 04:44 MinistroPauloCats Uma breve história da nova direita


Meses atrás fiz um esforço por aqui de rascunhar um pouco das origens da nova direita. Como participei involuntariamente de sua pré-história, sendo observador em certa medida privilegiado, e como não via ninguém parecendo interessado em contar essa história direito, tentando entender como que aquilo deu nisso, decidi ao menos relatar o que testemunhei, esperando que outros, tendo vivido mais e melhor desse processo, também fizessem o mesmo.

Com imensa alegria li nesta semana o relato de Lucas Mafaldo , doutor em Filosofia pela UFRN e pós-doutorando na Universidade de Ottawa, no Canadá, publicado em seu perfil pessoal no twitter, fazendo um registro dessa história conforme a viveu e a compreende. Para minha sorte, foi justamente o pedaço da história que não conhecia de perto, sobre o movimento liberal. Com sua permissão, trago seu relato para cá, acrescentando àquelas colunas um pouco mais dessa história e na semana que vem publico uma breve entrevista com o autor:

Uma história oral da nova direita

Embora o governo Bolsonaro esteja prestes a completar seu primeiro ano, eu ainda estou espantado com a rapidez do crescimento da nova direita. Há apenas alguns anos, a direita brasileira consistia em apenas um punhado de políticos e uma dezena de iniciativas pulverizadas. Hoje ela está no centro do debate público brasileiro.

Infelizmente, um efeito colateral desse rápido crescimento é que essas transformações ainda não puseram ser digeridas pela consciência nacional. Por isso, boa parte das disputas supostamente ideológicas da atualidade são apenas variações retóricas que misturam disputa por protagonismo pessoal e confusões conceituais.

Para ajudar a enxergar o cenário atual com um pouco mais de clareza, decidi contribuir com o esforço do Franscisco Escorsim em rastrear a história desse movimento. Eu tive o privilégio de poder testemunhar diretamente alguns dos capítulos dessa história e de ter sido próximo de alguns dos seus protagonistas. Escrevi as anotações seguintes para compartilhar algumas intuições que tive sobre esse processo – e, é claro, para incentivar os outros a contarem seus pedaços da história, para ampliarmos a nossa visão do conjunto.

Fase argumentativa (2004-2008)

Como o @ FEscorsim conta na ótima série dele para a Gazeta do Povo, a coisa toda começou com um punhado de blogs interessados em cultura. A "nova direita" começa com um punhado de autores que não apenas não tinham um agenda política em comum, como muitos não tinham, aliás, agenda política alguma.

O próprio termo "direita" seria um pouco forçado. No fundo, tratava-se de um grupo de intelectuais interessados em ideias que fugiam ao consenso da época. A única coisa que os unia era que, cada um a seu modo, eram todos não-petistas. Era o bloco dos "desalinhados", isto é, dos "intelectuais não-orgânicos".

Com o tempo, no entanto, esse bloco foi progressivamente dialogando, saindo da internet, se encontrando no "mundo real" e criando uma série de iniciativas concretas. E foram também surgindo as divergências – algumas pessoais, outras ideológicas, e não raro uma mistura das duas.

Exceto nas ocasionais tretas públicas, as divergências pessoais geralmente ficavam implícitas, já que pega mal ser ambicioso demais. Fica melhor na fita dizer que você está atacando alguém por representar valores superiores ao seu adversário – em vez de simplesmente querer tomar o holofote dele. É justamente aí que começa o que chamo de "inflação ideológica".

Cria-se um disfarce teórico para o que é meramente disputa de espaços e as pessoas começam a ver teoria onde não existe. Além da "inflação ideológica", outro fator é o gosto brasileiro por discussões abstratas. Creio ser possível falar em fase germinal da nova direita, entre 2005 e 2008, quando essa combinação gerou uma espécie de furor argumentativo.

Em listas de e-mails e comunidades do Orkut, multiplicavam-se os debates internos da "novíssima direita" – e forjavam-se, aliás, muitos dos formadores de opinião que atualmente estão em destaque. Fica melhor na fita dizer que você está atacando alguém por representar valores superiores ao seu adversário – em vez de simplesmente querer tomar o holofote dele

Fase institucionalizante (2008-2014)

A partir de 2008, começou um esforço mais sério em institucionalizar as ideias que estavam em circulação na "fase argumentativa". Creio que é nessa época que a prequel termina e a "nova direita" realmente começa. Creio também que essa etapa é muito mal-compreendida: embora houvesse um enorme quebra-pau ideológico, havia também uma espécie de unidade sociológica difícil de explicar.

Todo mundo parecia acreditar e defender coisas diferentes, mas todos estavam participando das mesmas discussões e indo para os mesmos eventos. Foi nessa época, aliás, que eu me retirei como agente dessa história para me concentrar na carreira acadêmica. Antes disso, no entanto, participei – e até criei – alguns dos grandes momentos dessa fase "ecumênica". Por exemplo, em 2008, eu tive a ideia do "Liberdade na Estrada", uma série de palestras feitas nas universidades de todo o país.

A ideia foi comprada pelo Ordem Livre (na época, tocados por @ dgrcosta, @ BrunoGarschagen e @ FabioOstermann, se não me falha a memória) e gerou um evento de lideranças do qual participaram figuras como @ ASachsida, @ silviogrimaldo, Hélio Beltrão e o Ministro @ sallesmma. Em suma, figuras que hoje são destacadas como lideranças de diferentes grupos da nova direita estavam participando das mesmas iniciativas.

Esse evento, aliás, tacou fogo em uma nova geração da nova direita. Pessoas que nunca tinham ouvido falar dos blogs da primeira geração estavam agora sendo expostas às ideias e argumentos que foram gestados naquele período. Além disso, o movimento mostrou que essa nova geração não estava isolada. Havia o potencial claro para novas iniciativas de alcance nacional. Porém, o ecumenismo do início dessa fase "institucionalizante" (o período, digamos, de 2008 a 2014), já trazia em germe todas as tretas que têm ocupado a nova direita. Foi aí que comecei a perceber o que eu chamo de "inflação ideológica", isto é, colocar teoria demais onde não precisava. No fundo, a batalha entre "jacobinos" e "isentões" já tinha começado.

Um exemplo de "inflação ideológica", por exemplo, foi a popularização da distinção entre conservadores e liberais, segundo a qual os primeiros defenderiam a liberdade apenas na economia, enquanto os outros defenderiam a liberdade em todas as instâncias, incluindo tanto a economia como os costumes.

Como expliquei em outras ocasiões, essa distinção não faz o menor sentido. Ela substitui os argumentos dos conservadores da nova direita por uma versão caricata, mais fácil de criticar. Essa caracterização do liberalismo consiste, na verdade, em uma elaborada "petição de princípio". Ela descreve todas as posições políticas em termos de contra ou a favor da liberdade – o que garante de saída a vitória do argumento liberal. Afinal, sendo a liberdade um valor essencialmente positivo, não faz o menor sentido alguém se posicionar contra a liberdade em si mesmo.

Essa vitória, no entanto, vem apenas de um truque retórico, o qual fica evidente quando mudamos os termos da equação. Se alguém definir, por exemplo, o socialismo como a defesa dos pobres e o capitalismo como a defesa dos ricos, ele irá vencer o restante do debate. A questão que fica sem discussão, no entanto, é se essa descrição realmente é coerente com a posição do adversário ou é uma mera caricatura dele.

Esse tipo de simplificação conceitual se tornou uma marca do "período institucionalizante" da nova direita. Cada nova organização precisava encontrar uma filosofia que justificasse sua existência diante das outras. No entanto, o movimento ainda era pequeno demais para se separar em grupos realmente independentes. Muitos dos "quadros" ainda eram jovens e suas posições ainda estavam evoluindo com muita rapidez. Na época, era frequente o comentário nesses meios de que levaria décadas para que essas ideias conseguissem penetrar no restante da sociedade. Estávamos redondamente enganados.

A fase política (2014 - agora)

Depois dos protestos de 2013 e da reeleição apertada de Dilma em 2014, ficou óbvio algo que Olavo de Carvalho estava avisando há anos: o povo brasileiro queria uma opção à direita. A nova direita, no entanto, ainda não tinha quadros preparados e agenda programática clara. Ela não tinha nem unidade ideológica nem uma conexão orgânica com a velha direita.

Dilma, porém, ofereceu uma solução temporária para esse problema: sua impopularidade ampliou enormemente a "demanda" por direitismo – mesmo que o direitismo em oferta ainda estivesse muito verde. Percebendo essa oportunidade, o fluxo de pessoas entrando na nova direita aumentou enormemente – multiplicaram-se tanto o público quanto os formadores de opinião e as iniciativas institucionais.

Houve, então, um breve interstício nas disputas ideológicas. O PT oferecia um inimigo comum, pacificando temporariamente as divergências. Mas, assim que o PT caiu, as tretas recomeçaram. Muitas dessas divergências superficiais ressurgiram logo em seguida.

A divergência mais enganadora foi justamente a rígida divisão entre liberais e conservadores. Os termos em inglês possuem sentidos bem diferente, onde "liberal" deveria ser, na verdade, traduzido por "progressista". Mas a base do movimento liberal brasileiro não é progressista. O progressismo no sentido "anglo" não é exatamente individualista nem pró-mercado. Embora seja possível estabelecer alguma conexão entre ele e o liberalismo clássico, eles crescem em contextos culturais totalmente distintos, com objetivos políticos diferentes.

O liberalismo brasileiro cresceu sob um Estado pesado e em oposição ao discurso socialista. Além disso, o povo brasileiro nunca ligou para o discurso politicamente correto. Logo, o liberalismo nacional nasce com uma missão desburocratizante, descompromissado com as bandeiras da esquerda socialista. Os progressistas norte-americanos, ao contrário, emergem de uma sociedade com uma economia de mercado desenvolvida, com o objetivo de expandir a intervenção do Estado para as áreas sociais e culturais.

Novamente: são dois movimentos com prioridades bem distintas, apenas com similaridade de nomes. A vacuidade da distinção entre "conservadores" e "liberais" no Brasil se revela justamente no governo Bolsonaro. Na época da campanha, o Livres assumiu a bandeira "left-lib", tentando aumentar a identificação entre liberalismo e progressismo. Eles terminaram sem conseguir representatividade suficiente para controlar o partido e foram derrotados – mostrando a pouca força do progressismo no Brasil.

Além disso, muitos dos quadros liberais estão agora trabalhando dentro do governo Bolsonaro – mostrando que não há incompatibilidade entre o liberalismo brasileiro e os conservadores. Em outras palavras, embora houvesse algumas distinções ideológicas importante, podemos ver que na fase política da nova direita, o velho problema continua: continua-se exagerando as divisões ideológicas para esconder o que é mera disputa por espaço e por cargos. Parece haver mais diferença entre personalidades e estilo de comunicação do que entre programas políticos. Algumas últimas considerações

Todos esses eventos ainda são recentes demais para que possamos compreendê-los profundamente. Porém, sinto que a qualidade do debate está diminuindo, pois estávamos vendo cada mais a emergência de termos mais concretos. Termos como "isentões", "redpilados" e "jacobinos", por exemplo, indicam características mais específicas em termos de estratégia, personalidade e pertencimento a grupos. Portanto, eles tornam mais transparentes as "tribos" por trás do debate, deixando mais claro as divergências programáticas e/ou estratégicas. Fica mais honesto, portanto, do que esconder todas essa dinâmicas por trás de rótulos ideológicos.

Embora discussões ideológicas sejam importantes, elas são abstratas demais para explicar todas as dinâmicas que ocorrem em uma sociedade sociedade. Não é, afinal, "a direita" que assume a Presidência, mas uma pessoa concreta. É perfeitamente possível que fulano e sicrano partilhem dos mesmos princípios gerais, enquanto discordam dos meios concretos de executar esses princípios.

Tenho notado que, nos últimos anos, parece haver cada vez menos interesse em criar institutos e organizações. A própria dinâmica das redes sociais incentiva a falar em nome próprio. Creio que essa é uma ótima oportunidade para diminuir o peso das abstrações ideológicas e aumentar a importância da responsabilidade pessoal em nossa cultura.


FONTES: Arial 12pt, 220v 5A



https://www.gazetadopovo.com.bvozes/francisco-escorsim/uma-historia-oral-da-nova-direita-por-lucas-mafaldo/
submitted by MinistroPauloCats to brasilivre [link] [comments]


2020.01.13 12:30 AntonioMachado [2012] Oliver James - Como desenvolver a inteligência emocional

submitted by AntonioMachado to investigate_this [link] [comments]


2020.01.11 19:42 ORoxo Como investir Keep it simple, Stupid!

Olá,
Se chegaste até aqui é porque estás preocupado com as tuas finanças, por isso, parabéns!
De facto, é uma preocupação fundamentada, uma vez que, de acordo com Relatório sobre a Sustentabilidade Financeira da Segurança Social publicado em Outubro de 2018 como anexo do Orçamento de Estado de 2019, a Segurança Social como a conhecemos hoje esgotar-se-á no final da segunda metade da década de 2040.
O FEFSS (Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social), a ser utilizado perante saldos negativos do sistema previdencial a partir do final da segunda metade da década de 2020, teria com a atual projeção, um esgotamento no final da segunda metade da década de 2040, representando uma melhoria face à projeção do relatório de sustentabilidade anexo ao Relatório do OE de 2017, em cinco anos.
Assim, se, tal como eu, estás a iniciar a tua vida adulta, provavelmente serás responsável pelo teu próprio sustento durante a idade da reforma. Como tal, temos de arranjar uma forma de garantir que o nosso dinheiro rende, para garantir esse conforto futuro.
A melhor forma que conheço para o fazer é através de investimentos, algo que começa agora a ser falado no nosso país, mas sobre o qual a generalidade das pessoas ainda sabe muito pouco.
Ao contrário de subs de outros países relacionadas com finanças pessoais onde existem vários tópicos Guide, em Portugal, tal não acontece.
Para colmatar essa lacuna, decidi escrever este post que espero ajudar aqueles que buscam conselhos financeiros e que se deparam com esta comunidade pela primeira vez.
Infelizmente (ou felizmente) não venho de famílias abastadas. Como tal, há cerca de 2/3 anos quando comecei a ganhar alguma autonomia financeira coincidente com a minha entrada no mercado de trabalho, comecei a pensar como viria a fazer face às minhas despesas - casa, carro, alimentação, etc.
Desta reflexão resultaram muitas horas de leitura e lições que agora partilho aqui convosco:
Lição 1: ninguém cuidará melhor do vosso dinheiro do que vocês.
Começo por partilhar convosco que uma das coisas que mais me irrita na indústria financeira - e no qual tenho a minha quota-parte de culpa, dado que é a minha área de formação - é da necessidade de complicar. Alguém que esteja de fora, ficará intimidado pela complexidade de palavras que usamos como asset alocation, derivatives, bonds, stocks, optimal portfolio allocation, options, warrants e futuros. Como se isso não bastasse, não educamos os jovens em finanças - em muitos casos temos dificuldade em poupar e noutros tantos em perceber como investir.
Claro que toda esta iliteracia financeira é um paraíso para portfolio managers e outros agentes dispostos a investir o vosso dinheiro por vocês. Porquê, perguntam vocês?
Existem três formas através das quais um porfolio manager consegue fazer dinheiro para a empresa:
  1. Comissões sobre produtos;
  2. Assets Under Management;
  3. Aconselhamento 1-on-1.
Em primeiro lugar, parte do salário de um portfolio manager, é variável. Por outras palavras, está dependente do lucro que trouxer para a empresa. Como tal, não é de admirar que vos sugerirão aqueles produtos que lhes dêem maior retorno, independentemente do retorno que vos trouxerem para vocês. Como tal, aqueles produtos que vos tentarão enfiar pela garganta abaixo são precisamente aqueles que vão de acordo com os objectivos deles (maximizar lucro) e não necessariamente os vossos (maximizar o retorno).
Para além disso, existe também o modelo AUM (Assets Under Management) que na práctica é 1-2% que vos cobrados pelo valor de activos na vossa carteiro. A título de exemplo, suponham que eu tenho 100.000€ investidos na institução A cuja taxa AUM é de 2%. Todos os anos terei de pagar 2.000€ à instituição financeira que faz a gestão dos meus activos, independentemente de ter, ou não lucro. Imaginem que num dado ano tive 6% de retorno, a inflação foi de 3% e a AUM é de 2%. Resta-me 1% de um retorno que deveria ter sido 3%. De repente, um ano que até teria sido bastante positivo transformou-se num mísero 1%. (Parece-vos justo? Nem a mim...)
Por último, alguns advisors estão ainda disponíveis para vos aconselha por uma módica quantia de X, sendo X um valor absolutamente ridículo para o qual não existe qualquer justificação lógica. Como se tal não bastasse, muitas vezes esse aconselhamento não se traduz em qualquer valor acrescentado para nós. Com sorte, vai de encontro ao ponto 1 e comem-nos por parvos duas vezes: no aconselhamento que roçou o medíocre e na venda de um produto com comissões altíssimas e retornos pelas ruas da amargura.
Dito isto, aqui fica a primeira lição: ninguém cuidará melhor do vosso dinheiro do que vocês!
No entanto, identificar um problema sem o tentar resolver soa-me um pouco hipócrita. Por isso, deixem-me introduzir-vos à segunda lição: é mais fácil do que parece.
Dado que, como já partilhei convosco acima, a minha formação base é finanças, comecei a pensar "como é que se investe?". Esta questão levou-me a ler vários livros sobre investimento e apercebi-me que, ao contrário do que todos os profissionais da área faziam parecer crer, investir, era bastante simples.
Tão simples, de facto, que alguém com zero experiência como investidor conseguirá obter um retorno melhor do que 80% dos ditos portfolio managers utilizando apenas as ferramentas que partilharei convosco neste thread.
O quê?! 80%?! Mas investir não é difícil?!
Não.
O quê?! Melhores retornos que portfolio managers que vivem, respiram e comem informação financeira?
Sim.
Afinal eu não preciso de pagar fees ao meu banco para investir por mim?!
Não.
Contudo, antes de partilhar convosco quais são essas ferramentas há três questões que são imperativas que saibam responder:
  1. Em que fase da vossa vida é que estão? Acumulação ou Preservação de riqueza?;
  2. Que níveis de risco é que estão disponíveis a aceitar?;
  3. O vosso horizonte temporal a nível de investimentos é longo ou curto prazo?.
Certamente repararam que as três questões estão intrinsecamente ligadas e que existe um tema comum a todas elas, risco. Pelo que gostava de começar por abordá-lo em primeiro lugar.
Ao contrário do que vos possam dizer ou vocês próprios possam pensar, não existe nenhum investimento 100% seguro.
Experimentem colocar o vosso dinheiro debaixo do colchão durante 20 anos e depois contem-me como os 20k€ que com tanto esforço, suor e lágrimas amealharam valem agora apenas 5k€ em bens e/ou serviços. Ou talvez vocês seja pessoas conservadoras e decidam comprar títulos do tesouro, mas nesse caso apresentar-vos-ei a minha inflação ou então são completamente o oposto e decidem que acções is the way to go, caso em que opto por vos dar a conhecer a minha outra amiga, deflação.
Estes exemplos não servem para vos desincentivar de investir. Queria apenas de uma forma, mais ou menos, lúdica demonstrar-vos que, qualquer que seja a nossa opção, nunca estamos 100% seguros. Consequentemente, a única opção que nos resta é fazer as escolhas que julgamos serem as mais correctas com a informação que temos disponível de momento - e atenção que não fazer escolha é, em si, uma escolha.
Dito isto, existem apenas outras três ferramentas que necessitam para construir o vosso portfolio:
(já repararam que eu gosto de manter as coisas simples?)
  1. Acções
E se invés de apostarmos numa única equipa e rezássemos para que essa equipa vencesse, pudéssemos apostar que uma qualquer equipa entre todas as que estão na competição poderia ganhar? As nossas odds seriam bem melhores, verdade?
É isso que constitui um index fund - um cabaz de acções de várias empresas. Regra geral, cada index fund tem um benchmark que segue o que acaba por definir as ações nas quais esse index fund invest. Tudo o que precisam de saber são três siglas muito simples, IWDA:NA, VUSA e VWRL.
Quais as diferenças?
Dentro dos fundos cotados (aka ETFs), existem duas sub-classes no que toca à distribuição dos dividendos consoante o fundo reeinvista autmaticamente os dividendos ou caso os distribua aos investidores, chamados accumulation ou distribution, respectivamente*.*
Isto é relevante principalmente para efeitos fiscais. No que toca a investimentos desta natureza, existem dois momentos nos quais estás sujeito a imposto.
Na altura de receberes os dividendos e no momento da venda propriamente dito.
Aquando da distribuição dos dividendos, o teu broker transferirá para a conta bancária associada o valor dos dividendos retirados os 28% de imposto. No momento da venda, analisar-se-á qual a mais ou menos valia que há a realizar. Isto é, se vendeste o investimento a um preço superior ao que compraste, o valor de imposto a pagar será de 28% sobre essa diferença. Se o valor de venda for inferior ao valor de compra, não terás qualquer imposto a pagar.
Logo, salvo raras excepções, é aconselhável que se invista num ETF que seja cumulativo (IWDA:NA). Desta forma, tiraremos proveito da capitalização composta dos juros ao mesmo tempo que adiamos o pagamento de impostos desnecessários.
  1. Obrigações
As obrigações proporcionam uma viagem ao longo do percurso de investidor um pouco mais suave. Pessoalmente, dada a minha idade, não creio que tenha muito interesse para mim. No entanto, para investidores mais conservadores, BND e AGGG-fund?switchLocale=y&siteEntryPassthrough=true) são as única sigla que precisam de conhecer neste sub-universo.
  1. Dinheiro
Um fundo de emergência é algo que devemos sempre ter. Ninguém sabe o que acontecerá no dia de amanhã e enquanto investidores de longo-prazo não queremos ter de liquidar os nossos activos devido a uma emergência. Por isso, três a seis meses de despesas fixas é um bom objectivo para se ter em dinheiro numa conta a ordem ou conta poupança que possa ser movimentada sem incorrer em custos.
Lição 2: Todos os portfolio managers acreditam que conseguem bater o mercado. Por sua vez, nós, investidores, acreditamos que conseguimos escolher aqueles que o fazem. Estamos todos enganados.
Imaginem uma sala cheia de crânios financeiros, vestidos nos seus fatos com tecidos italianos. Estes profissionais contam com anos de experiência nos mercados de capitais, para não falar das décadas passadas a estudar em grandes Business Schools.
Para além disso, têm à sua disposição inúmeras ferramentas da Bloomberg, Reuters e outros grandes players que lhes permitem ter acesso a toda a informação, constantemente actualizada, a qualquer instante.
Apesar de trabalharem noite e dia, estes guerreiros também descansam para um ocasional café, cigarro e almoço de negócios. Nesses raros e curtos momentos, encontram-se com outros analistas, experts, insiders das empresas nas quais investem e outra panóplia de gente importante.
Ao conviverem tão próximos com a realidade na qual investem, de certeza que eles sabem o que andam a fazer, certo?
Ahhhhh...think again.
Está comprovado impericamente (clicar irá fazer o download de um pdf) que os vários fundos de investimento não são capazes de dar rendibilidade superior ao seus investidores, quando comparado com o mercado.
Num horizonte temporal de 5 anos, 84,15% dos fundos de investimento tiveram uma performance pior do que o S&P500.
Logo, para terem um retorno superior ao mercado, vocês teriam de escolher o melhor fundo de investimentos possível, de um conjunto de 10! Como se isso não bastasse - e supondo que escolhiam o fundo vencedor -, ser-vos-ia cobra entre 1 a 2% em comissões. Não é muito? Para ilustrar a diferença que isto pode fazer, sigam o meu raciocínio:
Suponham que investiram 10.000€ há 30 anos num dado activo. A rentabilidade média desse mesmo activo foi de 7%, já tida a inflação em conta. Se tivessem investido vocês mesmos esse valor num index fund, teriam aproximadamente 66.000€. Por sua vez, se tivessem escolhido o fundo vencedor teriam apenas 43.000€. Uma diferença de 23.000€ tendo por base apenas 2%. Funny, right?
(aqui estou a supor que o fundo vencedor vos proporcionava apenas a mesma rentabilidade dada pelo mercado, mas dado que assumi, de 10 fundos de investimento, vocês escolhiam o único cuja rentabilidade não era pior que a do mercado, parece-me justo para balançar o cenário)
Este exemplo introduz-nos à próxima lição.
Lição 3: Controlem o que conseguem controlar
Esta conversa é toda muito bonita, mas o que raio é essa coisa da Vanguard e porque é que todos os EFTs que sugeres são geridos por eles? Afinal, também és um vendedor?!
Bom ponto, tens estado atento!
Um mercado de capitais é um sítio feio, se não soubermos gerir as emoções provavelmente perderemos muito dinheiro - mais sobre isto numa edição futura do post. A verdade é que os nossos investimentos irão desvalorizar e valorizar várias vezes ao longo do tempo. Como tal, uns anos serão positivos e outros nem tanto. Isto para dizer algo que ninguém gosta de ouvir: não podemos controlar o retorno que o mercado nos dá. Felizmente, há algo que nos cabe a nós controlar: o custo do nosso investimento.
Uma vez que o lucro do nosso investimento será nada mais do que retorno - custo, minimizando o custo estamos a optimizar esta equação.
É aqui que entra a Vanguard, fundada por um grande senhor, John Bogle, em 1975.
O que a torna tão especial é que, no momento da sua fundação, John Bogle estruturou-a de forma a que fosse customer-owned e cujo objetivo fosse o breakeven (i.e., não é suposto ter lucro, mas sim apenas ser capaz de fazer face às suas despesas).
Para compreenderem a diferença, uma empresa de investimento pode ter duas formas:
  1. É uma empresa privada. Funciona da mesma forma que um negócio familiar e o objectivo é gerar valor para os donos - a Fidelity Investments é um exemplo;
  2. É uma empresa cotada em bolsa, detida por accionistas.
Em qualquer um destes casos, o objectivo da empresa é gerar lucro. Apenas deste modo serão capazes de pagar as suas despesas e remunerar os seus donos, sejam eles privados ou accionistas. Não é difícil perceber que quanto maior for o lucro, maior será a fatia dada a cada um destes agentes. Logo, há todo um incentivo para a maximizar tanto quanto possível. E imaginem de quem virá essa fatia...nós, investidores, claro!
Por outras palavras, quando investimos com uma destas empresas, estamos a pagar pelo investimento financeiro propriamente dito e mais alguns pózinhos para os seus donos/accionistas.
Logo, é claro que há aqui um conflito de interesses - o mesmo se passa com portfolio managers, mas isso fica para uma outra versão do post. O dono de uma empresa de investimento quer que os fees sejam tão altos quanto possível. Eu, enquanto investidor, quero pagar o mínimo.
Ainda que este modelo de negócio seja perfeitamente digno. Nós, investidores, temos uma solução melhor! Acontece que John Bogle quando fundou a Vanguard, fê-lo de modo a que a mesma fosse detida pelos fundos que esta opera. Ora, uma vez que são os investidores que detêm os fundos, na práctica, os investidores detêm a própria Vanguard.
Logo, qualquer lucro que a empresa tivesse entraria directamente para a nossa carteira. No entanto, dado que este circulo Investidor - Vnaguard Mutual Funds - Vanguard - Investidor seria um pouco non-sense, a Vanguard opera no breakeven, cobrando os custos mínimos para garantir a sua operação.
No que é isto se traduz, na práctica? No facto de que o expense ratio (ou seja, a taxa de encargos correntes) média dos fundos da Vanguard seja 0.2% contra 1,20% da indústria. Pode não parecer muito, mas considerando este valor sobre vários anos e sobre um capital considerável, dá uns bons mlhares de euros poupados no final de uma vida de investidor.
Lição 4: Fazer para crer
Dito isto, como é que se compra essas coisas estranhas, ETFs? Para o fazer, precisam de uma correctora ou broker. Cada correctora practica o seu próprio preço. Por isso, é importante compararem-nos antes de abrirem conta numa delas. Deixo-vos aqui e aqui e aqui imagens de tabelas comparativas das várias correctoras a operar em Portugal (obrigado, Bárbara Barroso). Para além dos custos de aquisição de títulos, algumas delas cobram ainda custos de manuntenção e/ou outros.
Muitas destas correctoras permitem criar contas demo. Caso estejam indecisos. criem uma e experimentem a plataforma de negociação.
Feito este passo, é uma questão de acederem à dita plataforma, procurar os títulos indicados acima e adquiri-los.
Frequently Asked Questions
Os mercados estão em máximos históricos. Por isso, uma recessão está para breve. Será que devo esperar que a dita recessão chegue e que os mercados acalmem?
Ninguém sabe ao certo quando - e sequer se - estaremos perante uma recessão. A pesquisa feita em torno dos retornos históricos demonstra que se tiveres X€ para investir, a melhor solução é colocá-los de uma só vez no mercado.
Mas ainda ontem ouvi o Miguel Sousa Tavares a dizer que estaria para breve!
Não.
Ah, mas a minha tia, que é economista, disse no jantar de Natal que a guerra comercial da China e dos EUA...
Não.
Ah, mas o meu piriquito...
Não.
Ninguém consegue fazer timing ao mercado e quem vos disser o contrário está a tentar enganar-vos. No caso de serem vocês próprios, sentem-se à espera que a vontade passe, 99.9% das vezes estarão enganados.
Devo investir com a Degiro?
Antes de usarem a DeGiro como vossa correctora leiam este thread e pesquisem Amsterdamtrader Degiro no Google.
Com este tópico pretendo apenas informar-vos. Como tal, ainda que vos possa partilhar convosco como giro os meus investimentos, tento ser o mais imparcial possível. No entanto, sou defensor que devemos fazer escolhas conscientes. Não digo que não seja uma boa opção, estejam apenas consciente do que se passa no background.
Qual é a correctora que usas, u/ORoxo**?**
Comecei por usar o Banco Invest porque me dava uma segurança adicional fazê-lo através de um banco no qual confio. No entanto, os custos eram demasiado elevados e agora faço-o pela DeGiro, apesar do indiquei no ponto imediatamente acima. O importante é termos consciência dos riscos, lembrem-se.
O que acontece se a correctora que uso for à falência?
Regra geral, as correctoras mantêm os nossos activos numa entidade legal separada. Na práctica, isto significa que a correctora teria uma entidades para o negócio de corretagem propriamente dito através da qual realiza todas as actividades inerentes à operação (i.e., pagar os salários dos empregados, receber os fees dos clientes, etc, etc) e outra entidade à qual os nossos activos estariam alocados (dinheiro que temos em conta e os nossos produtos financeiros). A vantagem deste tipo de estrutura é que, em caso de falência do negócio, os ativos dos investidores não poderiam ser usados para pagar aos credores da correctora.
Não vos posso dizer se na práctica é 100% assim mas, pelo menos em teoria, isto acontece (ver e ver). Usando a DeGiro como exemplo:
DEGIRO holds Financial Instruments for you in such a way that they cannot be accessed by creditors of DEGIRO, even if DEGIRO would be bankrupt.
Ainda assim, supondo que a DeGiro ia à falência, dado que está sediada na Holanda, estaria ao abrigo do Investor Compensation Scheme que fará face às obrigações da correctora até um limite de 20k€ por investidor.
Para vos dar outro exemplo, caso investissem através da Interactive Brokers, o limite seria 500k€, uma vez que estariamos ao abrigo da SIPC (Securities Investor Protection Corporation).
Estes valores/regras dependerão do país no qual a correctora está sediada. Caso queiram optar por outra, as preocupações deverão rondar as seguintes questões:
Qual é a rentabilidade anual que posso esperar do meu portfólio, se seguir as estratégias deste post?
Tendo em consideração os dados do último século, o retorno médio anual do mercado de capitais foi de 10%. Na práctica, isto quer dizer que se adquirires um ETF cujo benchmark seja o S&P500 ou um índice global (muitas vezes os ETF deste tipo têm WLR ou World no nome), no longo prazo (20+ anos), podes esperar um retorno anual de 10% nos teus investimentos. Atenta, por favor, que isto não quer dizer que terás todos os anos 10% - poderão haver anos que ganhas 30% e noutros perdes 15%, por exemplo. Ainda assim, no longo-prazo, em média, poderás esperar um retorno de 10%/ano.
O importante é que não faças o que a maior parte das pessoas faz: vender quando o mercado está a cair e comprar quanto o mercado está em alta. O nosso objectivo enquanto investidores de longo prazo deve ser comprar sempre o mesmo em valor absoluto (supõe que defines como objetivo uma taxa de poupança de 30%/mês; deverás investir sempre esses 30% quer o ETF custe 10€ ou 80€). Uns anos essa poupança de 30% comprará mais unidades do dito ETF, outras menos. Ainda assim, no final da nossa vida de investidor, poderemos esperar um retorno de 10%/ano, em média.
Para aqueles que são conservadores, usem 6% como referência.
O ETF xpto é uma boa alternativa aos que mencionas no teu post?
Quando consideramos investir num ETF há algumas questões que devemos colocar:
  1. Qual é o activo subjacente ao ETF?
  2. Qual o custo de gestão do ETF?
  3. O ETF é cumulativo ou distribuí dividendos?
  4. Em que praça é cotado?
  5. Em que moeda está denominado o ETF?
Em primeiro lugar, importa perceber qual é o activo que está subjacente ao ETF.
Em segundo lugar, importa analisar os custos.
Eu posso pensar "epah estar exposto ao mundo todo é melhor do que estar apenas exposto ao mercado dos EUA." Certíssimo. No entanto, o retorno que irei ter ao estar exposto a empresas de diferentes geografias vai compensar a diferença de custos de gestão anuais que terei de pagar? Para além disso, supondo que estou a investir em empresas do S&P500, a maior parte delas operam em vários mercados. Será que faz sentido optar por um ETF que diversifica ainda mais, incorrendo em custos superiores, quando as grandes empresas são, hoje em dia, na sua grande maioria, globais?".
O ponto 3, ainda para mais em Portugal, é fulcral. Cada vez que te forem pagos dividendos, pagarás 28% de imposto. Logo, supondo que recebes 1.000€ de dividendos, só receberás à cabeça 720€. Num ano, pode não parecer muito, capitaliza isto pela tua vida de investidor, no meu caso 50 ou 60€ e tens uma valente fortuna paga ao Estado, sem motivo para isso.
Qual é então a solução? Fácil! Investir num ETF que invés de te dar os 1.000€ todos os anos, os investe automaticamente no ETF. Não só poupaste 28% em imposto como o poder do juro composto vai multiplicar este valor inúmeras vezes. Lembra-te, sempre que possível, accumulating.
O próximo ponto também é essencial uma vez que se o EFT for cotado nos EUA não está sequer acessível para nós. Infelizmente, as normas europeias exigem que os issuers forneçam uma série de informação, sem a qual os ETF não poderão ser transacionados em bolsa Europeias. Consequentemente, não são sequer solução para nós porque simplesmente não estão disponíveis.
Por último, há pessoas que consideram que seja bastante importante a moeda na qual o ETF está cotado devido ao currency risk (i.e., supõe que tens um activo em USD e gastas o teu dinheiro em EUR. O risco é que o USD desvalorize face ao EUR e que, consequentemente, percas poder de compra).
Pessoalmente, não é algo que me faça perder o sono, mas é uma questão a considerar.
O que acontecerá às minhas poupanças daqui a 20 anos se conseguir investir mais 50€/mês?
De acordo com esta calculadora, daqui a 20 anos terás mais 36.199,34€ ou 22.782,29€, consoante a tua perspectiva face à taxa de juro seja optimista ou pessimista, respectivamente.
Quero aprender mais sobre o tópico. O que me aconselhas?
Infelizmente, muito do conteúdo que existe está extremamente vocacionado para o mercado Norte-americano, em particular os EUA - surprise, surprise, han?
De qualquer modo, existem muitas (e boas!) lições que podemos adaptar à nossa realidade. Por isso, caso se sintam à vontade a ler inglês aconselho os seguintes livros:
Creio que para a maior parte deles poderão encontrar a versão em PT. No entanto, caso considerem que há interesse posso fazer um breve resumo de cada um deles e incluí-lo no âmbito do thread.
Para aqueles cujas versões de inglês forem suficientes, mas cujo valor dos livros faça diferença no orçamento familiar, mandem-me dm.
Tenho mais de 100.000€ disponível para investir, devo seguir o mesmo processo?
Não.
Nesse caso, por favor, abre uma garrafa de champanhe. Para além de estares entre os 20% mais ricos de Portugal e dinheiro não ser uma preocupação para ti, podes investir directamente com a Vanguard.
Para o fazeres, envia um e-mail para [email protected] com a indicação de que pretendes investir no index fund cujo ISIN é IE0002639668. Infelizmente, a partir daqui não te consigo ajudar mais, uma vez que ainda não estou neste patamar. Contudo, para questões particulares, estou sempre disponível por dm, se necessitares.
Caso pretendas consultar os restantes fundos disponíveis para investidores portugueses podes fazê-lo aqui.
Creio que já deu para entender que adoro este temas. Por isso, caso tenham alguma questão, estejam completamente à vontade para a colocar nos comentários ou enviar-me dm. Terei todo o gosto em ajudar cada um de vocês em tudo o que me for possível.
Como qualquer pessoa, sou humano e, como tal, não sei tudo. Ainda assim, se for esse o caso, estou disponível para ir aprender de modo a ser capaz de vos explicar e partilhar convosco.
Provavelmente editarei este tópico várias vezes à medida que me for lembrando de mais informação. Até lá, espero que vos seja útil!
submitted by ORoxo to literaciafinanceira [link] [comments]


2020.01.06 02:48 altovaliriano Mance Rayder

Este sábado de personagens foi movido para o domingo, pois estamos em reformas.
Mance é o pacote completo das terras além da Muralha. Ele é um selvagem, um irmão da Patrulha da Noite, um desertor e um Rei-para-lá-da-Muralha. A história diz que sua mãe era uma selvagem e o pai um irmão juramentado da Patrulha. Portanto, desde a concepção, Mance era destinado a viver em ambos os campos, como gelo e fogo.
Porém, quando garoto, Mance foi retirado da mãe e criado junto a Patrulha da Noite. Não se sabe quando isso aconteceu, nem em que circunstâncias. A Patrulha pode ter matado sua mãe, pois se diz que ele teria sido levado após o grupo de saqueadores em que estava foi morto pelos irmãos negros. Mas este grupo de saqueadores poderia ter o retirado de sua mãe, e a Patrulha não teria culpa na separação. Simplesmente não sabemos.
Tampouco sabemos se Mance serviu lado-a-lado com seu pai. Mance parece ter mais de 40 anos de idade no começo de A Guerra dos Tronos e é dito que ele servia em Torre Sombria. Denys Mallister é o comandante do castelo há 33 anos (o que não o impede de estar servindo há vários anos de ter sido eleito comandante), portanto, se alguém poderia dizer mais sobre isso, provavelmente seria Mallister.
O que é importante entender aqui é que a Muralha foi o pai provedor de Mance durante grande parte de sua vida. Entretanto, mesmo quando era um patrulheiro, Mance era muito interessado em canções, ainda que suas voz e habilidade com o alaúde sejam consideradas apenas medianas. Como o próprio homem alega conhecer todas as canções lascivas já feitas ao norte e ao sul da Muralha, é de se imaginar que Mance tinha desde cedo em si uma paixão incompatível com a vida de deveres de seus irmãos juramentados.
De fato, imaginemos o que é crescer na Muralha. Especialmente sob o comando de um homem cavalheiresco como Denys Mallister. É muito provável que Mance, durante a juventude, tenha desfrutado de uma juventude cheia de frugalidade e provações. Conhecendo o homem como ele é hoje, deve ter sido uma experiência extremamente limitadora e frustrante.
Portanto, não admira que o Rei-para-lá-da-Muralha tenha sido influenciado a desertar da Patrulha após a experiência com a filha de uma velha feiticeira selvagem. Todos conhecem a história: o grupo de Mance foi atacado por um gato das sombras enquanto esfolavam um alce caçado em uma patrulha, Mance estava ferido e foi levado às pressas para uma velha feiticeira selvagem, mas teve que ser tratado pela filha dela (pois a velha havia morrido) e foi bem tratado:
Limpou meus ferimentos, deu pontos em mim e me alimentou com mingau de aveia e poções até eu ficar suficientemente forte para voltar a subir em um cavalo. E também costurou os rasgões em meu manto, com um pouco de seda escarlate de Asshai que a avó tinha tirado dos restos de um barco afundado que apareceu na Costa Gelada. Era o maior tesouro que ela possuía, e foi um presente para mim. (ASOS, Jon I)
Estas poucas linhas apresentam uma história extremamente interessante. É um exemplo de como GRRM consegue comprimir um conto que poderia ser tratado em uma obra autônoma em apenas algumas linhas (algo que, segundo Remy Verhoeve, Martin perdeu em livros mais recentes).
Mance Rayder foi ferido em uma caça e levado a uma velha feiticeira. As expectativas provavelmente eram de encontrar uma senhora esquisita, mas eles acabaram encontrando alguém mais jovem. A mulhegarota aparentemente foi solícita e atenciosa, especialmente quando usou um “tesouro” familiar para consertar as roupas de Mance.
A questão do conserto da roupa, com seda escarlarte é a parte mais impressionante. Há uma sugestão de envolvimento sexual. Poder-se-ia pensar que Mance teve um caso com a mulhegarota e a seda no manto foi uma lembrança. Simbolicamente, representaria que Mance teve o negro da Patrulha conspurcado por um vermelho vivo de um amor encontrado do outro lado da Muralha.
Eu, porém, prefiro pensar que foi uma ferramenta de sedução. Que Mance e a filha da feiticeira não tiveram um caso de amor, mas que a seda seria uma demonstração de interesse, como que um convite à retornar. Afinal, como disse o própri Mance “Parti na manhã seguinte... para um lugar onde um beijo não era crime e um homem podia usar o manto que quisesse” (ASOS, Jon I).
Assim, quando Denys Mallister ordenou que Mance descartasse a roupa costurada e vestisse o uniforme padrão da Patrulha, o então patrulheiro estava diante de um dilema maior do que dever-liberdade. Descartar a roupa significaria virar definitivamente as costas para o amor. Assim, a motivação de Mance encontra um eco nas palavras de Meistre Aemon:
O que é a honra comparada com o amor de uma mulher? O que é o dever contra sentir um filho recém nascido nos braços… ou a memória do sorriso de um irmão? Vento e palavras. Vento e palavras. Somos apenas humanos, e os deuses nos moldaram para o amor. Esta é a nossa grande glória e a nossa grande tragédia.
(AGOT, Jon VIII)
Diante deste dilema, o patrulheiro se dirigiu para o seio de sua antiga comunidade, atraído pelo estilo de vida que nunca deve ter conhecido a não ser nas canções que tanto gostava. O detalhe interessante é que Mance usa este manto quando Jon o encontra.
Entretanto, há outro aspecto essencial nesta história, carregado de mistério. O navio que trazia seda de Asshai era um navio originário de Asshai? Claro que poderia ser um navio de Westeros que trazia a seda. Porém, a Costa Gelada não é conhecida por ser visitada por navios mercantes. Talvez então saqueadores das Ilhas de Ferro que acabaram naufragando na Costa Gelada ainda com a carga roubada? É possível.
Contudo, GRRM poderia simplesmente estar querendo dizer que é um navio vindo do oriente que naufragou após circundar o mundo sentido leste-oeste até chegar a Westeros. O que faria com que Alissa Farman não fosse a primeira navegadora a cruzar o Mar do Poente. Bem, acho que jamais saberemos definitivamente.
Voltando a Mance, não sabemos quanto anos antes do começo da história ele começou a reunir as diversas comunidades do Norte sob seu comando. Sabemos que o plano dele era levar o povo livre para o sul da Muralha, fugindo dos outros, mas não sabemos exatamente quando isso começou. Na verdade, GRRM manteve toda a linha do tempo envolvendo Mance bastante confusa.
Sabemos que ainda quando era patrulheiro, sob o comando do Lorde Comandante Qorgyle (que morreu em 288 DC), Mance visitou Winterfell e conheceu Jon ainda criança (que nasceu em 283-284 DC). Portanto, Mance não devia estar entre o Povo Livre há mais de 10 anos no começo de A GUERRA DOS TRONOS. Se está correta a informação obtida por Jon de que Mance “tinha passado anos reunindo aquela vasta e lenta tropa” (ASOS, Jon II), então é de se esperar que tudo tenha começado em anos recentes.
Por outro lado, podemos questionar a razão que levou Mance Rayder a reunir um exército para atacar a Muralha. O ex-patrulheiro não parece ser exatamente o tipo heroico de pessoa, que pensa em todas as vidas humanas que seriam perdidas em razão dos Outros.
Ou seja, se Mance Rayder pensasse apenas em salvar a própria vida, por que não simplesmente atravessou sozinho a Muralha, disfarçado de bardo e pegou um navio para Essos? Não só ele parece ser um mestre dos disfarces e da arte de se misturar a multidão, como também tinha uma bolsa de veados de prata quando visitou Winterfell para ver Robert Baratheon. Tinha a faca e o queijo na mão.
Se nós pudermos acreditar em Osha, entretanto, o plano de Mance na verdade seria reunir o exértico para lutar contra os Outros:
Por que você acha que fugi para o sul com Stiv, Hali e o resto daqueles idiotas? Mance pensa que vai lutar, o bravo, querido, teimoso homem, como se os caminhantes brancos não fossem mais que patrulheiros. Mas, que sabe ele? Pode chamar a si próprio Rei-para-lá-da-Muralha se bem entender, mas ainda é apenas mais um dos velhos corvos negros que fugiram da Torre Sombria. Nunca experimentou o inverno. Eu nasci lá em cima, filho, assim como a minha mãe e a minha avó antes dela, e a minha bisavó antes dela, nascida entre o Povo Livre. Nós recordamos.
(AGOT, Bran VI)
Dessa forma, fica parecendo que Mance estava reunindo as tribos para enfrentar os Outros, mas acabou fracassando. A fim de manter a unidade, porém, usou a hoste que havia reunido para atacar a Muralha e tentar forçar passagem para o Sul. Ainda assim, nada explica sua motivação para querer salvar toda essa gente.
Veja, Mance não parecia cultuar laços afetivos fortes antes do começo de A Guerra dos Tronos. Seus companheiros de acampamento são apenas líderes que ele submeteu ou parentes de sua mulher, e ele somente conheceu Dalla quando retornou da visita a Winterfell para ver Robert. Portanto, não parece haver qualquer explicação. Ou era ele tão apaixonado pela cultura do Povo Livre que desejava salva-los da extinção? Talvez, mas ainda parece uma justificativa estranha. Teria Mance alguma pessoa querida que foi morta pelos Outros antes que o conhecêssemos pelos olhos de Jon? Não, senão todos no acampamento saberiam e teriam comentado.
De todo modo, a investida de Mance contra a Patrulha da Noite não deu em nada. Coube ao recém-eleito Lorde Comandante Jon Snow ter a sensibilidade de dar seguimento ao plano de Mance, em parceria com Stannis Baratheon. Na verdade, é curioso que Jon tenha dado continuidade ao legado de Mance.
Frequentemente, aponta-se para o fato de Mance ter exercido uma influência partenal sobre o Lorde Comandante. E na mesma frequência Mance Rayder é associado com Rhaegar: um cantor-guerreiro que traiu seus votos em razão de uma mulher e desertou de suas responsabilidades. Com isso, não estou dando crédito à teoria “Mance = Rhaegar”, apenas fazendo um brinde a seus argumentos, pois acho que ela falha em ver literalidade em metáfora.
Diferentemente de outros personagens trazidos a vida do mundo dos mortos, Mance retorna ao mundo dos vivos saído de trás de uma ilusão, não por desígnio de R’hllor. Melisandre usa seduções (glamours, em inglês) para disfarçar Camisa de Chocalho como Mance e vice-versa, e Stannis é convencido para queimar o cara errado disfarçado de cara certo.
Eu nunca achei muito convincente a forma como Camisa de Chocalho é queimado. Não acho crível que ele não percebesse que estava sendo confundido com Mance e não fizesse uma defesa astuta de si mesmo. No caso, ao invés de R’hllor de se esconder atrás de R’hllor, GRRM preferiu deixar patente a importância de Mance para a trama dos futuros livros. E, de fato, sabemos que Mance conhece “muito e ainda mais sobre nosso verdadeiro inimigo” (ADWD, Jon I). Stannis o garante após conversar “por horas” com Mance Rayder.
Dessa forma, a não ser que o conhecimento que o Rei-para-lá-Muralha transmitiu ao Rei-na-Muralha seja suficiente para que a trama se desenvolva eficientemente, Mance teria que viver até que os Outros chegassem. Por essa razão que muitas pessoas suspeitam que as afirmações de Ramsay não verdadeiras. Na carta do bastardo, mais conhecida como “a carta rosa”, o atual Senhor de Winterfell afirma que Mance está enjaulado e deixado para o frio do inverno mata-lo. Esta é uma das afirmações que enche a carta de um senso de urgência, e possivelmente também foi uma das frases que deixou Jon convicto que deveria agir imediatamente para salva-lo.
Mas grande parte dos leitores enxergam muitos furos em tudo que é dito na carta. Alguns até mesmo dizem que dizem que a carta teria sido escrita pelo próprio Mance. Sem falar que o Rei-para-lá-da-Muralha estava confortável demais em sua imitação da história de Abel, o Bardo, para que ninguém imaginasse que ele tinha a intenção de imitá-la até os últimos detalhes. O que, em outras palavras, quer dizer que Mance tinha intenção de se esconder fora da vista de qualquer pessoa até que a confusão terminasse (o que faria de Ramsay um mentiroso).
Porém, não me aprofundarei no conteúdo da carta ou nas teorias que alegam que o autor não teria sido Ramsay (pretendo fazer isso no futuro). Por enquanto, basta dizer que a verdade sobre o que aconteceu com Mance está aberto à discussão dentro e fora do universo dos livros. Veja bem: o que estarão pensando os Selvagens na Muralha agora que Jon Snow leu a eles uma carta que diz que Mance está vivo em Winterfell, sendo que todos eles o viram queimar? Talvez passem a atribuir poderes mágicos a Mance e comecem a teorizar que ele enganou até a própria morte.
Coisas que saberemos quando Os Ventos do Inverno sair.

Perguntas

  1. O navio de onde a seda escarlate do manto de Mance foi retirado vinha do oriente?
  2. Por que Mance reuniu os Selvagens ao invés de fugir e se salvar?
  3. Mance realmente planejava lutar contra os Outros?
  4. Que tipo de influência Mance teve sobre Jon?
  5. Mance realmente foi capturado por Ramsay?
  6. Você acha que os Selvagens podem tentar resgatar Mance com base na Carta Rosa?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.11.07 01:26 Bianval Alguém aí órfão do Orkut? Reddit é pouco interativo, Facebook é invasivo, Twitter e Instagram são superficiais... Profundo era o Orkut!

Quando o Facebook bloqueou minha conta (por eu usar meu apelido e não nome verdadeiro) exigindo cópia do meu RG pra me liberar, abandonei e migrei para o Reddit. Mas aqui tudo é muito parado, vc só tem mais interação quando faz uma postagem. Mesmo usando os grupos em inglês com milhares de pessoas online, a gente coloca algum comentário e muitas vezes não há resposta ou reação alguma... principalmente se é uma postagem já lotada, acho que poucas pessoas veem porque somente o autor da postagem recebe notificação, e na maioria das vezes é só o próprio que responde. Muitas vezes eu penso: pra que escrever se poucos vão responder ou ler? Já o Twitter e Instagram são muito superficiais, não consigo achar muita utilidade.
Mas vocês se lembram do Orkut? Lá tinha os melhores fóruns de discussão que eu já vi. Tinha comunidade de todos os tipos, pra todos os assuntos e interesses… Podia encontrar coisas bem específicas… Grupos de todas as cidades, quem sabe até do seu bairro! Dos mais úteis, como grupos profissionais, aos mais inúteis e criativos: ODEIO ACORDAR CEDO, TENHO MEDO DO PLANTÃO, IMAGINA SE PEGA NO OLHO… Era um grande banco de dados com informações, conselhos, experiências, dicas, ajuda, etc. Podia facilmente encontrar desde conselhos jurídicos até sobre como consertar seu computador.
Vocês podem dizer: "Ah, mas o Facebook tbm é parecido com isso!" Olha, não chega nem aos pés. Lá as coisas são muito descartáveis... tudo vai sendo afundado na timeline. Você posta algo hoje, amanhã já morreu e talvez ninguém vai mais ver. E é invasivo em vários sentidos: você posta algo em um grupo, sei lá sobre política, família e amigos que fazem parte do grupo recebem notificação... receita pra discórdia, discussões desnecessárias, baixarias e pouca privacidade. Sem falar que o Facebook tbm é ideal pra quem gosta de likes, estrelismo e ficar ostentando. Já no Orkut, a ostentação se resumia a doze fotos escolhidas a dedo… kkkkkk… e não tinha essa competição de like. E tudo era permanente: toda a informação, todas as contribuições. Você postava um texto hoje e as discussões podiam durar dias... ou até meses... já que a estrutura era visualmente mais limpa, fácil de achar os tópicos, e discussões antigas eram frequentemente "desenterradas" (pela fácil visualização e pesquisa). A ferramenta de pesquisa do Orkut era mais universal, os grupos eram mais abertos... já no Facebook é muita poluição visual, pouca informação, muitos grupos fechados, grupos que nem aparecem na pesquisa e mais difícil encontrar coisas. Sem falar que o Orkut fervilhava com discussões de alto nível intelectual, textos de filosofia, ciências, política, grupos de estudos mais sérios sobre livros específicos, temas... foi uma das épocas que eu mais escrevi e mais pesquisei pra participar dessas discussões… Não sei se as pessoas hoje estão ficando mais burras, ou se as redes sociais hoje atraem gente mais burra, ou talvez os intelectuais não achem essas plataformas convenientes para ter discussões e contribuições com maior nível.
Enfim, uma pena que o Google deixou morrer… vai ser difícil uma rede social pra bater com o Orkut.
submitted by Bianval to brasil [link] [comments]


2019.08.12 22:10 alanterr SEO local: O que é?

Para uma empresa local, o objetivo é estabelecer-se como o melhor em sua área e aumentar os lucros. Na tentativa de se destacar e melhorar seu alcance de público-alvo, nada é mais importante do que ter uma boa estratégia de SEO local.
SEO significa Search Engine Optimization e engloba todas as estratégias utilizadas para aumentar o número de de visitantes ao seu site.
SEO local refere-se as técnicas de otimização para mecanismos de busca com foco no posicionamento de um site para pesquisas realizadas em determinado bairro, cidade, estado, região ou país. Envolve o uso de palavras-chave combinadas com o nome dessas localidades para obter visibilidade dentro da área de destino.

Porquê SEO Local?

Muitas empresas consideram SEO como algo “alternativo” e que pode não ser tão importante. Devido a isso, muitas empresas adotam os meios convencionais de publicidade e não veem a necessidade de mudar sua abordagem.
O SEO local não só lhe dá uma fatia do bolo, mas pode trazer o bolo inteiro de uma região para você.
Há uma série de fatores que o tornam cada vez mais importante para as empresas locais. Este artigo os explora em detalhes.

Seus clientes estão online

Os dias das páginas amarelas, ou listas telefônicas acabaram.
As pessoas não precisam folhear páginas e páginas para encontrar o endereço de uma empresa. Elas pesquisam no Google diretamente por produtos e serviços com a intenção de obter um número de telefone ou endereço.
Todas as empresas estão na internet, mais precisamente no Google. Isso significa que se o seu negócio não é encontrado lá, ele “não existe”.
Por conta do número crescente de clientes recorrendo à Internet em busca de respostas, as empresas locais que não estão bem posicionadas para essas respostas estão deixando muito dinheiro na mesa.

Economicamente viável

O objetivo de qualquer campanha de marketing é proporcionar um retorno sobre o investimento, levando a mais vendas e novos negócios.
A maioria das empresas locais trabalha com um orçamento limitado e é muito cuidadosa ao usar seus recursos.
O SEO local ajuda a diminuir os medos, pois há pouca publicidade desperdiçada, já que a divulgação é realizada apenas no lugar certo quando os clientes em potencial pesquisam online, dando-lhe assim uma vantagem sobre os meios tradicionais de publicidade, como mala direta, jornais locais e folhetos.
Esses métodos tradicionais não têm uma abordagem direcionada a um público muito específico e são menos eficazes.

É mais barato

Você pode começar a fazer SEO local de forma gratuita. O Google My Business e o Bing Places for Business são ótimas maneiras de começar com custo zero.
Além destes dois, há um monte de diretórios de negócios on-line onde você pode promover o seu negócio e dar a sorte de ser encontrado.
Porém, se você quiser algo mais poderoso será necessário contratar um profissional de SEO ou uma agência especializada. Porém, os custos são muito menores se compararmos aos anúncios em, jornais, revistas, tvs e rádios locais.

Declínio do jornal

A publicidade tradicional através do jornal está morrendo rapidamente.
O número de leitores está diminuindo e as pessoas estão cancelando suas assinaturas todos os dias.
No lugar dos jornais, os clientes recorrem a Internet para receber notícias e informações sobre empresas e produtos de que gostam.
Empresas locais inteligentes reconheceram essa mudança e estão aproveitando a otimização do SEO local, abandonando a “velha guarda”.

Tenha um site amigável para dispositivos móveis

Uma grande quantidade de pesquisas online vem de dispositivos móveis. Não faz sentido atrair visitantes ao seu site apenas para perdê-los porque ele não é compatível com dispositivos móveis.
Quando os usuários acham difícil navegar em um site, eles vão seguir em frente e isso significa que você perderá negócios para a concorrência.
Se você deseja fazer um trabalho sério de Seo local, tem que reconhecer que a maioria dos seus potenciais clientes estão à procura de informações através dispositivos móveis.
Entre em ação para conseguir que um desenvolvedor de websites que otimize seu site para celulares e tablets.

A velocidade é importante

Nada é mais frustrante do que precisar de uma solução rápida e se deparar com um site de carregamento lento.
Em SEO local, ter um site rápido é fundamental se você não quer perder clientes.
Descubra o que está tornando o site lento e corrija-o. Na maioria das vezes os arquivos de imagem pesadas são os culpados quando se trata de tempo de carregamento. Otimizar essas imagens dará ao site uma velocidade bem melhor.

Tornar o conteúdo localmente relevante

O Google prioriza os conteúdos segmentados localmente, tornando essencial criar um conteúdo que agrade as pessoas naquela área geográfica.
O conteúdo deve ser interessante, compartilhável e relevante para o público local.
Postagens de blogs sobre pontos de referência locais, eventos e lugares na região são uma ótima maneira de se conectar com as pessoas.
Outra abordagem interessante é fornecer uma opinião de um especialista relevante naquela área.
Por exemplo: se você é um contador, pode criar postagens sobre como economizar dinheiro em impostos cobrados naquela região. Ou como as regulamentações financeiras na área funcionam para a pequenas empresas.
Quando se trata de criar conteúdo que seja localmente relevante, você precisa agregar valor a este público específico.

Parceria com a mídia local

Construir um relacionamento com blogueiros e sites que se concentram na área em que você opera ajudará a impulsionar seus negócios.
As plataformas de mídia local têm um amplo alcance dentro da comunidade e você obterá benefícios a longo prazo criando essa rede de relacionamentos regionais.
Patrocinar eventos locais ou realizar acontecimento que atrairão a cobertura da mídia local para sua empresa também é uma boa ideia.

Conquinstar backlinks em sites da sua região

Criar uma rede de links vindos de sites de negócios localizados na sua região ajudará muito no posicionamento do seu site localmente para os resultados de busca.
O compartilhamento desses links nas redes sociais desses negócios locais também contribui para isso.

Para conseguir esse tipo de link, a qualidade do conteúdo é essencial.

Social media

O engajamento de mídia social é muito importante para o SEO local.
Criar contas em várias plataformas de mídia social como Facebook, Twitter e Instagram ajuda seu conteúdo a ser compartilhado, contribuindo para que surjam backlinks de autoridade apontados para o seu site.
Use sua presença na mídia social para se conectar aos clientes em potencial e responder a perguntas e comentários.
Essas estratégias não só ajudarão você a dar os primeiros passos, mas também o guiarão na emocionante jornada que é o SEO local.
Tudo o que é colocar a mão na massa e iniciar esse processo.
submitted by alanterr to u/alanterr [link] [comments]


2019.08.07 21:09 DescubraGuaruja Praias de Bertioga Litoral Paulista

Praias de Bertioga Litoral Paulista

https://preview.redd.it/pbi5q48cs2f31.jpg?width=960&format=pjpg&auto=webp&s=37f22ebb8a6d8065f97280cbc41ec0a82a77e778
O Litoral Norte de SP reúne cidades com cenários belíssimos. As praias de Bertioga por exemplo, estão sendo cada vez mais eleitas por viajantes de todo o Brasil.
Com uma distância aproximada de 100 Km da cidade de SP, as praias de Bertioga são excelentes opções para curtir um final de semana ou um feriado com os amigos, a família e as crianças.
As praias da cidade de Bertioga agradam todos os tipos de viajantes, esportistas e banhistas com suas particularidades.
Junto com as lindas praias das cidades vizinhas como: Santos, Guarujá, São Sebastião, Ubatuba e Ilhabela. A cidade de Bertioga tem aproximadamente 43 Km de litoral rodeado dos encantos da vegetação da Mata Atlântica.
Neste artigo nos preocupamos em listar as melhores praias de Bertioga, além de detalhar para você toda a exuberante beleza da região do litoral norte paulista.

Praia de Guaratuba em Bertioga

A praia de Guaratuba fica na região Sul, um pouco afastada do centro de Bertioga. Sentido à cidade de São Sebastião no litoral norte de SP.
A orla de Guaratuba é bem tranquila e cheia de casas, pois a praia fica dentro de um condomínio, porém com acesso livre é só se identificar na portaria.
Bem procurada pelos amantes de corrida e caminhadas, pois sua orla tem areia batida que favorece essa prática de esportes. No decorrer da orla quem garante os petiscos e as bebidas do seu passeio são os vendedores ambulantes locais.
Do lado esquerdo da praia de Guaratuba você vai encontrar um belíssimo cenário do canal do rio Guaratuba que desemboca por lá.
Junto com a praia de Itaguaré, Guaratuba tem uma extensão aproximada de 8 Km. Com mar raso, agitado de ondas ao mesmo tempo de água cristalina, a praia é bem procurada para as viagens em família, com as crianças além de atrair a prática da pesca esportiva.

Praia de Boracéia

A praia de Boracéia é uma das mais procuradas e visitadas da região de Bertioga.
Fica cerca de 35 Km de distância do centro do município, a sua maior parte ocupa o território de Bertioga e a outra faz divisa com a cidade de São Sebastião.
Mesmo rodeada de condomínios a praia de Boraceia possui uma fauna incrível e um cenário deslumbrante, à beira da rodovia Rio Santos.
Onde é possível avistar os índios vendendo seus artesanatos por lá. Todo ano, no mês de Julho ocorre a tradicional festa da Tainha da região de Bertioga e também a prática da pesca de arrastão.
Na região tem uma reserva indígena, habitada por índios Guaranis, que só pode ser visitada com autorização da Funai.
A orla da praia tem a areia batida, escura e extensa. A praia de Boracéia é excelente para a prática de esportes como corridas e caminhadas. Uma partida de vôlei ou uma altinha, no futebol de areia. Rs
Já para os amantes de Ecoturismo, trilhas, aventuras e afins, no final da praia de Boracéia tem uma trilha classificada de nível fácil entre os viajantes, com aproximadamente 40 minutos de percurso. A caminhada dá acesso à uma pequena e linda praia deserta, com um mar bem agitado de ondas, conhecida como Praia Brava.
Com uma infraestrutura comercial bem interessante, nos arredores em Boracéia é possível garantir as refeições, as bebidas e a diversão do seu passeio.

Praia Riviera de São Lourenço

A Praia de Riviera de São Lourenço em Bertioga, é a mais estruturada da cidade. Tanto no aspecto turístico quanto no quesito de comércios.
Com uma orla de aproximadamente 5 Km, Riviera de São Lourenço tem uma extensa ciclovia que incentiva a pedalada dos turistas que passam por lá.
A praia de Riviera está completamente rodeada de condomínios, com prédios e casas de altíssimo padrão e luxo, que se concentram na sua extensão. Além do shopping, restaurantes, bares com música ao vivo, baladas e os comércios requintados da região de Bertioga.
Riviera de São Lourenço é muito requisitada por turistas, sua belíssima e extensa praia oferece conforto, diversão e segurança para quem passa o dia por lá.
Com um mar tranquilo em sua maior parte atrai as famílias e banhistas. Já as altas ondas no canto direito da Praia de Riviera de São Lourenço formam o pico dos surfistas.

Praia de Itaguaré

A Praia de Itaguaré compõe a lista das mais belas praias desertas do litoral paulista.
Fica mais afastada do centro do município de Bertioga, em um condomínio com acesso livre. Bem próximo da praia de Riviera de São Lourenço, na rodovia Rio Santos (Ponte do Rio Itaguaré).
Na estrada de terra que dá acesso a praia de Itaguaré é possível estacionar o carro, no local você vai encontrar muita vegetação e casas locais apenas.
Ainda pouco conhecida, a praia de Itaguaré é deserta e tranquila. Sem nenhum tipo de infraestrutura, é preciso levar alimentos e bebidas para passar o dia por lá.
Muito procurada pelos amantes do Ecoturismo, Itaguaré é uma praia que encanta com sua vegetação e mar, além do belíssimo encontro dás águas do Rio Itaguaré e as águas do mar que acontecem no canto direito da praia.
Mas é preciso ficar atento com a correnteza tanto do rio quanto do mar, os salva vidas vão deixar a diversão mais segura somente aos finais de semana e no verão.
Em toda a sua extensão de areia batida é possível realizar corridas e caminhadas ou garantir um descanso na sombra das árvores, dependendo do horário que chegar.
Ao longo do mar tem pontos que dá para nadar e brincar com as crianças com mais tranquilidade ou praticar pesca esportiva, por exemplo. Sem contar a locação de caiaques e stand up que garantem a diversão na praia de Itaguaré em Bertioga.
Com a unidade de Preservação do Parque Estadual Restinga de Bertioga, a Praia de Itaguaré é uma das pouquíssimas praias que ainda seguem com um cuidado e preservação com o meio ambiente, portanto cuide do lixo produzido durante o seu passeio.
Se estiver visitando as praias de Bertioga, vale a pena passar pela Praia de Itaguaré e conhecer esse pedaço de paraíso no litoral.

Praia da Enseada – Bertioga

A Praia da Enseada em Bertioga é bem extensa e seus 12 Km terminam próximo ao Centro Histórico do Indaiá.
Com uma pista de skate, calçadão e praças inaugurados recentemente, que são partes do projeto de Ruy Ohtake na Praia da Enseada. Além do parque e da ciclovia que complementam a curtição das crianças na praia.
A areia na Praia da Enseada é dura e batida, ideal para uma partida de vôlei ou de futebol.
O mar no geral é bem agitado. Na região do canal não é próprio para banho, bem como a praia da Enseada inteira em determinadas épocas do ano. Fique atento!
No site da Cetesb você consegue maiores informações sobre a qualidade da água das praias do litoral brasileiro.
Na região do Sesc de Bertioga, os surfistas dominam a praia da Enseada, o mar lá reserva altas ondas para a galera do surfe.
Já os casais apaixonados elegem o Forte de São João como palco. O Forte é uma pequena construção militar, que fica dentro de um parque bem bonito e agradável na Enseada em Bertioga. Vale a pena a visita!
Alguns quiosques e ambulantes no decorrer da areia garantem as bebidas e os petiscos, durante o seu passeio na praia da Enseada. Por estar localizada na região central de Bertioga, você irá encontrar vários comércios que garantem a tranquilidade e diversão da sua viagem.
Principalmente na alta temporada, como os shows, festivais gastronômicos, eventos culturais e campeonatos não faltam na praia da Enseada. As mais tradicionais acontecem em Julho (Festa da Tainha) e Agosto (Festa do Camarão na Moranga).

Praia do Indaiá em Bertioga

A praia do Indaiá fica localizada entre as praias: Riviera de São Lourenço e Enseada, na belíssima região de Bertioga. Com uma linda vista para o norte da Ilhabela.Um mar calmo, calçadão, praça com bancos para descansar e estacionamento garantem a tranquilidade durante o seu passeio na praia do Indaiá.
Sem muita infraestrutura, no local alguns vendedores servem pratos, petiscos e bebidas. O movimento e o agito aumentam durante os finais de semana, onde algumas excursões passam por lá.
As águas tranquilas e cristalinas da praia do Indaiá tornam o passeio entre famílias com crianças muito mais seguro.
Favorecendo também esportes náuticos, muitos velejadores realizam seus treinos por lá.
E se procura por diversão no mar, é possível fazer passeios de banana boat no Indaiá.

Praia Branca ou Prainha Branca Bertioga-Guarujá

A praia Branca ou prainha Branca como é popularmente conhecida, tem a sua localização muitas vezes confundida pelos viajantes como parte da cidade de Bertioga, sendo que na verdade, a prainha Branca compõe o cenário das lindas praias da Ilha de Guarujá, no litoral Sul paulista.
O acesso mais comum é feito por uma trilha pavimentada que tem 1km de extensão, nível fácil e fica localizada bem próxima da balsa de travessia Guarujá/Bertioga ou por travessia de barco, que tem saída em Bertioga.
A prainha Branca é formada por uma comunidade caiçara que vive do turismo e da pesca local. Além da exposição e comércio de artesanatos na feirinha.
Ao longo da praia alguns bares e restaurantes simples garantem as refeições e bebidas do seu passeio e também o som local com músicas e apresentações ao vivo, dependendo da época do ano.
Nos feriados e na alta temporada a prainha Branca recebe um grande número de visitantes, mesmo tendo o seu acesso restrito por trilha.
É preciso ter paciência para realizar pedidos nos bares nesta época do ano.
O mar agitado e as altas ondas da praia Branca atraem surfistas o ano inteiro para lá!
Em alguns pontos as ondas dão uma trégua, sendo possível tomar um banho de mar e se divertir com as crianças.
Claro que sempre com muito cuidado, não abuse da natureza e fique atento às orientações do salva vidas no decorrer do dia, para que nada estrague seu passeio.
A praia branca em Guarujá atrai uma galera mais roots, que busca um contato maior com a natureza e se acomodam em campings/acampamentos, por exemplo.
Sem contar os amantes de ecoturismo, a partir da prainha é possível fazer duas trilhas em meio à Mata Atlântica. Cada uma dá acesso à uma belíssima praia deserta do Guarujá, sendo elas na ordem: a Praia Preta e a Praia de Camburi que também dá acesso a deliciosa cachoeira de Camburi.
Se programe para conhecer esse pedaço de paraíso, para quem vem do Guarujá é a última praia da Ilha antes da balsa de travessia Guarujá/Bertioga, e para o sentido contrário é a primeira praia do litoral Sul/SP.
Este artigo Praias de Bertioga apareceu primeiro em https://descubraoguaruja.com.b.
submitted by DescubraGuaruja to u/DescubraGuaruja [link] [comments]


2019.07.24 19:32 AntonioMachado [1999] Victor Wallis - "Progresso" ou progresso? Definindo uma tecnologia socialista

Artigo: https://www.ifch.unicamp.bcriticamarxista/arquivos_biblioteca/07walli.pdf
submitted by AntonioMachado to investigate_this [link] [comments]


2019.07.24 15:36 Luizbep Showcase da Comunidade e Perguntas e Respostas - PSA

Showcase da Comunidade e Perguntas e Respostas - PSA
Olá pessoal, feliz quarta-feira mais uma vez!

Espero que todo mundo esteja tendo um bom verão e que você esteja evitando o calor. Estamos aqui novamente com outra vitrine e perguntas e respostas. Desde que você foi roubado de uma Q & A adequada última vez, eu adicionei mais um par neste. Felizmente, sempre há pessoas que têm algo a dizer. Antes de tudo isso, um pequeno anúncio.
Nós mudamos os tempos de reinicio do servidor. Assim, o servidor é reiniciado todos os dias às 04:00 (4:00) e 16:00 (4 PM) do horário do servidor local.

Nós também estamos tentando uma coisa nova. A fim de manter o fluxo de comunicação com a nossa comunidade, implementamos um novo tópico chamado "Developers Daily Diary & EA Roadmap" (Diário de Desenvolvedores Diário & Roadmap do Acesso Antecipado). Nele, vamos escrever situações atualizadas sobre o progresso atual, então confira!

Link para o post (em inglês)

Então vamos para o showcase:
https://preview.redd.it/xmjqcki589c31.png?width=3281&format=png&auto=webp&s=077bb0ceb78b611cb9af6a968a7fda125bc25bd5
Os 3 porquinhos poderiam ter derrotado o lobo, mas ainda enfrentam a fera mais perigosa: o homem.

Não há jantar de frango aqui.

Nós também temos montanhas que você pode ver e escalar.

\"Ei dev porque os meu fps está caindo?\"

\"Você acabou de olhar para a minha namorada, né?\"

Um certo rapper aprova essa imagem.

Cuidado com o mago.

De tirar o fôlego.

Defina os controles para o coração do sol.

Cuidado com o companheiro dos cães radioativos (e isso não significa que estamos adicionando cães radioativos).
https://preview.redd.it/4kqoxmtuw8c31.png?width=3281&format=png&auto=webp&s=882f831c8241550cdfad197df6cba00281d9e165
Certo, vamos para as perguntas e respostas:

1) Que tal adicionar uma bússola na tela como um item de loot? Ficar virando para trás e para frente no mapa fica chato depois de um tempo.
R.: Está planejado em algum lugar abaixo da linha.

2) Toda vez que vocês wipam eu espero que a temporada de monções acabou.
Ainda chove todos os dias.
R.: Mas isso faz as árvores crescerem mais rápido.

3) Porque é sempre dia e ensolarado? Eu quero névoa e noite... por favor. Ou isso é um problema do modo solo? Eu não sei, você pode me dizer?
R.: Este é um problema no modo solo. Parece não salvar o tempo do cliente local para que ele seja redefinido toda vez que você fizer o login. Estamos trabalhando na correção.

4) Olá devs, vocês podem explicar o que aconteceu com a habilidade de cozinhar que agora não está sendo usada? Por esta razão, sua nova churrasqueira improvisada não faz sentido, porque você não pode deitar os espetos com carnes nela e assa-los. Além disso, todos os passos estão faltando. Como bife de boi e de porco assado, os quais eu via com frequência nos primeiros dias do jogo. Todos vocês fizeram um ótimo trabalho nos últimos 11 meses, desde o lançamento do jogo.
R.: A cozinha ficou mais elaborada e ainda estamos trabalhando para melhorar ainda mais. A churrasqueira está aqui para carne crua, não espetos. Além disso, tenha cuidado na churrasqueira. Você precisa encontrar e ajustar o calor perfeito para que sua carne não queime. Se a durabilidade começar a cair rapidamente, significa que está queimando.

5) Se eu não executar servidores e perder algumas dezenas de horas do meu tempo neste jogo, não as verei aqui, porque limpar os jogadores do servidor quando eles gastaram algumas dezenas de horas para construir uma base, coletar equipamentos e desenvolver habilidades de personagem, quem iria querer começar de zero a cada vez. Isto está doente e se eu não restaurar o servidor com o meu progresso até agora, então eu vou deletar esse jogo de uma vez por todas e não vou recomendá-lo a ninguém. Eles tratam os jogadores como lixo, removendo todas as suas conquistas no jogo.
R.: Paus e pedras...
Brincadeiras à parte, nós tendemos a evitar wipes o máximo que podemos, mas às vezes eles são necessários. Você deveria ver o rosto de Leva quando ele percebeu que seria necessário fazer uma limpeza e ele perderia todo o seu progresso. Eu vou te dizer o servidor que ele está por 5 dólares no meu paypal.

6) Eu entendo a necessidade de wipe depois de uma atualização como essa, mas sendo honesto... é por isso que os jogadores saem. Digo, é muito frequente. Toda vez que dou uma nova chance para esse jogo e gasto muito tempo looteando e construindo, vem um wipe justo quando tenho algumas coisas úteis. Suas atualizações são pequenas e insignificantes no momento, apenas esperem até vocês adicionarem algumas coisas úteis e excitantes para os jogadores... Uma vez por mês, as vezes nem tão frequente assim. Uma vez a cada dois meses. A atualização seria maior e mais fácil de aceita-la, quando perdemos tudo que temos. Eu não sei, foi só um pensamento. Estou indo para o modo solo agora. Não posso mais jogar com meus amigos assim. Todos eles desinstalaram o jogo agora...
R.: Quanto ao limpe mesmo que acima. Nós os evitamos o máximo possível. Mas se você se sentir esgotado, é compreensível. Ei, se fazer uma pausa significa que você pode aproveitar o jogo ainda mais quando formos jogar mais, faça isso. Quanto aos tempos de atualização eu respondi isso antes. As coisas não são assim tão simples. Você pode não ser afetado por certos problemas, mas alguns jogadores são, e todo mundo merece jogar certo? Além disso, se tivermos algo que consideramos pronto para lançamento, por que não lançá-lo e ver se ou quais problemas ele causa com o restante na criação ao vivo. É uma prática melhor do que liberar um monte de coisas de uma só vez e então tudo está uma bagunça.

7) SCUM fez muito progresso recentemente. Ótimo trabalho! Agora, o problema principal é que para os jogadores, não há pressão para sobreviver. Nós temos comida e um local seguro, todos têm pelo menos algumas armas para carregar consigo. Talvez possamos ter algum tipo de NPC hostil ou uma horda de zumbis ambulantes, e deixem os zumbis destruírem portas e janelas, isso forçará os jogadores a lutarem pela própria vida. Então o jogo ficará mais vivo.
R.: Boas notícias nesse assunto. NPCs e missões estão todos planejados para aparecer. Bem como outros saldos de loot.

8) Confirmado, agora esse jogo é o PUBG com "tatons".
R.: O que diabos são "tattons"?.

9) No modo solo, o personagem antigo ainda funciona. Espero que nada tenha sido esquecido aqui?
R.: Wipes geralmente não tocam em arquivos salvos de um jogador, a menos que algo dê terrivelmente errado, mas esse é outro assunto.

10) Legal, depois da atualização "SCUM não pode carregar seu perfil. Por favor, verifique se a Steam está aberta e tente novamente". Alguém pode ajudar?
R.: Como sempre, verifique seus arquivos da Steam primeiro. Se isso não funcionar, tente ir para: C:\Users\\nome de usuário*\AppData\Local\SCUM e exclua a pasta de dados salva. Isso geralmente corrige a situação, mas infelizmente você perderá seu progresso do modo solo. O multijogador é seguro, pois é armazenado no servidor.*

11) E por "água" ele quer dizer xixi.
R.: Eu defendo o quinto.

12) Agora, uma pergunta para os devs. A opção de limpar roupas e panos sujos está na mesa para futura adição? Temos água, sabão, limpar a droga das roupas dos puppets e coloca-las para secar perto da fogueira enquanto bebo vodka e toco alguma música na área de baia.
Continuem com o bom trabalho.
R.: Eu censurei esta resposta um pouco, se você estiver interessado, o original ainda está lá para que você possa consultá-lo. A pergunta é boa, então aqui vamos nós: Sim, essa função sempre foi planejada.

13) Vocês realmente precisam adicionar "hambúrgueres bepis" senão, desinstalo.
R.: Escolha difícil.

14) Aqui vamos nós, nenhuma atualização, apenas correções.
R.: Alguém não leu o FAQ.

https://preview.redd.it/fhfx2hl979c31.png?width=3281&format=png&auto=webp&s=2d822ee0764da4b483be37f534123b118790ecf4
Isso é de nós por agora. Fique seguro lá fora. Sua bebida favorita, Bedämeister. _______________ ****Tradução sob revisão****
submitted by Luizbep to scumbrasil [link] [comments]